PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cripto

Bitcoin volta a cair após pequeno salto com inflação americana

Sentimento negativo que recentemente dominou os mercados de ativos digitais segue contaminando criptomoedas

Bitcoin
Por Vildana Hajric
10 de Dezembro, 2021 | 01:33 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O Bitcoin segue em queda pelo quarto dia consecutivo, após um breve salto desencadeado pela divulgação dos números da inflação nos EUA, em linha com o esperado, mas não suficiente para mitigar o sentimento negativo que recentemente dominou os mercados de ativos digitais.

PUBLICIDADE
  • A maior criptomoeda por valor de mercado é considerada uma proteção contra a inflação. O Bitcoin pouco mudou depois de subir 4,4%, para US$ 50.100 nas negociações de Nova York na sexta-feira.
  • O Bitcoin atingiu um recorde de quase US$ 69.000 em 10 de novembro. Ele ganhou cerca de 70% este ano. O Ether, que também está saindo de um recorde histórico no mês passado, diminuiu pelo segundo dia.

Os proponentes da criptografia há muito argumentam que o Bitcoin e outros ativos digitais poderiam atuar como proteção contra oscilações em outras áreas do mercado financeiro.

“O Bitcoin ainda é visto como uma proteção contra a inflação, especialmente para investidores mais jovens”, disse Matt Maley, estrategista-chefe de mercado da Miller Tabak + Co. “Uma vez que tem poucas restrições no momento, é visto como um ativo de segurança”.

PUBLICIDADE

Muitos investidores e analistas de Wall Street aceitaram a ideia de usar criptomoedas como uma proteção contra a alta dos preços. O veterano administrador de fundos de hedge, Paul Tudor Jones, disse no passado que gosta da moeda como uma reserva de riqueza. Já Michael Saylor, da MicroStrategy, disse que o relaxamento do Federal Reserve em sua política de inflação ajudou a convencê-lo a investir o dinheiro do fabricante de software empresarial em Bitcoin.

O índice de preços ao consumidor dos EUA subiu 6,8% no mês passado a partir de novembro de 2020, de acordo com dados do Departamento do Trabalho divulgados na sexta-feira. Aqueles que assistiam aos gráficos do Bitcoin observaram de perto que os ganhos se aceleraram após a divulgação dos dados.

Mesmo assim, também existem muitos contra-argumentos. As correlações podem não ser o que parecem, de acordo com Marc Chandler, estrategista-chefe de mercado da Bannockburn Global Forex.

Outros argumentam que o Bitcoin não existe há tempo suficiente para polir sua imagem de proteção contra a inflação. Além disso, de acordo com Cam Harvey, professor da Duke University e parceiro da Research Affiliates, ele se comporta como um ativo especulativo e está sujeito a travamentos periódicos.

“Se o Bitcoin é' ouro digital ‘e o ouro é uma proteção contra a inflação, segue-se que o Bitcoin também é, certo? Infelizmente, não há evidências para apoiar isso, e até mesmo a relação entre inflação e ouro tem sido tênue ao longo dos anos “, escreveu Noelle Acheson, da Genesis Trading, em um relatório. “No longo prazo, entretanto, o ouro mais do que manteve seu valor, enquanto as moedas fiduciárias declinaram; o Bitcoin pode acabar fazendo o mesmo. "

PUBLICIDADE

--Com a colaboração de Emily Graffeo e Crystal Kim

Veja mais em bloomberg.com

Leia também