PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Avianca quer competir com ‘low cost’ após recuperação judicial

Empresa vai aumentar a capacidade de assentos e usar estrutura de rotas ponto a ponto das aéreas de baixo custo

Adrian Neuhauser, agora CEO da Avianca Group International, durante uma entrevista no centro de treinamento operacional da empresa em Bogotá,
Por Ezra Fieser e Andrea Jaramillo
03 de Dezembro, 2021 | 01:16 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

A Avianca Group International sai da recuperação judicial com planos de competir com os preços de operadoras de baixo custo, ao mesmo tempo que preserva partes do negócio que a tornaram a segunda maior companhia aérea da América Latina antes da pandemia de Covid-19.

O CEO Adrian Neuhauser disse que a empresa foi capaz de reduzir o endividamento e acumular liquidez durante a reorganização financeira sob o Capítulo 11 da Lei de Falência dos Estados Unidos, um processo de 18 meses encerrado esta semana. A empresa vai aumentar a capacidade de assentos dos aviões e usar a estrutura de rotas ponto a ponto popularizada pelas aéreas de baixo custo, em vez de depender de voos por meio dos chamados hubs.

PUBLICIDADE

“Estamos tentando pegar o melhor do que éramos, uma operadora com foco em serviços e uma ampla rede de rotas, e combiná-la com o que vimos nossa concorrência fazer, o que tem sido muito eficaz: oferecer mais ponto a ponto e preços mais baixos”, disse Neuhauser em entrevista. “Estamos muito focados em ser disciplinados e nos custos.”

Adrian Neuhauser, agora CEO da Avianca Group International, durante uma entrevista coletiva no centro de treinamento operacional da empresa em Bogotá, Colômbia, 29 de agosto de 2019.Fotógrafo: Ivan Valencia / Bloombergdfd

Credores

A maior companhia aérea da Colômbia agora pertence a um grupo de credores que concedeu ajuda financeira durante o processo de recuperação judicial. Os novos proprietários incluem a Kingsland Holdings, que é controlada pelo magnata salvadorenho Roberto José Kriete Avila, e o hedge fund Citadel, do bilionário Ken Griffin. A United Airlines também é credora do grupo, mas sua dívida ainda não foi convertida em capital, disse Neuhauser.

A empresa reestruturada, que agora está domiciliada no Reino Unido, mas opera a partir de uma sede em Bogotá, ficará com o capital fechado até que a administração decida onde listar as ações, disse o executivo. A empresa avalia uma única listagem no Reino Unido ou nos Estados Unidos, mas ainda não tomou a decisão.

PUBLICIDADE

A empresa entrou com pedido de recuperação judicial em maio de 2020, depois que governos fecharam fronteiras para frear a propagação do coronavírus. Latam Airlines e Grupo Aeroméxico também pediram proteção contra credores sob o Capítulo 11. A Avianca, a primeira das três a sair do processo, terá cerca de US$ 1,2 bilhão em liquidez e aproximadamente US$ 3,5 bilhões em dívidas de longo prazo, que incluem empréstimos estendidos durante a recuperação e arrendamentos de aeronaves, disse Neuhauser.

Neuhauser espera que a empresa registre lucro em 2023, depois que suas operações voltem aos níveis anteriores à pandemia. A aérea opera com cerca de 60% do volume de voos pré-Covid, e o mercado doméstico se recupera mais rápido do que rotas de longa distância, especialmente viagens de negócios internacionais, segundo o executivo.

Em resposta, a Avianca tem mudado suas ofertas de tarifas e disposição de assentos para fornecer mais flexibilidade, disse.

Segundo ele, a empresa vai focar mais no segmento de lazer e menos no mercado corporativo. “Isso não significa que estamos deixando para trás nosso cliente de negócios tradicional, mas significa que vamos encolher as cabines executivas e coisas assim”, disse. “Muitas viagens internacionais de negócios antes da pandemia incluíam consultores, banqueiros etc., e vemos essa recuperação muito mais lenta.”

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

David Neeleman, da Breeze, quer trazer Airbus de longo alcance ao Brasil

Quebrada, Avianca terá novo comando; conheça a saga da companhia

Aeroporto de Guarulhos perdeu quase R$ 800 mi com pandemia, diz Anac