Negócios

EUA adicionam WeChat e AliExpress à lista de mercados de pirataria

Edição de 2021 identifica 42 mercados online e 35 físicos que supostamente se envolvem ou facilitam a falsificação ou pirataria

Estão incluídos nove mercados físicos localizados na China, conhecidos pela fabricação, distribuição e venda de produtos falsificados
Por Ana Monteiro e Eric Martin
17 de Fevereiro, 2022 | 01:51 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os Estados Unidos adicionaram a plataforma chinesa de mensagens WeChat e o mercado online AliExpress à sua lista de mercados notórios de falsificação e pirataria, uma compilação anual dos piores violadores e falsificadores de propriedade intelectual.

O AliExpress, de propriedade do Alibaba Group (BABA) , e o WeChat, da Tencent Holdings, são “dois importantes mercados online baseados na China que supostamente facilitam a falsificação substancial de marcas registradas”, disse o Escritório do Representante Comercial dos EUA em comunicado que acompanha o lançamento da edição de 2021, publicada hoje (17).

O USTR começou a publicar a lista independente anual em 2011 para aumentar a conscientização do público e ajudar os operadores de mercado e governos a priorizar os esforços de fiscalização da propriedade intelectual. A edição de 2021 identifica 42 mercados online e 35 físicos que supostamente se envolvem ou facilitam a falsificação substancial de marcas registradas ou pirataria de direitos autorais.

Pinduoduo, um dos maiores varejistas online da China, continua a ser listado após ser incluído pela primeira vez em 2019. O Taobao da Alibaba, juntamente com o serviço de armazenamento em nuvem Baidu e o provedor de serviços de comércio eletrônico DHgate.com também continuam na lista. Estão incluídos nove mercados físicos localizados na China, conhecidos pela fabricação, distribuição e venda de produtos falsificados.

PUBLICIDADE

Veja mais: Aplicativos fecham acordo contra ‘fake news’ na eleição; Telegram fica fora

As duas maiores economias do mundo compartilham a maior relação comercial bilateral, mas tem sido instável desde 2018, com o governo Trump impondo tarifas sobre mais de US$ 300 bilhões em importações da China, variando desde calçados e roupas a eletrônicos e bicicletas e até alimentos para animais de estimação.

O relatório listou a China como o principal país de origem de produtos falsificados apreendidos pela Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA, bem como o país com o maior número de produtos feitos com trabalho forçado, incluindo trabalho forçado patrocinado pelo Estado.

O governo Biden contemplou uma nova investigação da seção 301 das regras de comércio para combater os subsídios industriais da China. O Congresso também considerou estabelecer um processo de revisão para limitar o investimento externo, e o Departamento de Comércio está avaliando possíveis restrições a aplicativos como TikTok e WeChat que, segundo autoridades dos EUA, representam um risco para a segurança de dados dos americanos.

PUBLICIDADE

O departamento também adicionou mais empresas chinesas à sua chamada Lista de Entidades, que proíbe empresas americanas de fazer negócios com elas sem primeiro obter uma licença do governo dos EUA.

Veja mais: Chinesa Tencent compra fatia de 5,5% da brasileira Zenvia na Nasdaq

WeChat, Weixin

WeChat e Weixin, sua versão voltada para a China, são consideradas entre as maiores plataformas de produtos falsificados na China, com mais de 1,2 bilhão de usuários ativos em todo o mundo em 2021, disse o USTR. O sistema de comércio eletrônico que funciona no WeChat é particularmente preocupante, com os detentores de direitos identificando a fraqueza na verificação do vendedor do WeChat como um problema significativo, disse a agência.

A notória lista de mercados do USTR é um desdobramento de seu chamado relatório Special 301, uma revisão anual do estado global da proteção e aplicação dos direitos de propriedade intelectual.

O USTR destaca os mercados porque eles exemplificam as preocupações globais de falsificação e pirataria e porque a escala das violações nesses mercados pode causar danos significativos aos proprietários de propriedade intelectual, trabalhadores, consumidores e economia dos EUA.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE