PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Biden diz estar convencido de que Putin decidiu invadir a Ucrânia

Presidente americano cita serviço de inteligência e diz que ataque deve acontecer em questão de dias

Presidente Joe Biden diz estar convencido de que Putin decidiu invadir a Ucrânia
Por Jordan Fabian e Nancy Cook
18 de Fevereiro, 2022 | 08:16 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O presidente dos EUA Joe Biden disse estar convencido de que o presidente russo Vladimir Putin decidiu atacar a Ucrânia e que uma invasão, incluindo um ataque a Kiev, pode ocorrer em poucos dias.

Biden citou a capacidade “significativa” de inteligência dos EUA em apoio às suas afirmações, embora não tenha dado mais detalhes. O Kremlin negou repetidamente que planeja invadir a Ucrânia, enquanto concentra mais de 150 mil soldados nas fronteiras do país, segundo os EUA, e exige concessões de Washington e da OTAN.

“Estamos denunciando os planos da Rússia em voz alta, repetidamente, não porque queremos um conflito, mas porque estamos fazendo tudo ao nosso alcance para remover qualquer razão que a Rússia possa dar para justificar a invasão da Ucrânia e impedi-los de fazer isso”, disse Biden a repórteres na Casa Branca na sexta-feira.

Biden também disse que os argumentos da Rússia e de seus aliados separatistas no leste da Ucrânia de que o governo de Kiev provocou uma nova ação violência na região não são plausíveis.

PUBLICIDADE

“Simplesmente não há evidências para essas afirmações e desafia a lógica básica”, disse ele. Ele repetiu sua própria afirmação de que o Kremlin está tentando encenar uma operação de “bandeira falsa” para criar um pretexto falso para sua invasão.

As tensões entre a Rússia e o Ocidente aumentaram devido à escalada militar de Moscou. Autoridades dos EUA acusaram nesta semana o Kremlin de mentir sobre a retirada de tropas, dizendo que a Rússia ampliou as tropas nesta semana, juntando-se a força tanques, artilharia, aeronaves e outros equipamentos.

A Rússia disse aos EUA novamente esta semana que não tem planos de atacar, e suas autoridades classificaram os avisos dos EUA sobre uma possível invasão como “histeria” e propaganda.

Reação dos mercados

Os mercados de ações caíram nas negociações regulares antes de Biden falar, enquanto os títulos subiram para coroar uma semana agitada. Em negociações estendidas, um fundo negociado em bolsa que acompanha o S&P 500 (SPX) reverteu um ganho anterior e caiu até 0,2% após os comentários de Biden. Os rendimentos dos Treasuries de 10 anos aproximaram-se de 1,9%.

PUBLICIDADE

Uma incursão russa representaria um novo desafio para Biden, cujos índices de aprovação caíram devido à inflação e à pandemia. Sua agenda doméstica está paralisada no Congresso.

Biden não conseguiu persuadir Putin a recuar. Depois que autoridades dos EUA alertaram sobre um pretexto para uma invasão da Rússia, bombardeios entre separatistas apoiados pela Rússia e forças do governo aumentaram na parte leste da Ucrânia e líderes separatistas disseram que instruíram civis na área a partir para a Rússia.

“Durante esses momentos tensos, as forças ucranianas mostraram grande capacidade de julgamento e, devo acrescentar, moderação”, disse Biden. “Eles se recusaram a permitir que os russos os atraíssem para a guerra.”

Biden conversou com líderes globais na sexta-feira como parte de seu esforço contínuo para impedir uma invasão russa. A vice-presidente Kamala Harris se reuniu na sexta-feira com os chefes da OTAN e das nações bálticas na Conferência de Segurança de Munique. Ela disse que os EUA e seus aliados esperam que a Rússia diminua a presença militar, mas estão prontos para impor sanções severas no caso de um ataque.

O Kremlin continuou a enviar sinais contraditórios sobre suas intenções. O governo russo anunciou esta semana exercícios nucleares em uma demonstração de seu poderio militar. Putin disse na sexta-feira que não se esquivaria de defender os interesses da Rússia contra ameaças ocidentais e acusou os EUA de ignorar sua exigência de impedir a Ucrânia de ingressar na Otan.

Putin disse que não se opõe a novas negociações com os EUA sobre propostas de segurança que podem impedir um conflito militar. O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, concordou em se encontrar com o secretário de Estado Antony Blinken na próxima semana na Europa.

PUBLICIDADE

--Com assistência de Justin Sink.

Veja mais em Bloomberg.com