PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Green

Warren pede punição a Wall Street por mudanças climáticas

“O volume de gases de efeito estufa emitido pela indústria de serviços financeiros é absurdo”, disse a senadora democrata americana

“Reguladores precisam ser incisivos”
Por Kasia Klimasinska
28 de Dezembro, 2021 | 08:19 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Senadora Elizabeth Warren acusou o setor de serviços financeiros de ser um dos principais contribuidores para as mudanças climáticas e chamou atenção para que os reguladores dos EUA responsabilizem Wall Street.

Warren, uma democrata de Massachusetts, citou um relatório do Sierra Club e do Center for American Progress, que mostra que oito dos maiores bancos dos EUA e dez de suas maiores gestoras de ativos combinados financiaram cerca de 2 bilhões de toneladas de emissões de dióxido de carbono. Isso é cerca de 1% menos do que o que a Rússia produziu.

PUBLICIDADE

“O volume de gases de efeito estufa emitido pela indústria de serviços financeiros é absurdo”, disse ela em um tweet. “Se fosse um país, seria o quinto maior emissor do mundo.”

“Reguladores precisam ser incisivos”, acrescentou ela.

Veja mais: Divergências marcam projeções de Wall Street para 2022

PUBLICIDADE

Como parte do esforço da administração Biden para enfrentar as mudanças climáticas, a comissão de valores mobiliários dos EUA (SEC) está planejando propor regras que exigirão que as empresas divulguem publicamente seus riscos climáticos.

Emissões contínuas sem restrições apoiadas pelo setor financeiro significam que incêndios florestais mortais, secas, ondas de calor, furacões, inundações e outros eventos climáticos extremos só vão piorar, e “os esforços para mitigar as emissões só se tornarão mais desafiadores e caros”, de acordo com o relatório.

Os autores do relatório instaram o governo Biden a tomar várias medidas, incluindo a implementação de testes de estresse para indicar as perdas potenciais dos bancos com as mudanças climáticas.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também: Dez piores desastres climáticos de 2021 custaram US$ 170 bilhões

PUBLICIDADE