PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

México busca acalmar preocupações sobre venda do varejo do Citi

Ministro das Finanças, Rogelio Ramírez de la O, procurou conter leituras negativas sobre a economia a partir da potencial venda da unidade

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O plano do Citigroup de sair das operações de varejo no México levou o governo a entrar em modo de controle de danos para aliviar as preocupações em um país marcado pela crise financeira na década de 1990.

O ministro das Finanças, Rogelio Ramírez de la O, procurou conter qualquer leitura negativa sobre a economia a partir da potencial venda da unidade, e disse que o governo tentaria limitar o fechamento de agências.

PUBLICIDADE

“Queremos enviar uma mensagem aos correntistas, aos poupadores, de que eles podem ter certeza de que não haverá perda de ativos”, disse Ramirez à Bloomberg News.

O Banamex, ou Banco Nacional do México, era o segundo banco do país quando foi comprado pelo Citi em 2001, em meio a uma onda de aquisições por investidores estrangeiros de bancos locais que haviam sido devastados pela crise conhecida como “Efeito Tequila”, de 1994 a 1995.

Muitos mexicanos se lembram da onda de falências bancárias que atingiu o país durante a crise. Alguns foram ao Twitter para comentar a saída do Citi e se perguntaram sobre o futuro de suas poupanças e pensões.

PUBLICIDADE

O chefe da associação bancária do país, a ABM, apareceu em um programa de rádio para descartar qualquer impacto potencial sobre os clientes do Citibanamex, independentemente de quem assumir o controle.

“Não há motivo para preocupação”, disse Daniel Becker Feldman, presidente da ABM, ao apresentador de rádio Joaquin-Lopez Doriga, e transmitiu uma mensagem semelhante a outros meios de comunicação locais.

Terceiro maior banco

O Citibanamex viu sua participação de mercado cair para 12,9% dos depósitos, de 22% em 2001, e agora é o terceiro maior banco de depósitos do país, mostram dados da CNBV.

PUBLICIDADE

No rescaldo da crise, o setor bancário do México tornou-se altamente concentrado nas mãos de bancos de propriedade estrangeira, como os espanhóis Banco Bilbao Vizcaya Argentaria e Banco Santander, além do HSBC Holdings e o Bank of Nova Scotia.

Ramirez, ministro das Finanças, disse que o governo procurará garantir que qualquer venda não infrinja as regras antitruste do setor. Ele disse que a decisão do banco de sair do varejo mexicano não está relacionada à economia do país, como alguns meios de comunicação locais sugeriram, apontando para o fato de que o Citi continuará investindo no México, incluindo a construção de uma nova torre para sua sede corporativa.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Quase todos adolescentes que precisam de UTI para covid não são vacinados

Sony produzirá mais PlayStation 4 para suprir falta do PlayStation 5

PUBLICIDADE