PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Green

Pico do carbono na China pode chegar dois anos antes do previsto

Desaceleração da economia e prioridade para energias renováveis aceleram meta

China se esforça para mudar matriz energética
Por Bloomberg News
29 de Dezembro, 2021 | 11:19 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — As emissões de carbono na China podem atingir o pico dois anos antes do planejado, à medida que a economia desacelera e Pequim prioriza as energias renováveis, de acordo com um importante grupo de estudos do governo.

PUBLICIDADE

A China prometeu que o CO2 atingirá o pico em 2030, um ponto de inflexão crucial no caminho para emissões líquidas zero até 2060. Mas o maior consumidor de energia do mundo pode ver as emissões chegarem a cerca de 11 bilhões de toneladas em 2028, disse Guo Jiaofeng, assessor sênior do Centro de Pesquisas para o Desenvolvimento do Conselho de Estado, em seminário na quarta-feira.

A China é responsável por mais um quarto de emissões globais e sua relutância em definir metas mais ambiciosas, particularmente em torno do uso de carvão, foi um ponto de discórdia nas recentes conversas sobre o clima em Glasgow.

PUBLICIDADE

No entanto, o crescimento econômico mais fraco pode travar as emissões, que caíram no terceiro trimestre. O crescimento do PIB da China pode diminuir para 5,5% no próximo ano, mesmo com a aceleração da transição para longe dos combustíveis fósseis, disse Yu Jiao, vice-gerente geral da Sinopec Instituto de Investigação Econômica e de Desenvolvimento, no mesmo seminário.

O instituto prevê que o consumo total de energia da China atingirá um patamar de 6 bilhões de toneladas de carvão padrão em 2030. E espera que a demanda de carvão atinja um pico de 4,2 bilhões de toneladas em 2025, seguido pelo petróleo com 800 milhões de toneladas em 2030 e gás em 650 bilhões de metros cúbicos em 2040.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também