PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde

Regulador do Reino Unido aprova comprimido da Pfizer contra Covid-19

Medicamento Paxlovid foi autorizado para uso em pessoas com mais de 18 anos com Covid leve a moderada, disse a Agência Reguladora de Medicamentos

Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O regulador de saúde britânico aprovou a pílula contra a Covid-19 da Pfizer, com o governo do primeiro-ministro Boris Johnson correndo para construir um arsenal de armas contra o ressurgimento da pandemia.

O medicamento da Pfizer, Paxlovid, foi autorizado para uso em pessoas com mais de 18 anos com Covid leve a moderada e pelo menos um fator de risco para o desenvolvimento de doença grave, disse a Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde do Reino Unido nesta sexta-feira (31).

PUBLICIDADE

A Paxlovid se junta a uma gama crescente de ferramentas para combater a pandemia, incluindo vacinas e tratamentos antivirais. O Reino Unido tem estado na frente em aprovações e acelerou a campanha de reforço à medida que a variante ômicron avança.

O Reino Unido encomendou 2,75 milhões de unidades do medicamento Pfizer, que obteve autorização de uso de emergência nos Estados Unidos na semana passada. O Reino Unido também encomendou a pílula antiviral da Merck, o molnupiravir, desenvolvida com o parceiro Ridgeback Biotherapeutics, que foi aprovada pelo regulador britânico em novembro.

É muito cedo para dizer se a ômicron tem algum impacto na eficácia da Paxlovid, mas o regulador disse que está trabalhando com a Pfizer para determinar isso.

PUBLICIDADE

Em um ensaio clínico em adultos de alto risco com Covid sintomático, um curso de Paxlovid de cinco dias reduziu o risco de hospitalização e morte em 28 dias em 89%, em comparação com um grupo de placebo, quando o tratamento foi iniciado três dias após o início dos sintomas.

Esses medicamentos foram descritos como potenciais viradores do jogo na luta contra a Covid devido à facilidade de uso e à eficácia que demonstraram nos testes.

“Agora temos mais um medicamento antiviral para o tratamento de Covid-19 que pode ser tomado por via oral, em vez de administrado por via intravenosa”, disse o presidente-executivo da MHRA, June Raine, em um comunicado. “Isso significa que pode ser administrado fora de um ambiente hospitalar antes que a Covid-19 progrida para um estágio grave.”

PUBLICIDADE

Leia também

Cinco assuntos quentes para o Brasil na próxima semana

China pune residentes que tentam fugir de lockdown em Xi’an

PUBLICIDADE