PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

China intervém no câmbio para combater capital especulativo

Virada em direção a políticas governamentais mais flexíveis este mês trouxe uma enxurrada de capital especulativo para ações e títulos públicos

Virada em direção a políticas governamentais mais flexíveis este mês trouxe uma enxurrada de capital especulativo para ações e títulos públicos
Por Sofia Horta e Costa
10 de Dezembro, 2021 | 12:29 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Em meio aos esforços para apagar incêndios econômicos em várias frentes, a China corre para combater a especulação em torno da valorização da moeda local antes que saia do controle.

Enquanto administra a desaceleração do setor imobiliário e duas das maiores reestruturações de dívida corporativa já realizadas no país, a última coisa que Pequim precisava agora era de uma rápida apreciação do yuan. O banco central tentou evitar isso esta semana — primeiro forçando as instituições financeiras a manter mais moeda estrangeira em reserva e em seguida estabelecendo uma taxa de referência diária bem mais fraca do que as estimativas. Talvez seja preciso fazer mais.

A virada em direção a políticas governamentais mais flexíveis este mês trouxe uma enxurrada de capital especulativo para ações e títulos públicos, ajudando a levar o yuan para o nível mais forte em mais de três anos.

Investidores estrangeiros compraram US$ 3,4 bilhões em ações denominadas em moeda local apenas na quinta-feira, quase batendo um recorde. Além disso, os estrangeiros detêm uma quantia sem precedentes de US$ 375 bilhões em títulos públicos.

PUBLICIDADE

A China há muito tempo teme os riscos oriundos dos fluxos de capital, especialmente após uma desvalorização cambial bastante desorganizada em 2015. As autoridades impõem rígidos controles ao dinheiro que entra e sai do país. Influxos rápidos aumentam o risco de formação de bolhas de ativos, que podem estourar quando o dinheiro vai embora. Em novembro, autoridades reguladoras alertaram instituições financeiras contra apostas em uma direção única do yuan.

“Alguns dos fluxos serão de capital especulativo”, disse Hao Hong, estrategista-chefe da Bocom International Holdings, à Bloomberg Television nesta sexta-feira. “Vimos esse filme em 2007 e novamente em 2015. É uma faca de dois gumes — quando esse dinheiro sai do país, os mercados financeiros podem se desestabilizar.”

Veja mais em bloomberg.com

Leia também