PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Inflação americana tem maior alta desde 1982

Índice de preços ao consumidor subiu 6,8% em relação a novembro de 2020, de acordo com dados do Departamento do Trabalho

Mediana das projeções da pesquisa da Bloomberg com economistas apontava para um ganho anual de 6,8% e avanço de 0,7% no mês
Por Reade Pickert
10 de Dezembro, 2021 | 01:09 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os preços ao consumidor subiram no mês passado no ritmo anual mais rápido em quase 40 anos, ressaltando como a inflação rápida e persistente está corroendo os salários e aumentando a pressão sobre o Federal Reserve para apertar a política monetária.

PUBLICIDADE

O índice de preços ao consumidor (IPC) subiu 6,8% em relação a novembro de 2020, de acordo com dados do Departamento do Trabalho divulgados nesta sexta-feira (10). O indicador de inflação amplamente seguido pelo mercado subiu 0,8% em relação a outubro, excedendo as previsões e estendendo uma tendência de aumentos consideráveis que começou no início deste ano.

A mediana das projeções da pesquisa da Bloomberg com economistas apontava para um ganho anual de 6,8% e avanço de 0,7% no mês. As ações dos EUA subiam na abertura, com a inflação amplamente em linha com as expectativas, em comparação com a surpreendente alta nos meses anteriores. O rendimento dos títulos do Tesouro de 10 anos e o dólar caíam.

PUBLICIDADE

O aumento no IPC refletiu amplos avanços na maioria das categorias, semelhante ao relatório do mês passado. Gasolina, itens de casa, alimentos e veículos estiveram entre as maiores contribuições para o aumento mês a mês.

Os dados reforçam as expectativas de que o Fed irá acelerar o recuo no programa de compra de títulos na reunião final do banco central do ano na próxima semana. Bancos centrais - e políticos - em todo o mundo estão sob crescente pressão para lidar com o aumento da inflação, à medida que os trabalhadores gastam mais no supermercado e nas bombas de gasolina.

A cifra “apenas mantém a pressão sobre o Federal Reserve”, disse Kathy Bostjancic, economista-chefe de finanças americanas da Oxford Economics, à Bloomberg TV. A inflação “vai ficar alta e forte durante o primeiro trimestre”, disse ela.

Uma redução mais rápida abriria a porta para o Fed começar a aumentar as taxas de juros. Ao mesmo tempo, os investidores reduziram as apostas na inclinação dos aumentos do Fed em 2022, indicando que os dados de sexta-feira mostraram maiores chances de que a inflação desacelerará, dado que a variação mensal foi menor do que em outubro.

  • Excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, os chamados preços básicos aumentaram 0,5% em relação ao mês anterior. O núcleo do CPI subiu 4,9% em relação ao ano anterior, uma nova alta em 30 anos.
  • Os custos com moradias - que são considerados um componente mais estrutural do IPC e representam cerca de um terço do índice geral - aumentaram 0,5% em novembro em relação ao mês anterior.

Em comparação com o mesmo mês do ano passado, o ganho de 3,8% foi o maior desde 2007. Prevê-se que os custos de habitação aumentem no próximo ano, à medida que o aumento dos aluguéis e dos preços das residências contribuam para a medida.

PUBLICIDADE

Os dados ressaltam como uma tempestade perfeita de cadeias de suprimentos, uma economia em recuperação, uma forte demanda do consumidor e restrições de mão de obra elevaram os preços em toda a economia.

Como resultado, os índices de aprovação do presidente Joe Biden caíram, aumentando a pressão política em cima do governo. Embora a Casa Branca tenha tomado algumas medidas - como a criação de uma força-tarefa para a cadeia de suprimentos - as pressões inflacionárias continuam a aumentar.

No próximo ano, os desafios da cadeia de suprimentos continuarão a aumentar os preços no curto prazo, mas devem diminuir à medida que os americanos voltam para padrões de consumo mais normais. Ainda assim, outros fatores, como restrições de trabalho e custos de habitação, podem manter a inflação elevada.

Os preços dos alimentos também provavelmente permanecerão elevados no próximo ano, de acordo com David MacLennan, CEO da Cargill. O relatório do IPC mostrou que os custos gerais dos alimentos, incluindo fora de casa, aumentaram 6,1% em relação ao ano anterior - o maior desde 2008.

Leia também