PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Fracassa tentativa de privatizar Aeroporto Santos Dumont em 2022

Concessionária do Galeão, a Changi, de Singapura, pede para devolver o aeroporto para o governo; dois terminais devem ser relicitados juntos

Concessionária do Galeão decide devolver o terminal ao governo federal após não conseguir compensação por perdas acumuladas durante a pandemia,  como  ocorreu com a GRU Airport,  responsável pelo Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos
11 de Fevereiro, 2022 | 10:53 am
Tempo de leitura: 3 minutos

São Paulo — O governo federal admitiu uma baixa na sétima rodada de concessões aeroportuárias, prevista para ocorrer até junho deste ano. Após um impasse político no Rio de Janeiro, o Aeroporto Santos Dumont não será mais ofertado neste último ano do governo Bolsonaro.

PUBLICIDADE

O estopim para a alteração foi a decisão da empresa Changi, de Singapura, de devolver à União a gestão do Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão. A concessionária não conseguiu ter seus prejuízos acumulados com a pandemia da covid compensados pelo governo, como ocorreu com o Aeroporto Internacional de São Paulo, que ganhou o direito, no ano passado, de abater quase R$ 800 milhões do valor que é obrigado a pagar pela outorga do terminal.

Veja mais: O que os viajantes brasileiros têm esquecido nos aeroportos?

PUBLICIDADE

O anúncio ocorreu na noite desta quinta-feira (10), durante entrevista coletiva à imprensa, pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. Ele disse que o governo pretende relicitar o ativo em conjunto com o Santos Dumont em 2023, primeiro ano do próximo governo. Atualmente, as pesquisas de intenção de voto apontam o presidente Jair Bolsonaro em segundo lugar, atrás do ex-presidente Lula.

“Como estamos criando uma oitava rodada, teremos agora um mesmo operador para Galeão e Santos Dumont. Isso resolve uma série de questões e tira da frente uma série de preocupações que estavam sendo manifestadas pelo setor produtivo do Rio”, disse Freitas, em nota divulgada pelo Ministério da Infraestrutura.

Políticos e empresários do Rio sustentavam que a ampliação da pista do Santos Dumont, que passaria a ser apta a receber aeronaves maiores, poderia provocar um esvaziamento do Galeão, hoje um hub de voos internacionais.

A discussão se um aeroporto compete com outro não faz mais sentido”, afirmou o ministro.

Ele falou que o edital para o leilão do bloco a ser formado pelos dois aeroportos do Rio de Janeiro seja lançado no próximo ano. Somente no Santos Dumont são esperados R$ 1,3 bilhão em investimentos privados durante a duração do contrato. Estudos serão realizados para prever a quantidade de recurso necessária para revitalizar o Galeão, disse o Ministério.

PUBLICIDADE

Changi

Ontem, a Changi protocolou junto à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) o pedido de devolução voluntária do Galeão ao governo federal, confirmou o Ministério, acrescentando que a solicitação ainda será avaliada pela diretoria da agência, mas abre caminho ao processo de relicitação porque a empresa de Singapura detém 51% da RioGaleão, concessionária que administra o terminal aéreo – os outros 49% pertencem à Infraero. Com a saída da controladora, o ativo concedido em 2013 pode ser novamente licitado, disse a pasta.

Veja mais:

Ato voluntário da concessionária, o pedido de relicitação segue os requisitos estabelecidos na Lei n° 13.448, de 5 de junho de 2017, e no Decreto nº 9.957, de 6 de agosto de 2019, explicou o Ministério. Consiste na devolução amigável do ativo seguido do leilão e da assinatura de novo contrato com o vencedor do certame.

“Até o dia da transição, temos haveres e deveres acontecendo, que pode alterar conta dos valores devidos e o que cabe a cada um, o que é investimento amortizado”, acrescentou o ministro.

O procedimento foi criado para gerar segurança jurídica e garantir a continuidade da prestação dos serviços com qualidade, uma vez que a concessionária deve manter a qualidade e os requisitos de segurança operacional até que a nova empresa assuma as operações do aeroporto.

PUBLICIDADE

Outras relicitações

Além do Galeão, passam por processos de relicitação os aeroportos de São Gonçalo do Amarante, em Natal (RN), e de Viracopos, em Campinas (SP).

O secretário-executivo do Ministério, Marcelo Sampaio, acrescentou que a concessão traz sinergia ao Rio de Janeiro e a possibilidade de grande interesse por parte dos investidores - especialmente estrangeiros - neste novo bloco. “O ministro Tarcísio fez roadshow ano passado e há alto interesse dos investidores estrangeiros. Com certeza teremos muitos interessados nas concessões e leilões bem disputados”, disse.

Após tratativas com o governo do Rio de Janeiro e com a retirada do Santos Dumont da sétima rodada de concessões aeroportuárias, o Ministério da Infraestrutura vai reorganizar a divisão dos 15 aeroportos a serem ofertados na disputa. Agora, serão três blocos, assim organizados:

PUBLICIDADE
  • Bloco SP/MS/PA/MG: Formado pelos aeroportos de Congonhas (SP), Campo Grande (MS), Corumbá (MS), Ponta Porã (MS), Santarém (PA), Marabá (PA), Carajás (PA), Altamira (PA), Uberlândia (MG), Uberaba (MG) e Montes Claros (MG). O investimento previsto é de R$ 5,889 bilhões. Outorga inicial: R$ 255 milhões
  • Bloco Aviação Geral: Integrado pelos aeroportos de Campo de Marte (SP) e Jacarepaguá, no Rio de Janeiro (RJ), o lote tem R$ 560 milhões em investimentos previstos. Outorga inicial: R$ 138 milhões.
  • Bloco Norte II: Formado pelos terminais aéreos de Bélem (PA) e Macapá (AP), tem R$ 875 milhões em investimentos previstos. Outorga inicial: R$ 57 milhões.

A reorganização dos blocos será encaminhada ao TCU (Tribunal de Contas da União), que já deu início à análise da proposta original dessa rodada de concessões aeroportuárias. Segundo o Ministério, a previsão é de que o leilão ocorra ainda neste semestre, assegurando R$ 7,3 bilhões em investimentos privados. Em 2022, Brasil deve atingir a marca de 49 terminais aéreos concedidos à iniciativa privada.

Leia também

Espaçonave de Musk estará pronta para lançamento em ‘alguns meses’

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.