PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde

Covid: União Europeia faz alerta sobre excesso de reforços de vacina

Países devem deixar um intervalo mais longo entre os programas de reforço e vinculá-los ao início da estação fria em cada hemisfério

Vacinas específicas para novas variantes
Por Irina Angel
12 de Janeiro, 2022 | 01:07 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Reguladores da União Europeia alertaram que doses frequentes de reforço da Covid-19 podem afetar negativamente o sistema imunológico e podem não ser viáveis.

Repetir doses de reforço a cada quatro meses pode enfraquecer o sistema imunológico e esgotar os indivíduos, de acordo com a Agência Europeia de Medicamentos. Em vez disso, os países devem deixar um intervalo mais longo entre os programas de reforço e vinculá-los ao início da estação fria em cada hemisfério, seguindo o plano estabelecido pelas estratégias de vacinação contra a gripe, disse a agência.

O conselho vem quando alguns países consideram a possibilidade de oferecer às pessoas mais doses de reforço em uma tentativa de fornecer mais proteção contra o surgimento de infecções por ômicron. No início deste mês, Israel se tornou a primeira nação a começar a administrar um segundo reforço, ou quarta dose, para pessoas com mais de 60 anos. O Reino Unido disse que os reforços estão oferecendo bons níveis de proteção e não há necessidade de um segundo reforço no momento, mas revisará os dados à medida que evoluem.

Veja mais: Israel se torna ‘case’ para avaliar impacto da quarta dose de vacina

PUBLICIDADE

Os reforços “podem ser feitos uma vez, ou talvez duas, mas não é algo que podemos pensar que deve ser repetido constantemente”, disse Marco Cavaleri, chefe de ameaças biológicas à saúde e estratégia de vacinas da EMA, em uma coletiva de imprensa na terça-feira (11). “Precisamos pensar em como podemos fazer a transição do atual cenário de pandemia para um cenário mais endêmico.”

O regulador da UE também disse no briefing que os antivirais orais e intravenosos, como o Paxlovid e o Remdesivir, mantêm sua eficácia contra a ômicron. A agência disse que abril é a previsão mais próxima para a aprovação de uma nova vacina visando uma variante específica, já que o processo leva cerca de três a quatro meses. Alguns dos maiores fabricantes de vacinas do mundo disseram que estão procurando produzir vacinas que possam ter como alvo novas variantes.

– Com a colaboração de April Roach.

– Esta notícia foi traduzida por Marcelle Castro, Localization Specialist da Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também