Mercados

Wall Street inicia ano com recorde apesar de ceticismo de parte do mercado

Investidores se preparam para um início de ano potencialmente volátil nos EUA; Europa ruma para recorde

Wall Street inicia ano com novos recordes
Por Vildana Hajric
03 de Janeiro, 2022 | 06:21 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Os mercados de ações dos EUA iniciaram o ano com novos recordes, enquanto os títulos do Tesouro dos EUA aumentaram as perdas conforme os investidores se preparam para um início de um ano potencialmente volátil com a expectativa de três aumentos nas taxas de juros pelo Federal Reserve.

O S&P 500 subiu 0,6%, seguindo as ações da Europa rumo a novos recordes, apesar do volume de negócios permanecer baixo com alguns mercados ainda fechados pelos feriados. O rendimento dos títulos do Tesouro de 10 anos disparou 13 pontos base para 1,64% - é o pior começo de ano desde 2009 - e o dólar estendeu alta em relação às principais moedas.

“Resumindo, as perspectivas são positivas para as ações, mas a remoção do estímulo/acomodação da economia global é um tema importante a ser observado ao iniciarmos 2022″, escreveu Tom Essaye, um ex-corretor da Merrill Lynch que fundou o “The Sevens Report” Boletim de Notícias. “Será a primeira vez desde 2018 que o Fed está aumentando as taxas, e essa mudança impactará os mercados ao longo do ano.”

Entre as movimentações de ações em destaque, os papéis da Tesla Inc. subiram 13,5% após a automobilística relatar forte crescimento nas entregas no quarto trimestre. As ações da Apple Inc. tiveram alta, dando à empresa um valor de mercado de US$ 3 trilhões. E em Hong Kong, as ações do setor imobiliário caíram enquanto o China Evergrande Group teve seus negócios suspensos.

PUBLICIDADE

“À medida que viramos o calendário, muitas das preocupações atuais do mercado são bem conhecidas e, sem dúvida, bem precificadas tanto no índice quanto mais proeminentemente no nível médio de ações”, escreveu Art Hogan, estrategista-chefe de mercado da National Securities. “Sugerimos que os mercados têm feito um trabalho excessivamente eficiente na venda do boato e provavelmente começarão a comprar as notícias.”

Em outros mercados, os futuros do petróleo em Nova York foram negociados perto de US$ 76 o barril, após as notícias de que a produção de petróleo da Líbia deve cair para o nível mais baixo em mais de um ano. O ouro caiu e o Bitcoin recuou para US$ 45.900.

O que acompanhar esta semana:

  • Atas da reunião do FOMC, quarta-feira;
  • Bullard, do Fed, discute a economia e a política monetária dos EUA em evento, quinta-feira;
  • Daly do Fed discute política monetária em painel, na sexta-feira;
  • Schnabel do BCE fala em painel no sábado;

Alguns dos principais movimentos nos mercados:

PUBLICIDADE

Ações

  • O índice S&P 500 terminou com alta de 0,64%;
  • O Nasdaq 100 subiu 1,1%
  • O Dow Jones Industrial Average subiu 0,7%
  • O índice MSCI World subiu 0,3%;

Moedas

  • O Bloomberg Dollar Spot Index subiu 0,5%;
  • O euro caiu 0,7% para US$ 1,1295;
  • A libra esterlina caiu 0,4% para US$ 1,3477;
  • O iene japonês pouco caiu 0,2% para 115,34 por dólar;

Renda fixa

  • O rendimento dos títulos do Tesouro de 10 anos avançou 13 pontos-base para 1,64%;
  • O rendimento de 10 anos da Alemanha avançava 6 pontos básicos para -0,12%;

Commodities

  • O petróleo bruto West Texas Intermediate subiu 1%, para US$ 75,95 o barril;
  • Os futuros do ouro caíram 1,5% para US$ 1.802 a onça.

--Com assistência de Joanna Ossinger e Ruth Carson.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também