PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Banco central do Japão contraria pares e estende auxílio da pandemia

BOJ prorrogou assistência a pequenas empresas por mais seis meses e reduzindo a ajuda para empresas maiores a partir de abril

Ggovernador Haruhiko Kuroda e seu conselho reduziram a marcha dos cortes do auxílio
Por Toru Fujioka e Sumio Ito
17 de Dezembro, 2021 | 08:59 am
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — O Banco do Japão encerrou o segundo ano da pandemia em um lugar muito diferente de outros grandes bancos centrais.

Enquanto o Federal Reserve e o Banco da Inglaterra tomaram medidas agressivas nesta semana para recuar da ajuda à crise, o governador Haruhiko Kuroda e seu conselho reduziram a marcha, estendendo a assistência a pequenas empresas por mais seis meses e reduzindo a ajuda para empresas maiores a partir de abril.

Em uma coletiva de imprensa após a decisão, Kuroda reconheceu que seus pares do banco central estavam se movendo em um ritmo mais rápido, mas rejeitou a ideia de que esses movimentos influenciariam o BOJ. Depois de anos de ajuda monetária maciça que não conseguiu impulsionar a inflação no Japão, uma lacuna política cada vez maior deixa o governador com muitos negócios inacabados enquanto se encaminha para a reta final de seu mandato.

A inflação do Japão oferece um forte contraste com outras grandes economias.

PUBLICIDADE

“Cada país decide sua política monetária buscando estabilidade em sua economia e preços”, disse Kuroda. “É natural que haja diferenças direcionais.”

Veja mais: Aperto monetário do Fed ainda sinaliza ganhos para ações

Enquanto outros bancos devem continuar a normalizar a política em 2022, a tarefa de comunicação enfrentada por Kuroda em seu último ano completo no comando pode ficar mais complicada, já que o primeiro-ministro Fumio Kishida começa a considerar substituições para o governador após uma eleição de verão.

“Assim que Kishida terminar a eleição nacional, provavelmente em julho, o sucessor de Kuroda será um grande tópico para o mercado”, disse Kyohei Morita, economista-chefe para o Japão do Credit Agricole Securities Asia.

PUBLICIDADE

A decisão de sexta-feira pelo BOJ ressalta as diferentes dinâmicas que enfrenta enquanto luta para estimular a inflação, mesmo com os preços disparando em quase todos os outros lugares do mundo, alimentados em parte por cenários de estímulo pandêmico.

Inflação no Japão tem forte contraste com outras principais economiasdfd

Essas preocupações com a inflação no exterior levaram o BOE a aumentar as taxas e o Fed a encerrar seu programa de compra de títulos mais cedo e sinalizar três aumentos nas taxas no próximo ano. O Banco Central Europeu também está encerrando as medidas de emergência.

Todos agora veem a inflação como uma ameaça maior às suas economias do que o vírus.

No Japão, uma alta de preços muito mais fraca está permitindo ao BOJ continuar seu apoio à pandemia e aderir a uma visão nacional geralmente mais cautelosa sobre a Covid e sua variante ômicron.

Veja mais: México surpreende com o maior aumento de juros em quatro anos

O BOJ disse que manterá até o final de setembro os incentivos que encorajam os bancos a emprestar para empresas menores afetadas pela pandemia usando fundos fornecidos pelo banco central. A linha de crédito estava programada para terminar no final de março.

PUBLICIDADE

Ao mesmo tempo, refletindo o ambiente de financiamento mais favorável para empresas maiores, o BOJ disse que reduzirá gradualmente suas participações em títulos corporativos para níveis pré-pandêmicos de cerca de 5 trilhões de ienes (US$ 44 bilhões), a partir de abril.

Kuroda disse que a redução da dívida corporativa levaria cerca de cinco anos para acontecer.

“O BOJ está deixando bem claro que é um caso isolado depois que o Fed, o BCE e o BOE se moveram”, disse Masamichi Adachi, economista-chefe para o Japão da UBS Securities.

“O ponto principal é que o Japão não tem inflação em comparação com os outros. As empresas não estão repassando seus custos por medo de perder clientes com uma mentalidade deflacionária “, disse ele.

PUBLICIDADE

Essa situação pode mudar em 2022 se as empresas pararem de tentar absorver os custos de insumos que estão atualmente no máximo em quatro décadas.

“O preço das necessidades diárias já está subindo e se espalhando, e o núcleo da inflação pode atingir cerca de 2% no início do próximo ano se o impacto dos cortes nas tarifas de telefonia celular for excluído”, disse Tetsufumi Yamakawa, chefe de pesquisa econômica do Japão na Barclays Securities, apontando riscos de alta à inflação.

“Isso poderia gerar especulação do mercado para a normalização da política, potencialmente tornando as comunicações do BOJ extremamente importantes no próximo ano”, acrescentou.

Próximos passos de Kuroda

Fora seu anúncio polêmico de taxas negativas em janeiro de 2016, Kuroda geralmente lidou bem com a espinhosa tarefa das comunicações do banco central durante seu tempo como governador.

PUBLICIDADE

Ele conseguiu aumentar e, em seguida, furtivamente diminuir um enorme programa de flexibilização quantitativa sem se desviar de sua mensagem de estímulo total ou de mercados flambados.

Veja mais: A inflação está começando a diminuir o ônus da dívida mundial

PUBLICIDADE

Isso pode se tornar mais difícil se os preços borbulharem no Japão e a composição do conselho se tornar menos sintonizada com as mensagens de Kuroda, com nomes de possíveis substitutos potencialmente surgindo.

Por enquanto, Kuroda olha para 2022 com a convicção de que a inflação de 2%, pelo menos no Japão, ainda está muito longe.

“Não nos vejo caminhando em direção à normalização da política monetária como os EUA e a Europa estão”, disse Kuroda.

Leia também