Agro

Pode faltar suco de laranja no mercado

Estoques podem chegar ao menor nível dos últimos cinco anos no próximo mês de julho, quando a safra 2021/22 chega ao fim

Nos pomares, a oferta de laranja cresceu, mas, dentro da indústria, rendimento caiu e produção de suco será menor
18 de Fevereiro, 2022 | 02:34 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — Os estoques de suco de laranja estão caindo. Em julho, quando chega ao fim a safra 2021/22, é possível que o volume alcance o menor patamar dos últimos cinco anos.

Um levantamento da CitrusBR indica que 126.574 toneladas de suco brasileiro estarão ao fim da safra atual armazenadas em poder das associadas da entidade, que concentram a maior parte da produção mundial da commodity. O volume estocado por Citrosuco, Cutrale e LDC Juice foi reduzido em mais da metade em apenas um ano. Em julho do ano passado, os estoques de suco nas mãos das empresas eram de 316.929 toneladas.

Veja mais: Brasil terá a menor safra de soja dos últimos dois anos

“Os efeitos climáticos amplamente divulgados ao longo da safra 2021/22 como seca prolongada e geadas afetaram o processo de desenvolvimento e maturação dos frutos, impactando os níveis de acidez do suco produzido”, afirma Ibiapaba Netto, diretor-executivo da CitrusBR. Segundo o executivo, as análises dos dados indicam que o volume de suco disponível para comercialização não deverá ser suficiente para garantir o abastecimento do mercado internacional até meados da safra 2022/23.

PUBLICIDADE

A luz amarela havia acendido já no final de 2021. Em dezembro do ano passado, os estoques estavam pouco acima de 509 mil toneladas, volume 25% inferior ao que estava armazenado até o fim de 2020. Contudo, ainda havia seis meses de safra pela frente, mas os indicativos não apontam para uma recuperação, principalmente no que se refere à produtividade dos pomares.

A projeção da CitrusBR é que sejam produzidas 224 milhões de caixas de 40,8 quilos de laranja. O volume é discretamente superior ao da safra passada e representa um crescimento de 0,66%. No entanto, a indústria sentiu os efeitos que o clima teve sobre a produção. Na safra passada, eram necessárias 265,11 caixas de 40,8 quilos de fruta para se produzir o equivalente a uma tonelada de suco de laranja concentrado. No ciclo atual, as empresas estão precisando de oito caixas a mais para produzir a mesma uma tonelada de produto final.

Veja mais: Desmatamento afeta preço da terra e torna agro do Brasil mais competitivo

Diante de uma produção de fruta praticamente estável e com a necessidade de se usar mais frutas para se produzir o produto industrializado, a expectativa é que a oferta de suco de laranja concentrado na safra 2021/22 seja de 820,5 mil toneladas. O volume representa uma queda de 2% em comparação à safra passada, quando saíram das fábricas 837,4 mil toneladas de produto.

O reflexo desse cenário já se vê nos preços. Na bolsa de Nova York, as cotações já acumulam valorização de 22% ao longo dos últimos 12 meses. No acumulado de 2022, os valores registram queda de 8,7%, mas depois de os preços terem superado a marca de US$ 1,60 por libra-peso no fim de janeiro. Hoje, o mercado opera cerca de US$ 0,28 abaixo do pico do mês passado, a US$ 1,3368 por libra-peso.

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.

PUBLICIDADE