Montadoras estão lançando modelos mais sofisticados primeiro
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg Opinion — Os fabricantes de automóveis passaram o ano passado anunciando planos de novos modelos de veículos elétricos e instalações de produção. Isso faz de 2022 um ano em que um número crescente de consumidores avaliará se é hora de comprar seu primeiro veículo elétrico. Vale a pena entrar na onda?

Isso provavelmente vai depender do preço e do segmento de mercado que você está considerando. Minha opinião é que quanto mais alto o preço, mais se deve pensar em comprar um EV agora, ao invés de esperar mais alguns anos. Aqui estão alguns motivos para isso: primeiro, os fabricantes de automóveis estão lançando seus modelos mais sofisticados antes dos mais baratos, portanto, há opções melhores entre os modelos mais sofisticados. Há também a dificuldade de se pensar em valores residuais para veículos usados no futuro - a demanda por carros movidos a gasolina estará diminuindo gradualmente, então comprar um carro novo agora que não seja elétrico significa que ele valerá muito menos quando você quiser vendê-lo.

É importante ter em mente que muito do comportamento do consumidor decorre de ações das montadoras. Os fabricantes receberam a mensagem dos investidores de que serão recompensados por acelerar a transição para o setor elétrico, enquanto os lucros dos veículos movidos a gasolina servirão principalmente para financiar esses investimentos. As principais montadoras, seguindo o exemplo da Tesla, estão começando com modelos mais sofisticados, porque é onde a demanda do consumidor é mais forte e porque é mais fácil ser lucrativo com preços mais elevados, enquanto os volumes de vendas permanecem muito abaixo dos veículos a gasolina.

Para aumentar a tentação dos consumidores, os formadores de opinião da indústria estão dando notas altas a esses novos e caros modelos de VE. A revista MotorTrend elegeu o R1T de US$ 74.000, da Rivian, o caminhão do ano e o ainda mais caro, Lucid Air, como o carro do ano. Ambos os veículos iniciaram recentemente as entregas ao consumidor e têm longas listas de espera.

Talvez esse panorama seja mesmo impressionante, mas sugiro esperar um pouco mais até que a infraestrutura de VE, como estações de recarga, esteja mais consolidada. Mas o cálculo do valor para comprar qualquer veículo novo inclui o que valerá anos mais tarde, quando chegar a hora de trocá-lo ou vendê-lo. Seis anos é o tempo médio que os consumidores costumam manter um veículo novo. Portanto, se você está comprando um carro zero em 2022, deve pensar no mercado de carros usados em 2028 ou um pouco depois.

PUBLICIDADE

A demografia dos proprietários de veículos elétricos se parece muito com a do CEO da Tesla, Elon Musk: em média, homens, de 40 a 55 anos de idade, com uma renda familiar anual de mais de US$ 100.000. Meu colega Nat Bullard postou recentemente algumas tabelas adicionais sobre dados demográficos do comprador de VE. A porcentagem de veículos elétricos novos vendidos nos Estados Unidos em 2022, pode ainda estar na casa de um dígito, mas para esse grupo demográfico, será bem acima disso.

Olhando para 2028, quando a participação de mercado geral de VEs nos EUA pode chegar a 30%, a maioria dos consumidores mais jovens e de meia-idade ricos pode estar comprando carros e caminhões elétricos. Isso terá um grande impacto no valor dos veículos usados movidos a gasolina, com menos compradores a cada ano que passa.

Embora ainda possa haver um mercado robusto para Honda Accords usados em 2028, provavelmente será um mercado mais fraco para sedans usados movidos a gasolina, em torno US$ 40.000, e veículos utilitários esportivos, conforme as pessoas nesse segmento façam a transição para VEs.

Enquanto isso, embora ainda no início de sua história, o mercado de Tesla Model 3 usado tem sido robusto. O impacto cumulativo das campanhas publicitárias também não deve ser esquecido. As montadoras não estão investindo dezenas de bilhões de dólares em VEs apenas para que fiquem em fábricas e concessionárias. Eles também usarão campanhas publicitárias para fazer os consumidores acreditarem que são empresas que pensam no futuro e com experiência em tecnologia. Em 2028, os fabricantes de automóveis vão querer que os compradores de veículos abastados acreditem que os carros movidos a gasolina são tão legais quanto disquetes ou telefone fixo - o tipo de coisa que seu avô ainda tem em casa.

PUBLICIDADE

E quanto ao custo? Em uma pesquisa recente, o Goldman Sachs apontou que alguns segmentos do mercado de VE já são competitivos em termos de custo em relação aos veículos movidos a gasolina, depois de considerados os custos de combustível e manutenção. A economia chegou a cerca de US$ 1.000 por ano usando o preço atual da gasolina (cerca de US$ 3/galão nos EUA), portanto, comprar um VE de US$ 60.000 compensa em comparação com um veículo movido a gasolina de US$ 55.000, após cerca de cinco anos.

E isso antes de levar em conta os incentivos fiscais. É difícil fazer uma generalização aqui porque diferentes estados americanos têm diferentes níveis de incentivo, e no nível nacional, uma montadora como a Tesla já esgotou sua cota de incentivos, enquanto outras montadoras que não venderam tantos VEs até agora ainda têm alguns disponíveis. A lei proposta Build Back Better no país, atualmente paralisada no Senado, poderia incluir novos incentivos de US$ 7.500 ou mais por veículo, mas teremos que ver no novo ano se essa cláusula, ou a legislação como um todo, será aprovada e se tornará lei.

Ainda assim, mesmo uma versão reduzida dessa proposta fortaleceria muito a justificativa financeira para comprar um VE agora.

Uma preocupação justa é a incerteza em torno da longevidade e dos padrões das baterias que fornecem energia elétrica. As baterias se degradam um pouco com o tempo - uma bateria Tesla Model S perde 5% de sua capacidade de carga após seus primeiros 80.000 quilômetros - mas as baterias VE têm uma estimativa de duração entre 10 e 20 anos, antes de precisarem ser substituídas.

Também é possível que avanços tecnológicos levem a um tipo fundamentalmente diferente de veículos movidos a bateria no futuro. Em algum nível, é uma questão de ponderar a incerteza das mudanças nas baterias contra a certeza de que o mercado de veículos movidos a gasolina estará em constante declínio.

PUBLICIDADE

Para os compradores de carros utilitários preocupados com o orçamento, ainda há motivos para ter certeza de que um novo veículo movido a gasolina comprado em 2022 terá um valor decente no mercado de usados no final da década. Mas, para consumidores abastados, é menos certo. Os compradores sofisticados que estão pensando em esperar um pouco mais para que seu próximo carro seja um veículo elétrico devem considerar já fazer essa transição agora em 2022.

Conor Sen é colunista da Bloomberg Opinion e fundador da Peachtree Creek Investments. Ele já contribuiu para a The Atlantic e para o Business Insider e reside em Atlanta.

Os editoriais são escritos pela diretoria editorial da Bloomberg Opinion

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também