PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Brasil

Na Black Friday, brasileiros procuram roupa, comida, bebida e viagem

Google monitora buscas na temporada de descontos no Brasil e aponta crescimento por moda, móveis, celulares e eletrodomésticos

Volta ao escritório após 20 meses de pandemia motiva maior busca por roupas e calçados, segundo dados do Google
26 de Novembro, 2021 | 01:08 pm
Tempo de leitura: 4 minutos

São Paulo — Roupas e calçados para voltar a frequentar o escritório ou praticar esportes ao ar livre após 20 meses de pandemia, alimentos e bebidas mais baratos para entrega em casa, smartphones e móveis. Esses são algumas categorias de produtos mais buscados no Google no Brasil na manhã desta sexta-feira (26), dia mais importante da temporada de vendas promocionais da Black Friday.

PUBLICIDADE

Veja mais: Na Black Friday, Marília Mendonça estampa de almofada a moletom para fãs

“Moda foi uma categoria que cresceu e vem crescendo muito nas últimas semanas em função da retomada da vida lá fora. Quando a gente olha para calçados, a gente vê tênis em geral. A gente até brinca: todo mundo ficou sem usar tênis durante muito tempo e agora está vendo que precisa trocar”, diz Antonella Weyler, analista de insights do Google Brasil para o varejo, em teleconfência com jornalistas.

PUBLICIDADE

Ele também identificou uma maior procura por produtos de reposição de vestuário. “Conforto foi uma tendência que subiu muito na quarentena. E essa moda mais confortável acaba conversando com o tipo de roupa que a gente começa a buscar. Em vestuário, a gente vê muita compra de reposição, como kits cuecas, de peças, essa compra de volume para repor coisas que foram se desgastando e com a retomada de nossa vida lá fora”.

Veja mais: Black Friday pode quebrar recorde de cabotagem, diz empresa da Maersk

Segundo a analista do Google, esta temporada de Black Friday está mais sortida, diversificada em relação às anteriores. Categorias como alimentos e bebidas apresentam expansão. Noite de ontem, houve um forte movimento de buscas por alimentos como picanha, nutella, uísque, indicando que o consumidor brasileiro está procurando economizar na hora de encher a dispensa e a geladeira.

Entre 8h e 10h desta sexta-feira, por exemplo, a procura pelo termo uísque na internet cresceu 377% na comparação com as duas horas anteriores. O dado reforça a análise das principais indústrias do setor, como Ambev, de que os brasileiros passaram a beber mais na pandemia. As buscas por cooler dispararam 382% nesse intervalo de tempo.

Símbolos da pandemia seguem em alta, como a cadeira gamer. O Gooogle Brasil registrou o crescimento de 116% nas pesquisas sobre esse produto. “As empresas estão começando a desenhar seus modelos de trabalho, seja híbridos, presenciais ou remotos. Agora é a hora de você entender o que precisa para seu escritório, se você vai trabalhar nesse formato. Essa é a categoria que segue em crescimento, com buscas por cadeira de escritório, escrivaninha”, comentou a analista do Google.

PUBLICIDADE

Celulares

Estrelas tradicionais da Black Friday, os smartphones estão no top 5 das categorias mais buscadas no Brasil. As posições se revezam de hora em hora, refletindo o comportamento do consumidor que, ao longo do dia, vai “namorando” os produtos até tomar a decisão de incluir o produto no carrinho. Moda, móveis, smartphones, eletrodomésticos, beleza e moda são as categorias que bombaram nesta manhã.

“Quando a gente olha smartphones, o que acontece tradicionalmente, em todos os anos, os modelos anteriores têm mais volume do que lançamentos, pois são normalmente os que entram em promoção, como o iPhone 11, 12, S20, esses modelos mais intermediários, com as pessoas buscando essas promoções”, observou Antonella.

Quanto aos eletroportáteis, a tendência desta Black Friday é a busca por produtos com praticidade. “Isso tem muito a ver com a relação com a casa. A gente cansou de cozinhar na vida gourmet, então, muita airfryer, muita coisa prática e saudável. É uma categoria tradicional de Black Friday, sempre bombou, mas continua forte, isso tem a ver com o novo jeito de cozinhar, de se relacionar com alimentação”, disse a analista da Google.

A maior convivência no lar, devido às restrições impostas pela pandemia, resultou em uma mudança comportamental, em que o consumidor busca deixar sua casa a mais confortável possível. “Eletrodomésticos, como refrigerador, geladeira, lavadoura, ar-condicionado, estão sendo bem procurados. Começa o verão, você começa a buscar certas coisas que vão trazer mais conforto”.

Viagens

PUBLICIDADE

O fim das restrições às viagens, com o avanço da vacinação contra a Covid-19, também se reflete nos números do Google. Os termos na categoria de viagens associados à Black Friday que tiveram maior volume de buscas na semana de 7 a 13 de novembro foram passagens aéreas, viagens, hotéis e pacotes de viagem.

“Com a vacinação acelerando, a tendência é que os números de buscas por turismo, destinos e itens relacionados a viagens continuem acelerando e possam retomar níveis pré-pandemia. Categorias como aluguel de carros e hotéis já estão com as buscas acima do patamar observado em 2019″, ressalta Gustavo Pena, head de negócios para o segmento de mobilidade do Google Brasil. “O cenário tem evoluído ao longo do segundo semestre e confirmado pelos dados que levantamos para a Black Friday.”

Segundo os dados do Google, os termos buscados que tiveram as maiores variações na comparação com a semana anterior, de 31 de outubro a 6 de novembro, estão passagem aérea (+667%), hotéis (+400%), hotel fazenda (+264%), passagens de ônibus (+178%) e seguro viagem (+118%)

Destinos com maiores crescimentos em buscas no mês de novembro em relação ao mesmo período de 2020:

PUBLICIDADE
  • Montevidéu (Uruguai): +332%
  • Aparecida do Norte/SP: +145%
  • Torres/RS: +100%
  • João Pessoa/PB: +43%
  • Porto Seguro/BA: +38%
  • Salvador/BA: +29%
  • Paraty/RJ: +27%
  • Natal/RN: +15%
  • Campos do Jordão/SP: +7%
  • Maragogi/AL: +6%

Leia também

Black Friday: 5 medidas para não cair em golpes usando Pix

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.