PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

EUA alertam que Rússia pode atacar várias cidades na Ucrânia

Autoridades não especificaram o que um possível ataque pode incluir ou comentaram sobre qual o objetivo final do presidente russo

A Rússia posicionou forças de combate significativas na Bielorrússia, na fronteira russo-ucraniana, na Crimeia ocupada e no mar
Por Alberto Nardelli e Jennifer Jacobs
20 de Fevereiro, 2022 | 03:12 pm
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg — Os Estados Unidos disseram a aliados que qualquer invasão russa na Ucrânia poderia ter como alvo várias cidades além da capital Kiev, segundo três pessoas familiarizadas com o assunto.

As cidades que também podem ser atacadas incluem Kharkiv no nordeste e Odessa e Kherson no sul, disseram as pessoas, todas autoridades ocidentais que pediram para não serem identificadas falando sobre assuntos tão sensíveis. Eles não forneceram detalhes sobre a inteligência que, segundo eles, sublinhou esses cálculos.

A visão americana é moldada em parte pelas forças e capacidades russas atualmente próximas à Ucrânia, bem como de como elas podem estar preparadas para agir de vários locais, disseram as autoridades. Eles não especificaram o que um possível ataque pode incluir ou comentaram sobre qual o objetivo final do presidente russo, Vladimir Putin, ao tomar tal ação, mas uma pessoa disse que as avaliações dos EUA sugerem que qualquer invasão em larga escala pode ter apoio aéreo e interrupções cibernéticas.

Uma invasão de vários locais poderia essencialmente cercar a Ucrânia. Esses ataques maciços e as enormes baixas civis que provavelmente reforçariam o apoio ocidental às sanções à Rússia, bem como chocariam as pessoas na Rússia, muitas das quais têm laços familiares e culturais com a Ucrânia.

PUBLICIDADE

Veja mais: Rússia e Bielorrússia manterão exercícios militares próximos à Ucrânia

A Rússia posicionou forças de combate significativas na Bielorrússia, na fronteira russo-ucraniana, na Crimeia ocupada e no mar. Moscou também apoia separatistas no leste da Ucrânia, embora negue armá-los.

O presidente Joe Biden disse na sexta-feira que agora está convencido de que Putin decidiu agir contra a Ucrânia e que uma invasão – incluindo um ataque a Kiev – pode ocorrer em poucos dias. Uma avaliação semelhante às declarações públicas de Biden foi compartilhada com os principais aliados europeus na sexta-feira, disseram as autoridades. Um disse que não há como saber com certeza o que Putin decidirá fazer, e que mesmo que ele tenha tomado uma decisão, ela pode ser revertida em curto prazo. Putin indicou que o aumento tem como objetivo em parte pressionar o Ocidente em suas demandas por garantias de segurança.

Moscou continua negando que planeja invadir a Ucrânia e diz que já está retirando tropas de áreas próximas à fronteira. Os EUA contestam isso, acusando a Rússia de aumentar ainda mais suas forças na semana passada. A Rússia também está estendendo os exercícios na Bielorrússia, que deveriam terminar no domingo.

PUBLICIDADE

Na semana passada, autoridades russas zombaram da inteligência ocidental, após avisos semelhantes de que uma invasão poderia acontecer em 15 ou 16 de fevereiro. “É impossível falar seriamente sobre essas questões”, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Maria Zakharova, por telefone no sábado, em resposta a um pedido de comentário sobre se a Rússia poderia potencialmente atacar várias cidades no caso de uma invasão.

“A Bloomberg já publicou vários artigos sobre a suposta invasão russa da Ucrânia ou a não invasão da Ucrânia”, disse Zakharova, cuja resposta à Bloomberg News está na íntegra. “Esta informação nunca provou ser precisa. Foi negado tanto pelo lado russo quanto diretamente refutado por eventos subsequentes”, disse ela. “Cada vez, a Bloomberg se refere a algumas fontes não identificadas: alguns diplomatas ou alguns dados de inteligência. Se pelo menos uma dessas vezes a informação fosse confirmada, provavelmente valeria a pena discutir este tema. Ao mesmo tempo, a Bloomberg não tirou nenhuma conclusão e continua a se referir a algumas fontes não identificadas e a replicar falsificações. A esse respeito, há uma conclusão lógica de que a Bloomberg está se permitindo cegamente ser usada pelas agências de inteligência dos EUA ou conscientemente espalhando desinformação”.

Os governos alemão e francês, que adotaram uma visão mais cautelosa sobre as perspectivas de um movimento da Rússia sobre a Ucrânia, intensificaram seus alertas públicos nas últimas 24 horas. “Todas as indicações são de que a Rússia está planejando um ataque total à Ucrânia”, disse o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, à emissora alemã ARD.

Porta-vozes do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca se recusaram a comentar.

Ataques a algumas das artérias comerciais da Ucrânia teriam consequências econômicas significativas. Até 70% das exportações e importações da Ucrânia são por mar e os portos da região de Odessa lidam com três quartos disso. A Ucrânia envia principalmente por mar para e da Ásia, Oriente Médio, África e Américas.

Embora o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, tenha concordado em se encontrar com o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, esta semana na Europa, a avaliação dos EUA é que Moscou não parece disposta a se envolver em discussões substanciais sobre as propostas que os EUA apresentaram, disseram as autoridades. Isso inclui discussões sobre controle de armas e mecanismos de redução de risco. A Rússia também evitou oportunidades de explicar o que estava acontecendo com suas tropas, disse um deles.

PUBLICIDADE

Veja mais: Lufthansa suspende voos para Kiev por uma semana

O Kremlin exigiu que a Otan fechasse a porta para outros membros, especialmente a Ucrânia, e que a aliança militar retrocedesse sua presença na Europa Oriental. Ambos os pedidos são vistos como não iniciais. A Otan transferiu mais tropas para o leste, embora tenha deixado claro ao lado dos EUA que os soldados não entrariam na Ucrânia se a Rússia invadisse.

Os EUA e o Reino Unido também alertaram publicamente que a Rússia está trabalhando para criar pretextos para uma invasão, que pode vir na forma de uma chamada operação de “bandeira falsa” ou tentar incitar a Ucrânia a uma escalada.

As autoridades apontaram um aumento nos relatos de violações do cessar-fogo e desinformação no leste da Ucrânia, onde os separatistas controlam algumas áreas e muitas vezes trocam tiros com tropas ucranianas. Os líderes de duas repúblicas autoproclamadas na área de Donbas dizem que ordenaram que os civis que vivem lá partissem para a Rússia e estão pedindo a mobilização de homens em idade de combate.

PUBLICIDADE

Moscou acusa Kiev de tentar recuperar o controle de Donbas à força e de ataques não provocados a áreas separatistas, o que a Ucrânia nega.

Os EUA e o Reino Unido também atribuíram um ataque cibernético contra o setor financeiro da Ucrânia na semana passada aos serviços de inteligência russos. Moscou disse que não estava por trás da interrupção.

Ainda assim, os líderes ocidentais se esforçam para enfatizar que ainda há uma janela diplomática. “O máximo de diplomacia possível sem ser ingênuo – esse é o objetivo”, disse o chanceler alemão Olaf Scholz no sábado na Conferência de Segurança de Munique. Os líderes do Grupo dos Sete planejam uma ligação virtual na quinta-feira (24).

Acredito que devemos continuar tentando até o último minuto, até que não seja mais possível”, disse o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, no sábado em Vilnius.

PUBLICIDADE

--Com assistência de Ilya Arkhipov, Tony Halpin e Chris Reiter.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também:

Rainha Elizabeth II testa positivo para Covid