PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde

Covid: Vamos precisar de mais quantas doses de reforço?

Os países devem permitir mais tempo entre os programas de reforço e deixá-los para o início da estação fria em cada hemisfério

Os reforços “podem ser feitos uma vez, ou talvez duas vezes, mas não é algo que achamos que deve ser repetido constantemente"
Por Corinne Gretler e Irina Anghel
17 de Janeiro, 2022 | 08:47 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — À medida que as pessoas tomam doses de reforço, muitos se perguntam quantas mais serão necessárias para uma proteção adequada contra a covid-19.

Talvez não tantos.

PUBLICIDADE

A repetição de doses de reforço a cada quatro meses pode enfraquecer a resposta imune e cansar as pessoas, alertou a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) na semana passada. Em vez disso, os países devem permitir mais tempo entre os programas de reforço e deixá-los para o início da estação fria em cada hemisfério, seguindo o plano estratégico de vacinação contra a gripe, disse o regulador.

Isso contrasta com os comentários do Reino Unido, onde o painel consultivo do governo sobre inoculações disse que não há necessidade imediata de um segundo reforço para os mais vulneráveis.

Cerca de três meses após a terceira vacinação, a proteção contra hospitalização entre os maiores de 65 anos permanece em torno de 90%, segundo dados da Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido. Com apenas duas doses, a proteção contra doenças graves cai para cerca de 70% após três meses e 50% após seis meses. Os números serão revistos à medida que evoluem.

PUBLICIDADE

Os reforços “podem ser feitos uma vez, ou talvez duas vezes, mas não é algo que achamos que deve ser repetido constantemente”, disse Marco Cavaleri, diretor de estratégia de vacinas e ameaças biológicas à saúde, em entrevista coletiva. “Precisamos pensar em como podemos fazer a transição do atual ambiente de pandemia para um ambiente mais endêmico”.

Veja mais: De pandêmica para endêmica: como será a Covid em 2022?

Enquanto isso, a Pfizer está desenvolvendo uma vacina híbrida que combina sua vacina original com uma formulação que protege contra a variante ômicron altamente transmissível.

A Pfizer testará a nova formulação híbrida contra uma vacina específica para a ômicron e determinará qual é mais adequada para avançar em março, disse o CEO Albert Bourla em uma conferência do JPMorgan na semana passada. A Pfizer estará pronta em março para abordar os reguladores dos EUA para aprovar a vacina modificada e levá-la ao mercado. Bourla acrescentou que a produção já começou.

Na Europa, os reguladores disseram que abril é o primeiro que eles podem aprovar uma nova vacina visando uma variante específica, já que o processo leva de três a quatro meses.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE