PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cripto

Crash de criptos apaga mais de US$ 1 trilhão em valor de mercado

O Bitcoin chegou a cair 9% nesta sexta-feira (21) e foi abaixo dos US$ 36.000 para seu nível mais baixo em seis meses

O declínio do Bitcoin desde o recorde de novembro eliminou mais de US$ 570 bilhões em valor de mercado
Por Vildana Hajric
21 de Janeiro, 2022 | 07:11 pm
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — Para o Bitcoin (BTC), houve apenas uma constante recentemente: declínio após declínio após declínio. E os superlativos se acumularam muito rapidamente.

Com o Federal Reserve pretendendo retirar o estímulo do mercado, os ativos mais arriscados em todo o mundo sofreram. O Bitcoin, o maior ativo digital, chegou a cair 11% nesta sexta-feira (21) e foi abaixo dos US$ 36.000 para seu nível mais baixo em seis meses. Desde seu pico em novembro, perdeu mais de 40% de seu valor. Outras moedas digitais sofreram tanto, se não mais, com Ether (ETH) e moedas de memes atoladas em rebaixamentos semelhantes.

PUBLICIDADE

O declínio do Bitcoin desde o recorde de novembro eliminou mais de US$ 570 bilhões em valor de mercado, e cerca de US$ 1,17 trilhão foram perdidos no mercado agregado de criptomoedas. Embora tenha havido reduções percentuais muito maiores para o Bitcoin e o mercado agregado, isso marca o segundo maior declínio em termos de dólares para ambos, de acordo com o Bespoke Investment Group.

Veja mais: Bitcoin desaba para menos de US$ 38 mil com ‘sell-off’ de cripto

“Isso dá uma ideia da escala de destruição de valor que os declínios percentuais podem mascarar”, escreveram analistas da Bespoke em nota. “A criptomoeda é, é claro, vulnerável a esses tipos de vendas devido à sua volatilidade naturalmente mais alta historicamente, mas considerando o quão grandes as capitalizações de mercado chegaram, vale a pena pensar na volatilidade tanto em termos de dólares brutos quanto em termos percentuais.”

PUBLICIDADE

Com as intenções do Fed balançando tanto as criptomoedas quanto as ações, um tema dominante surgiu no espaço dos ativos digitais: as criptos mudaram quase exatamente da mesma maneira que as ações.

“A criptomoeda está reagindo ao mesmo tipo de dinâmica que está pesando sobre os ativos de risco globalmente”, disse Stephane Ouellette, executivo-chefe e cofundador da plataforma institucional de criptomoedas FRNT Financial. “Infelizmente para alguns dos projetos maduros como o BTC, há tanta correlação cruzada dentro da classe de criptoativos que é quase certo que caia, pelo menos temporariamente, em uma contração mais ampla de valorização de altcoin.”

As ações centradas em cripto também caíram nesta sexta-feira (21), com a Coinbase perdendo quase 16% e caindo para seu nível mais baixo desde sua estreia na primavera de 2021, mostram dados da Bloomberg.

A MicroStrategy caiu 18%, enquanto a SEC, comissão de valores mobiliários dos EUA, disse que a empresa não pode retirar as oscilações selvagens do Bitcoin das medidas contábeis não oficiais que ele apresenta aos investidores. A pilha de Bitcoin da empresa de software empresarial transformou efetivamente suas ações em um proxy para o ativo digital.

Antoni Trenchev, cofundador e sócio-gerente da Nexo, cita a correlação do Bitcoin com o Nasdaq 100, que agora é o mais alto em uma década.

“O Bitcoin está sendo atingido por uma onda de sentimento de risco. Para mais dicas, fique de olho nos mercados tradicionais”, disse ele. “O medo e o desconforto entre os investidores são palpáveis.”

PUBLICIDADE

Veja também a correlação entre o Bitcoin e o ARK Innovation ETF de Cathie Wood, um cartaz pandêmico da tomada de riscos especulativos. Essa correlação é de cerca de 60% no acumulado do ano, contra cerca de 14% do preço do ouro, de acordo com Katie Stockton, fundadora e sócia-gerente da Fairlead Strategies, uma empresa de pesquisa focada em análise técnica. Está “nos lembrando de categorizar Bitcoin e altcoins como ativos de risco em vez de refúgios seguros”, disse ela.

Enquanto isso, mais de 239.000 traders tiveram suas posições fechadas nas últimas 24 horas, com liquidações totalizando cerca de US$ 874 milhões, segundo dados da Coinglass, uma plataforma de informações e negociação de futuros de criptomoedas.

Veja mais: Mercado Livre anuncia investimentos no Mercado Bitcoin e Paxos

PUBLICIDADE

Embora as vendas tenham disparado, os números são relativamente baixos quando comparados aos declínios anteriores, de acordo com Noelle Acheson, chefe de insights de mercado da Genesis Global Trading. Acheson aponta que a inclinação de uma semana do Bitcoin, que compara o custo das opções de baixa com as de alta, subiu para quase 15% na quarta-feira, em comparação com uma média de cerca de 6% nos últimos sete dias.

“Isso sinalizou um salto no sentimento de baixa, em linha com o nervosismo geral do mercado, dada a atual incerteza macro”, disse ela.

Kara Murphy, diretora de investimentos da Kestra Investment Management, disse que as criptomoedas têm vida própria, mas que a recente queda é racional.

“Faz sentido que as pessoas comecem a recuar um pouco, procurem algo que seja um pouco mais sólido, elas vão se afastar das criptomoedas”, disse ela. “Na margem, com as pessoas se tornando mais avessas ao risco, as criptomoedas sofrerão com isso.”

PUBLICIDADE

--Com assistência de Justina Lee, Emily Graffeo e Ed Ludlow

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE