PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Inflação atinge 7% em dezembro nos EUA, maior aumento desde 1982

Apesar de estar em linha com a expectativa, houve um avanço em relação a novembro

Aumento pode levar a aumento das taxas de juros por parte do Federal Reserve
Por Reade Pickert
12 de Janeiro, 2022 | 10:50 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Línea — O índice de preços ao consumidor dos Estados Unidos registrou alta de 7% na base anual em dezembro, em linha com as expectativas, um avanço em comparação ao registro de novembro. Foi o maior aumento anual desde 1982. Na base mensal, o avanço foi de 0,5%, ante 0,8% no mês anterior.

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, disse ontem que o banco central não hesitará em agir, se necessário, para conter a inflação e ajudar a garantir o pleno emprego, embora se espere que o descompasso entre oferta e demanda que elevou os preços diminua.

“Se tivermos que aumentar mais as taxas de juros ao longo do tempo, nós o faremos”, disse Powell nesta terça-feira (11) em resposta a uma pergunta em sua audiência de confirmação no Comitê Bancário do Senado. “Usaremos nossas ferramentas para recuperar a inflação.”

O aumento do índice de preços ao consumidor foi liderado pelos preços mais altos de moradia e veículos usados. Os custos dos alimentos também contribuíram para o aumento. Os preços de energia – um dos principais impulsionadores da inflação durante a maior parte de 2021 – caíram no mês passado.

PUBLICIDADE

Os dados reforçam as expectativas de que o Fed começará a aumentar as taxas de juros em março. A alta inflação mostrou-se mais persistente e generalizada que o previsto pelo banco central em meio a uma demanda sem precedentes por bens, juntamente com restrições de capacidade relacionadas à oferta de mão de obra e materiais.

--Com a colaboração de Kristy Scheuble, Olivia Rockeman e Cécile Daurat.

--Esta notícia foi traduzida por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Banco Central admite que não cumprirá meta de inflação em 2022

Câmbio deprimido pode levar país a ‘boom’ em 2023, diz Volpon