Mercados

Autoridades do BCE avançam em direção à alta de juros em 2022

Consenso está surgindo antes da reunião de 10 de março para definir o mês de setembro como a data final para a compra de ativos

Estimativa atual do BCE afirma que a compra de títulos continuará até “pouco antes” do aumento das taxas de juro
Por Jana Randow
18 de Fevereiro, 2022 | 04:09 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Mais autoridades do Banco Central Europeu estão admitindo que as taxas de juros provavelmente precisarão subir no final deste ano diante de uma perspectiva de inflação mais forte.

Um consenso está surgindo antes da reunião de 10 de março para definir o mês de setembro como a data final para a compra de ativos, de acordo com pessoas familiarizadas com a situação que pediram para não serem identificadas já que as discussões são privadas.

A estimativa atual do BCE afirma que a compra de títulos continuará até “pouco antes” do aumento das taxas de juros. Isso torna dezembro o mês mais provável para a alta, disseram as pessoas, com outubro sendo considerado muito cedo e sem reunião das autoridades em novembro.

As autoridades enfatizam que qualquer decisão dependerá dos dados e previsões recebidos. Um porta-voz do BCE preferiu não comentar.

PUBLICIDADE

Um acordo em torno de acelerar o cronograma para desfazer o estímulo monetário representaria uma mudança notável na postura coletiva do BCE. Começou há apenas duas semanas, quando a presidente Christine Lagarde não descartou um aumento da taxa em 2022 - algo que ela frequentemente considerava improvável.

Cenário de inflação: preços estão subindo mais rapidamente do que o Banco Central Europeu previu em dezembrodfd

A pressão vem crescendo há muito mais tempo. A inflação na zona do euro bateu recordes repetidamente e, a 5,1% é mais que o dobro da meta de 2% do BCE. Enquanto isso, o Federal Reserve está muito mais avançado em sua própria saída do apoio à pandemia. O Banco da Inglaterra já elevou as taxas duas vezes.

Até mesmo alguns dos funcionários mais cautelosos do conselho de 25 membros do BCE estão mudando de posição, disseram as pessoas.

Lagarde adverte que o aperto muito rápido pode atrapalhar a recuperação econômica da Europa. Mas, entre uma série de comentários públicos de funcionários esta semana, Isabel Schnabel, do Conselho Executivo, emitiu um dos avisos mais severos dizendo que “o risco de agir tarde demais aumentou”.

PUBLICIDADE

Joachim Nagel, da Alemanha, e Klaas Knot, da Holanda, lançaram a ideia de um aumento da taxa este ano. Martins Kazaks, da Letônia, disse que um aumento é “bastante provável”, embora tenha chamado as apostas em dois movimentos de 0,25 pp “um tanto duras demais”.

Os que defendem o aumento de juros destacam o conjunto de custos de energia crescentes, problemas persistentes na cadeia de suprimentos e tensões geopolíticas que pode alimentar as demandas salariais e as expectativas de inflação. Alguns questionam se as previsões em que o BCE se baseou no passado devem ter o mesmo peso.

Em sinal de cautela, Pablo Hernández de Cos, da Espanha, não vê “nenhuma razão para reagir exageradamente” ao atual aumento de inflação, enquanto Olli Rehn, da Finlândia, alertou que uma resposta forte “provavelmente interromperia o crescimento econômico”.

O economista-chefe Philip Lane, importante figura na definição da posição do BCE, tem aceitado mais uma mudança na política, dizendo na quinta-feira que os dados mostram que a inflação pode se estabilizar em torno de 2%, um resultado que permitiria uma “normalização gradual”. As projeções atualizadas sobre os preços ao consumidor devem ser divulgadas na reunião do próximo mês.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Bancos mandam vender Nubank, mas ação dispara 37% na semana

Desmatamento afeta preço da terra e torna agro do Brasil mais competitivo

PUBLICIDADE