PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

NY: Escritórios híbridos do pós-covid passam por arranha-céus de vidro

A taxa de vacância de escritórios em Manhattan é de 12,3%, frente os 7,8% há dois anos

Futuro dos escritórios no pós-covid passa por arranha-céus de vidro
Por Natalie Wong e Jo Constantz
07 de Fevereiro, 2022 | 08:08 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O perfil do mercado de escritórios de Manhattan está se resumindo ao antigo versus o novo.

Os arranha-céus de vidro surgidos nos últimos anos atraem empresas que buscam novos espaços e se preparam para a era do trabalho híbrido, um sinal do renascimento de Nova York das profundezas da pandemia. Ficam para trás inúmeros edifícios antigos que não foram modernizados na última década.

PUBLICIDADE

A questão para os proprietários desses prédios é se vale a pena investir centenas de milhões de dólares em uma reforma completa - uma aposta em um momento em que o uso de escritórios está em baixa e o espaço disponível se acumula em uma taxa recorde.

“Veremos um uso reduzido de escritórios à medida que o trabalho híbrido se tornar mais popular”, disse Ruth Colp-Haber, diretora executiva da corretora Wharton Property Advisors.

Fazer uma grande reforma não garante que uma propriedade vai se adequar. Não fazê-lo significaria diminuir os locadores, potencialmente levando à inadimplência e execuções hipotecárias. A outra saída - converter prédios de escritórios obsoletos em moradias - pode ser complicada e proibitivamente cara.

PUBLICIDADE

A taxa de vacância de escritórios em Manhattan é de 12,3%, frente os 7,8% há dois anos, segundo a CoStar. Em 15% dos edifícios existentes, pelo menos um quinto do espaço está disponível.

Com o aumento do aluguel no ano passado, cerca de 65% dos novos negócios foram em prédios de alta qualidade - ou seja, propriedades que foram construídas recentemente ou passaram por uma reforma significativa e têm manutenção acima da média com espaços ao ar livre e muita luz natural, de acordo com a CoStar.

Em uma cidade onde cerca de 90% da atividade de escritórios tem mais de 20 anos, as disparidades são gritantes. Novos arranha-céus, incluindo os do mega-empreendimento Hudson Yards e One Vanderbilt, perto do Grand Central Terminal, encheram-se rapidamente, atraindo os maiores locatários de finanças e tecnologia do mundo.

Enquanto isso, prédios mais antigos que não foram reformados na última década mal conseguem atrair interesse, mesmo com grandes descontos nos alugueis.

“O mercado está nos dizendo, muito claramente, que a era de buscar o preço mais barato no espaço de escritório, independentemente de sua condição, já passou para a maioria das empresas e não é uma estratégia imobiliária aceitável”, disse Mary Ann Tighe, CEO da região dos três estados de Nova York para corretagem CBRE.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE