PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Casa Branca prepara acordo econômico ‘poderoso’ com a Ásia

Secretária de Comércio dos EUA, Gina Raimondo, disse que agenda com economias asiáticas é prioridade do governo Biden

Secretária de Comércio Gina Raimondo fala com a Bloomberg
Por Jenny Leonard e Eric Martin
10 de Dezembro, 2021 | 06:28 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A Casa Branca pretende assinar o que pode se tornar um acordo econômico “muito poderoso” com países asiáticos — focado em áreas como a coordenação de cadeias de suprimentos, controles de exportação e padrões para inteligência artificial — no ano que vem, afirmou a secretária de Comércio dos EUA, Gina Raimondo.

PUBLICIDADE

“É uma prioridade para o presidente” Joe Biden, disse Raimondo durante uma mesa redonda na quinta-feira na sede da Bloomberg em Nova York, se referindo ao aumento do engajamento dos americanos com a Ásia. “Os EUA não deram as caras naquela região durante quatro anos”, acrescentou ela sobre o histórico do antecessor Donald Trump.

Raimondo contou que sua viagem à Ásia no mês passado foi planejada para “avaliar o apetite” por diálogo econômico, sob a condição de que a Casa Branca de Biden não entraria em negociações comerciais tradicionais. Ela descartou a possibilidade de retomar o Acordo Abrangente e Progressivo para a Parceria Transpacífica “tal como apresentado”.

PUBLICIDADE

“A demanda pela presença dos EUA e pela retomada do engajamento americano foi extraordinária”, disse Raimondo, que visitou Cingapura, Malásia e Japão no mês passado. O governo Biden almeja um “novo tipo de estrutura econômica para uma nova economia” e espera “lançar oficialmente um processo no primeiro trimestre do ano que vem”, informou a secretária.

Sua estrutura será “flexível”, talvez sem adesão de todos os elementos por alguns países, disse Raimondo.

Ela compartilhou que o objetivo é envolver não apenas as nações desenvolvidas, como Japão, Cingapura, Austrália e Nova Zelândia, mas também economias emergentes como Malásia, Vietnã e Tailândia.

“Eu adoraria voltar aqui em 12 meses com algo assinado e afirmando que progredimos”, disse a responsável pela pasta de Comércio. Segundo ela, o acordo pode resultar em algo que não exija aprovação do Congresso americano, requerida nos acordos comerciais tradicionais. “Não será um acordo comercial, mas pode ser muito poderoso.”

Uma prioridade é a questão das cadeias de suprimentos para produtos essenciais, incluindo semicondutores, disse Raimondo. A meta é criar “colaborações robustas de longo prazo em torno das cadeias de abastecimento” que enderecem a falta de coordenação entre fabricantes e usuários. Na âmbito doméstico, Raimondo citou os benefícios gerados quando o governo reúne as “partes interessadas” para aumentar a transparência e a confiança nas cadeias de suprimentos.

PUBLICIDADE

A ex-governadora de Rhode Island vê empresas estrangeiras favorecidas pelos US$ 54 bilhões em recursos emergenciais que o Congresso discute para ajudar a trazer a fabricação de semicondutores de volta aos EUA. É fundamental ter produção nos EUA, disse ela.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também