PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Futuros nos EUA se estabilizam após choque com Fed

Ações globais demonstravam relativa calma nesta quinta (6), depois da tempestade causada pela ata do Fed na véspera

As variáveis que orientarão os mercados
Por Srinivasan Sivabalan
06 de Janeiro, 2022 | 08:34 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O selloff nos futuros de índices de ações dos Estados Unidos diminuiu e as ações europeias reduziram o declínio, uma vez que os investidores apostaram que o aperto da política do Federal Reserve mais rápido do que o esperado ainda deixará oportunidades para ganhos de ações. Os rendimentos do Tesouro avançavam.

Os futuros do índice Nasdaq 100 oscilavam depois de cair até 0,9%, enquanto os futuros do S&P 500 negociaram ligeiramente em alta. Os ganhos para bancos e montadoras limitavam as perdas do Stoxx 600 da Europa. Os rendimentos dos títulos do governo saltavam desde o Japão até a Alemanha e o Reino Unido. A taxa de juros de 10 anos dos EUA acrescentou três pontos base. O dólar recuava de ganhos anteriores.

PUBLICIDADE

A ata da reunião de dezembro do Fed mostrou uma preferência crescente dos membros por um caminho mais rápido de aumento das taxas e redução do balanço patrimonial de US$ 8,8 trilhões do banco. Isso poderia fechar as cortinas para uma acomodação de políticas sem precedentes que garantiu os preços dos ativos durante o pior da pandemia. O Fed está agora no centro das perspectivas de investimento para 2022, ignorando as preocupações contínuas, como desaceleração do crescimento global, repressão regulatória da China e gargalos de fornecimento.

“Sem dúvida, haverá bolsões de volatilidade em torno das reuniões do Fed ao longo do ano, mas os investidores não devem temer excessivamente o Fed, especialmente quando continuam a haver oportunidades empolgantes nos mercados”, escreveu Madison Faller, estrategista global do JPMorgan. “O crescimento e a inflação irão desacelerar ao longo de 2022, mas, ainda assim, permanecerão acima dos níveis históricos de tendência. Acreditamos que isso exigirá um risco muito menor de uma correção de mercado de material induzida pelo Fed.”

A ata, divulgada na quarta-feira (5) após o fechamento dos mercados europeus, desencadeou uma onda de vendas das ações dos EUA concentradas em nomes fortes da tecnologia. O Nasdaq 100 teve a maior queda desde março, enquanto os rendimentos dos Treasuries de 10 anos ultrapassaram a marca de 1,70%.

PUBLICIDADE

Veja mais: Ômicron: O penetra das festas de fim de ano

Mas as ações mostravam relativa calma nesta quinta-feira (6), enquanto os títulos estenderam sua liquidação. Os custos dos empréstimos alemães em 10 anos saltaram para o nível mais alto desde maio de 2019, enquanto seus homólogos italianos atingiram um pico em junho de 2020. O rendimento de referência do Japão subiu para o maior desde abril de 2021, enquanto taxas semelhantes na Austrália e na Nova Zelândia aumentaram ao máximo desde novembro e o rendimento de 10 anos do Reino Unido saltou para uma alta de outubro.

Os títulos do Tesouro ampliaram suas perdas hoje (6), com as taxas entre os prazos de dois e 30 anos adicionando cerca de três pontos-base cada.

O Índice Hang Seng Tech de Hong Kong, que ecoou a onda de vendas do Nasdaq ao cair para o nível mais baixo desde maio de 2020, se recuperou no final da sessão. O Alibaba fechou em alta de 5,7%.

O Stoxx 600 da Europa caía cerca de 1%, após uma perda de até 1,6%. Carrefour SA avançava até 5,6% em meio a relatórios que a Auchan Holding SA estava considerando uma oferta em dinheiro para o dono da companhia francesa.

“Nos níveis atuais, não acreditamos que rendimentos mais altos (reais) sejam uma virada de jogo para os mercados de ações globais”, disse Mathieu Racheter, chefe de estratégia de ações da Julius Baer. “Em termos de dinâmica de mercado, a rotação de ações de longa duração, que estiveram entre os grandes vencedores em 2021, para setores mais sensíveis economicamente pode continuar no curto prazo.”

PUBLICIDADE

O Bitcoin caía para cerca de US$ 42.600, rumo ao seu nível mais baixo desde setembro. Os futuros do petróleo bruto se recuperavam.

Mercadosdfd

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

PUBLICIDADE