PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Menor avanço do IPP dos EUA sinaliza estabilidade da inflação

Contudo, há temores de que a ômicron seja um risco para a precificação no curto prazo, pois lockdowns e quarentenas afetam a produção

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O Índice de Preços ao Produtor dos Estados Unidos subiu menos que o esperado em dezembro, pois dois dos principais impulsionadores da inflação em 2021 – alimentos e energia – caíram em relação ao mês anterior, sugerindo que as pressões nos custos estão começando a se acalmar.

O IPP final aumentou 0,2% em relação ao mês anterior e 9,7% em relação ao ano anterior, segundo dados do Departamento do Trabalho divulgados nesta quinta-feira (13). O avanço anual foi o maior em números desde 2010.

PUBLICIDADE

As projeções medianas em uma pesquisa da Bloomberg com economistas apontavam para um aumento de 0,4% em relação ao mês anterior e um salto anual de 9,8%.

Excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, o IPP subiu 0,5% em dezembro e 8,3% em relação ao ano anterior.

A retração de dezembro refletiu quedas nos custos de gasolina e alimentos. Os preços dos serviços aumentaram em relação ao mês anterior, embora de forma mais moderada. Os números sugerem que a inflação rápida está prestes a se acalmar após a disparada de preços no ano passado, causada pela combinação de escassez de materiais, mão de obra limitada e gargalos de transporte.

PUBLICIDADE

No entanto, a variante ômicron representa um risco de alta no curto prazo para os preços de mercadorias nos próximos meses, já que quarentenas e doenças impedem muitas pessoas de trabalhar.

O índice de preços ao consumidor – indicador de inflação monitorado de perto – subiu 7% no ano passado, o maior salto em quase quatro décadas, segundo dados divulgados na quarta-feira (12). O avanço mensal superou as projeções, preparando o terreno para o Federal Reserve começar a aumentar as taxas de juros já em março. Os economistas esperam que a inflação ao consumidor fique mais moderada em 2022.

Os preços ao produtor, excluindo alimentos, energia e serviços comerciais – uma medida frequentemente preferida pelos economistas porque elimina os componentes mais voláteis – subiram 0,4% em relação ao mês anterior. Comparado com o ano anterior, o índice aumentou 6,9%.

PUBLICIDADE

Avaliação mais recente do Livro Bege do Fed

“Os preços de atacado e de materiais contribuíram para as pressões de preços em uma ampla gama de indústrias, abrangendo prestadores de serviços e produtores de mercadorias. Muitos atribuíram o alto custo dos insumos às interrupções contínuas da cadeia de suprimentos. Alguns distritos relataram que os gargalos de transporte se estabilizaram nas últimas semanas, embora os custos de aprovisionamento tenham continuado elevados”.

Os custos dos produtos processados para a demanda intermediária, que refletem preços no início do pipeline de produção, caíram 0,3% em dezembro, a primeira queda desde abril de 2020. Na comparação com o ano anterior, salto foi de 24,4%.

--Com a colaboração de Kristy Scheuble.

PUBLICIDADE

--Esta notícia foi traduzida por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE