PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Brasil

Chuvas em Minas levam Vale a ajustar protocolos de emergência

A medida no dique do município de Rio Piracicaba foi necessária após a erosão na ombreira direita, associada às fortes chuvas

Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Línea — As chuvas fortes que atingem Minas Gerais levaram a Vale (VALE3) a iniciar protocolo de emergência nível I no dique Elefante, na mina de Água Limpa, localizada no município de Rio Piracicaba. Conforme a companhia, a ombreira direita da estrutura sofreu uma erosão por conta da chuva. A Vale também elevou protocolo de emergência para nível 2 na barragem Área IX, na mina de Fábrica, em Ouro Preto.

A companhia ressaltou que a estabilidade geral do dique do Elefante não foi comprometida e que não há presença permanente de pessoas na respectiva zona de autorresgate. Também não há impactos na produção da empresa, segundo comunicado.

PUBLICIDADE

A anomalia foi informada às autoridades e à auditoria do Ministério Público do Estado de Minas Gerais e segue sendo monitorada pelas equipes especializadas da Vale.

A Vale já havia paralisado parcialmente a circulação de trens na Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM) e produção dos Sistemas Sudeste e Sul, citando que a medida visa “garantir a segurança dos seus empregados e comunidades e em razão do nível elevado de chuvas que atingem Minas Gerais”.

Desde o mês passado, o Brasil registra chuva intensa em estados como Bahia, que teve cidades inundadas, chegando a prejudicar o abastecimento de energia na região.

PUBLICIDADE

As fortes chuvas que castigam o estado de Minas Gerais, berço de plantas de mineração das gigantes Vale, Usiminas e CSN, estão levando à interrupção da produção e escoamento dessas empresas e podem elevar os preços da commodity para a exportação à China.

Veja mais: Chuvas em Minas Gerais podem aumentar preço do minério de ferro no mundo

Segundo analistas da consultoria S&P e da Ágora e do Bradesco BBI, braços de investimentos do banco Bradesco, as fortes chuvas devem agravar a sazonalidade da produção mais fraca do primeiro trimestre para os produtores locais principalmente para a Vale.

Kariny Leal

Kariny Leal

Jornalista carioca, formada pela UFRJ, especializada em cobertura econômica e em tempo real, com passagens pela Bloomberg News e Forbes Brasil. Kariny cobre o mercado financeiro e a economia brasileira para a Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE