Brasil

Como Moro busca crescer entre evangélicos decepcionados com Bolsonaro

O que está em jogo é um eleitorado que tem 1/4 dos votos do país e onde o presidente ainda tem apoio maior do que a média

Moro com pastores do grupo Gideões Internacionais, durante oração, em 2019
15 de Fevereiro, 2022 | 05:49 pm
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg Línea — O ex-juiz e ex-ministro da Justiça Sergio Moro (Podemos) tem recebido o apoio de evangélicos desiludidos com os rumos do governo de Jair Bolsonaro para tentar desmontar a base do presidente neste segmento.

No início deste mês, Moro apresentou, em Fortaleza, uma carta aos evangélicos em que se comprometeu com a manutenção das atuais limitações legais ao aborto e aos benefícios fiscais e tributários das igrejas. O documento é uma tentativa de aproximação do ex-ministro com parte do eleitorado que valoriza a pauta de costumes.

“Em 2018, Bolsonaro foi eleito graças a um forte sentimento antipetista e a questão da corrupção, além de fortes críticas, entre a comunidade cristã, sobre a pauta progressista dos governos Lula e Dilma em detrimento de uma pauta moral, de interesse das famílias”, relembra Uziel Santana, fundador e ex-presidente da Anajure (Associação Nacional dos Juristas Evangélicos).

Veja mais: Lula desdenha Moro: ‘Não considero ele nem candidato’

PUBLICIDADE

“Hoje isso não existe mais. Ele abandonou a pauta anticorrupção, abraçando o que há de pior na política brasileira. Na pandemia, foi a pá de cal. Tudo que ele tinha de fazer era proteger a população e ele fez o contrário”, afirma.

Uziel, eleitor de Bolsonaro em 2018, passou a ser o responsável por construir o apoio a Moro junto a líderes evangélicos do país, tentando desidratar a base bolsonarista neste segmento. A despeito do presidente ter indicado o presbiteriano André Mendonça para o Supremo Tribunal Federal, o presidente da Anajure diz que o presidente tem frustrado os evangélicos.

POR QUE ISSO É IMPORTANTE: “Eleitorado evangélico”, que representa um em cada quatro votos na eleição deste ano, é um termo genérico e impreciso, que abrange uma grande diversidade de denominações religiosas.

Embora sejam evangélicos, líderes e fiéis das igrejas chamadas de tradicionais, como metodistas, batistas e adventistas, que guardam entre si distinções nos campos teológicos e políticos com pentecostais – a Assembleia de Deus é a mais numerosa delas – e neopentecostais, como a Igreja Universal do Reino de Deus.

PUBLICIDADE

Numa eleição onde os institutos de pesquisa mostram larga dianteira de Lula (PT), a atuação de Moro – o terceiro colocado – entre evangélicos busca reduzir o apoio a Bolsonaro neste público para tentar chegar ao segundo turno.

Veja mais: Quem é quem na campanha de Jair Bolsonaro

Segundo o IPEC (antigo Ibope), Bolsonaro chega a 33% entre evangélicos, mais do que os 21% que ele tem na média geral da população. Naquela pesquisa de dezembro, Lula aparece com 48% no total de intenções de votos.

“O Moro tem muito espaço para crescer, mas as pessoas ainda se lembram mais do Sergio Moro juiz e não sabem que ele é candidato. O que estamos buscando fazer é apresentando o Moro como candidato, que tem compromisso com temas caros como o de proteção às famílias”.

A MÁGOA COM ‘ABANDONO NO ALTAR’: Para o coordenador de Moro, gota que fez transbordar o balde da frustração de setores institucionais evangélicos com o presidente ocorreu durante o que chama de “abandono” de André Mendonça no intervalo entre sua nomeação como ministro do Supremo Tribunal Federal e a sabatina que antecedeu a aprovação pelo Senado.

Indicado por Bolsonaro em julho de 2021, o evangélico Mendonça só foi sabatinado em dezembro – um recorde de espera.

PUBLICIDADE

“O Bolsonaro fez essa sinalização, prometeu que indicaria um ministro ‘terrivelmente evangélico’, mas primeiro indicou o Nunes Marques, que foi uma decepção. Só depois, ele teve de indicar o André [Mendonça], mas indicou e saiu de cena. Ele abandonou o André no altar”, afirma Uziel Santana.

Segundo ele, o governo não se empenhou pela concretização na nomeação, que enfrentava resistência do presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado, Davi Alcolumbre (União Brasil-AP).

Veja mais: Em remake ‘paz e amor’, Lula cita Bíblia e diz que não busca vingança

A FAKE NEWS DO ABORTO NA TESE DE MORO: Um dos objetivos da carta de compromisso assinada por Moro foi o de se contrapor a uma fake news que está circulando em grupos de WhatsApp e Telegram, segundo a qual o ex-juiz seria favorável ao aborto. A base do boato é um trecho descontextualizado da tese de doutorado que Moro apresentou à Universidade Federal do Paraná, em 2002.

PUBLICIDADE

No texto da tese “Jurisdição Constitucional como Democracia”, em que trata do poder jurisdicional (de aplicar a lei) do Supremo Tribunal Federal e sua relação com a democracia brasileira, Moro apresenta um estudo do caso Roe vs Wade, julgado pela Suprema Corte americana em 1973 e que decidiu que os estados não poderiam criminalizar indistintamente a prática do aborto.

Moro avalia os votos das duas correntes de interpretação da constituição – uma favorável a restrições mais severas à interrupção da gravidez por esta não constar como direito previsto no texto constitucional de 1787 e nas emendas posteriores e outra, a vencedora, que reconhecia a existência de direitos não-enumerados na Constituição.

No texto de Moro não há uma análise moral sobre o aborto, mas apenas sobre os fundamentos para interpretação da Constituição americana.

Leia também:

Graciliano Rocha

Graciliano Rocha

Editor da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela UFMS. Foi correspondente internacional (2012-2015), cobriu Operação Lava Jato e foi um dos vencedores do Prêmio Petrobras de Jornalismo em 2018. É autor do livro "Irmã Dulce, a Santa dos Pobres" (Planeta), que figurou nas principais listas de best-sellers em 2019.

PUBLICIDADE