PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Dona do Mercado Bitcoin recebe injeção de US$ 50 milhões

2TM recebeu investimento da 10T Holdings, firma de private equity dos EUA com foco em companhias digitais e da Tribe Capital

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A 2TM, que controla o Mercado Bitcoin, levantou US$ 50 milhões em capital para ajudar na sua busca por aquisições em outros mercados latino-americanos.

A empresa, que conta com uma participação do SoftBank, recebeu agora investimentos da 10T Holdings, uma firma de private equity dos Estados Unidos com foco em empresas digitais, e da Tribe Capital, fundo de venture capital com sede em São Francisco. Participam também a gestora brasileira de venture capital PIPO Capital, com foco em growth equity, o TC Traders Club SA e a Endeavor Brasil.

PUBLICIDADE

Os recursos serão usados ​​para novos produtos e crescimento, incluindo a expansão para o Chile, Colômbia, México e Argentina, de acordo com o cofundador da 2TM, Gustavo Chamati.

Veja mais: Startup imobiliária vai aceitar pagamentos em Bitcoin na América Latina

“Depois de um caminho tortuoso tentando traduzir uma tecnologia tão disruptiva quanto o blockchain, finalmente conseguimos convencer os investidores brasileiros sobre suas possibilidades e também os fundos de venture capital sobre o potencial dos mercados latino-americanos”, disse Chamati, 40, em entrevista.

PUBLICIDADE

Os US$ 50 milhões são parte de uma segunda rodada de investimentos que começou com a capitalização de US$ 200 milhões feita pelo SoftBank Latin America Fund em julho, que avaliou a 2TM em US$ 2,15 bilhões e criou o primeiro unicórnio crypto da América Latina.

A 2TM recebeu sua primeira rodada de capital em janeiro, em valor não revelado, da GP Investments e da Parallax Ventures, com a participação da HS Investimentos, da Gear Ventures, do fundo Évora e da Genial Investimentos.

Chamati criou o Mercado Bitcoin -- a primeira corretora de criptomoeda do Brasil e a joia da coroa da 2TM - em 2013, junto com seu irmão Maurício. Ele ouviu falar sobre o Bitcoin pela primeira vez em 2011 em um programa na MTV, e então começou a ler mais sobre o assunto.

PUBLICIDADE

“Me interessei, comecei a conversar com as pessoas e entendi como isso poderia transformar profundamente os mercados financeiros”, disse ele.

Veja mais: O que faz do Brasil um celeiro de unicórnios?

Depois que ele e seu irmão passaram anos colocando seu próprio dinheiro na empresa, a atividade aumentou este ano, quando o Mercado Bitcoin atingiu 3 milhões de clientes e negociou mais de R$ 40 bilhões. Isso foi mais do que todos os anos anteriores juntos.

PUBLICIDADE

A 2TM já comprou várias empresas no Brasil e aumentou seu quadro de funcionários de 200 para 700 neste ano. Criou o primeiro token de dívida do governo e emitiu o Futecoin, um investimento no qual os ganhos vêm das comissões que os times brasileiros do Vasco e do Santos recebem quando jogadores de futebol treinados por esses times vão para um outro time, como aconteceria caso o Neymar fosse vendido pelo Paris Saint-Germain.

O objetivo da 2TM é se tornar uma provedora de infraestrutura de blockchain para mercados financeiros na América Latina, incluindo serviços como custódia e gestão de fundos, disse o presidente, Roberto Dagnoni.

“Estamos muito felizes em trazer para nossa empresa investidores especializados, como o Tribe Capital e o 10T Holdings”, disse Dagnoni, acrescentando que a ideia é buscar outra rodada de investimento privado antes de considerar uma abertura de capital.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

(Retira referência ao valor do primeiro round de investimento na empresa)

Veja mais:

PUBLICIDADE