Green

Banqueiros que prometem metas irreais de CO2 podem ser expostos

Bancos, seguradoras e investidores que representam cerca de US$ 130 trilhões em ativos disseram que reduzirão emissões a zero até meados do século

Centrales térmicas
Por Frances Schwartzkopff
05 de Fevereiro, 2022 | 10:23 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os banqueiros podem, em breve, ter mais dificuldade em argumentar que as promessas climáticas e o financiamento de combustíveis fósseis podem andar de mãos dadas.

A iniciativa Science Based Targets (SBTi) está avaliando se deve estabelecer um prazo rígido para as empresas financeiras interromperem os novos investimentos em combustíveis fósseis se quiserem que suas metas de emissões zero de CO2 sejam certificadas pelo grupo apoiado pela ONU.

Embora não seja um instrumento contundente, um prazo representa “uma maneira simples de definir uma meta em torno dos combustíveis fósseis”, diz Cynthia Cummis, diretora técnica e sócia fundadora da SBTi, em entrevista. Ela diz que é melhor “do que apenas ter uma meta baseada em emissões, que é mais complicada”.

Bancos, seguradoras e investidores que representam cerca de US$ 130 trilhões em ativos - 40% do sistema financeiro global - disseram que reduzirão as emissões líquidas a zero até meados do século. Mas muitos nesse grupo não querem abrir mão de seu negócio de combustíveis fósseis. Na verdade, muitas promessas de emissões zero ignoram os laços com o setor petrolífero, de acordo com uma análise da S&P Global.

PUBLICIDADE

O JPMorgan Chase, que se comprometeu a financiar empresas com emissões zero no ano passado e disponibiliza mais crédito verde do que qualquer outra empresa, também foi classificado como o maior subscritor de títulos do setor de combustíveis fósseis em 2021, mostram dados compilados pela Bloomberg. O maior provedor de empréstimos bancários para empresas de combustíveis fósseis foi a Wells Fargo, que também diz ter como meta emissões zero de CO2 até 2050.

A Agência Internacional de Energia deixou claro que não há espaço para investimentos contínuos em novos projetos de petróleo, gás e carvão se o aumento da temperatura for mantido dentro do limite crítico de 1,5 grau Celsius.

Se as metas de emissões zero anunciadas até agora não forem críveis, o planeta corre o risco de alcançar níveis catastróficos de superaquecimento. Já há sinais de que a confiança está se esgotando. O fracasso na ação de combate à mudança climática foi listado como a maior preocupação entre os participantes do 17º Relatório de Riscos Globais do Fórum Econômico Mundial.

Cummis disse que o fato de as empresas financeiras estarem fazendo promessas de emissão zero é positivo, especialmente depois de passarem um pano “por décadas nessa questão”.

PUBLICIDADE

“Mas agora precisamos de mais clareza sobre o que as emissões zero realmente significam para o setor financeiro e como eles vão acompanhar o progresso em relação a essas metas”, disse ela. Embora a emissão zero tenha se tornado meta global, há “muita imprecisão” sobre como os bancos planejam chegar lá. A SBTi decidirá sobre um prazo ao revisar as respostas ao seu documento de consulta sobre planos de emissão zero de longo prazo.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

PUBLICIDADE