Mercados

Petróleo é negociado perto de US$ 100 com temores por abastecimento na Europa

Futuros do Brent subiram acima de US$ 105 na quinta- (24), quando a Rússia lançou um ataque ao seu vizinho

Yacimiento ruso
Por Saket Sundria e Grant Smith
25 de Fevereiro, 2022 | 07:42 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os preços do petróleo eram negociados perto de US$ 100 o barril em Londres depois de atingir uma alta de sete anos em meio a temores de que a invasão da Ucrânia pela Rússia afetará a oferta do segundo maior exportador de petróleo do mundo.

Os futuros do Brent subiram acima de US$ 105 na quinta-feira (24), quando a Rússia lançou um ataque ao seu vizinho, embora os preços tenham recuado posteriormente, quando surgiu que os governos ocidentais não imporiam sanções às exportações de energia em retaliação. Ainda assim, compradores como a China estão evitando o carro-chefe da Rússia nos Urais, com a preocupação de que a ruptura nas relações internacionais ainda possa complicar as negociações com Moscou.

Os EUA impuseram as sanções mais duras de todos os tempos contra a Rússia à medida que tanques e tropas se aproximavam da capital ucraniana, mas disseram que as restrições à compensação de moeda incluiriam cortes para pagamentos de energia, uma fonte crucial de receita para Moscou.

O presidente Joe Biden disse que a Rússia não será barrada da rede bancária internacional Swift porque a Europa se opôs a essa ação. Apesar disso, alguns credores europeus estão reduzindo a exposição à Ucrânia e à Rússia em uma ameaça às linhas de crédito essenciais ao comércio.

PUBLICIDADE

“Mesmo que as sanções não atinjam explicitamente as exportações de energia russas, provavelmente ainda veremos fluxos de energia reduzidos da Rússia”, disse Bjarne Schieldrop, analista-chefe de commodities da SEB AB.

Preços do petróleo

  • Brent para liquidação de abril avançava 0,4%, para US$ 99,47 por barril, às 5h17, horário de Brasília
  • Ele fechou em alta de 2,3% na sessão anterior, depois de atingir um pico de sete anos de US$ 105,79 antes
  • O WTI para entrega em abril foi pouco alterado em US$ 92,75 depois de fechar 0,8% mais alto na quinta-feira

A invasão da Ucrânia pela Rússia assustou um mercado global de petróleo que já estava perigosamente apertado devido à incapacidade de oferta de acompanhar a recuperação da demanda da pandemia. Biden disse que os EUA estão trabalhando com outras grandes nações consumidoras em uma liberação coordenada de reservas. No entanto, essas vendas precisariam ser muito grandes para ter um grande impacto nos preços.

Japão e Austrália indicaram que podem fazer parte de uma liberação de reservas internacionais, mas a China disse que não tem planos imediatos de intervir nos mercados de petróleo. Um porta-voz de Pequim disse que só consideraria tal medida quando a situação geopolítica se estabilizar. A Coreia do Sul disse que está se preparando para agir se houver uma interrupção nos embarques de energia.

Os estoques de petróleo em Cushing, Oklahoma, continuaram caindo para o menor nível desde setembro de 2018, segundo dados divulgados na quinta-feira. Os estoques no hub estão se aproximando rapidamente de níveis críticos e podem preparar o terreno para uma nova alta nos futuros, já que é o ponto de entrega do contrato de referência dos EUA.

PUBLICIDADE

Há um risco de que o petróleo suba para US$ 125 o barril caso a destruição da demanda seja necessária para equilibrar o mercado, disse o Goldman Sachs em relatório. O recente rali ameaça as perspectivas de um acordo nuclear com o Irã que aumentaria a oferta global, já que o produtor pode acessar fluxos de caixa mais altos com vendas recordes para a China, disseram analistas, incluindo Jeffrey Currie.

O petróleo Brent se aprofundou no atraso - onde os contratos de curto prazo são mais caros do que os mais distantes - destacando o nervosismo dos investidores com a situação de oferta apertada. O spread imediato do benchmark global foi de US$ 3,75 por barril em retrocesso em comparação com US$ 1,82 há duas semanas. Enquanto isso, o desconto do WTI para o Brent está próximo do maior desde abril de 2020, possivelmente incentivando os traders a explorar oportunidades de arbitragem.

Leia também