PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Green

Dez piores desastres climáticos de 2021 custaram US$ 170 bilhões

Relatório estima que este foi o sexto ano em que os desastres naturais globais custaram mais de US$ 100 bilhões

O Acordo de Paris sobre o aquecimento global, que visa manter o aumento das temperaturas globais abaixo de 1,5 grau Celsius, não alcançará seus objetivos a menos que ações mais urgentes sejam tomadas, segundo relatório
Por Damian Shepherd
28 de Dezembro, 2021 | 04:14 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Um estudo acaba de mostrar que dez dos eventos climáticos mais destrutivos deste ano custaram US$ 170 bilhões em danos,

O furacão Ida, uma tempestade tropical que atingiu grande parte do leste dos Estados Unidos com fortes chuvas em agosto, matou pelo menos 95 pessoas e custou US$ 65 bilhões à economia. Um mês antes, as inundações na Europa causaram 240 mortes e uma perda econômica de US$ 43 bilhões, de acordo com uma pesquisa publicada pela instituição de caridade britânica Christian Aid. Inundações na província chinesa de Henan em julho mataram mais de 300 pessoas e custaram mais de US$ 17 bilhões.

PUBLICIDADE

“Os custos da mudança climática foram graves este ano”, disse Kat Kramer, líder da política climática da Christian Aid e autora do relatório. “É claro que o mundo não está no caminho certo para garantir um mundo seguro e próspero.”

Espera-se que este ano seja a sexta vez que os desastres naturais globais custam mais de US$ 100 bilhões, afirmou o relatório, citando a seguradora Aon Plc. Todos os seis desses anos aconteceram desde 2011.

A mudança climática já está custando bilhõesdfd

Os autores do relatório estimaram os danos com base nas perdas seguradas, o que significa que os verdadeiros custos desses desastres serão provavelmente ainda maiores. Os cálculos são geralmente mais caros em países ricos devido a valores de propriedades e seguros mais altos, enquanto alguns dos eventos climáticos mais mortais deste ano atingiram locais mais pobres, que pouco contribuíram para o aquecimento global.

PUBLICIDADE

O Sudão do Sul foi atingido por enchentes que obrigaram quase um milhão de pessoas a deixar suas casas, enquanto a África Oriental foi devastada pela seca. Isso destaca a injustiça da crise climática, disse Christian Aid, que alertou que tais eventos continuarão a ocorrer caso não haja ações concretas para reduzir as emissões.

Mohamed Adow, diretor do think-tank Power Shift Africa, com sede no Quênia, disse que o continente “suportou o peso” de alguns dos impactos climáticos mais mortais e caros. As severas secas na África Oriental, que devem durar até meados de 2022, estão “levando as comunidades à beira do precipício”, advertiu Adow.

O Acordo de Paris sobre o aquecimento global, que visa manter o aumento das temperaturas globais abaixo de 1,5 grau Celsius, não alcançará seus objetivos a menos que ações mais urgentes sejam tomadas, de acordo com o relatório. Mais precisa ser feito em 2022 para fornecer ajuda financeira às nações vulneráveis, incluindo um fundo para lidar com os danos causados pela mudança climática - algo que não foi entregue nas negociações climáticas globais deste ano em Glasgow, de acordo com o estudo.

”Foi muito decepcionante deixar a COP26 sem um fundo criado para ajudar as pessoas que sofrem perdas permanentes com as mudanças climáticas”, disse Nushrat Chowdhury, consultor de justiça climática da Christian Aid em Bangladesh. “Dar vida a esse fundo deve ser uma prioridade global em 2022.”

- Com a ajuda de Jess Shankleman, Caitlin Morrison, Hayley Warren e Adrian Leung.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE