Moeda norte-americana continua sendo referência e assim será por um bom tempo
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg Opinion — A premissa de que o dólar é o porto seguro do mundo é uma constante neste mundo em constante mudança.

Neste ano, isso ficou ainda mais claro. O Índice Dólar (DXY), que afere o valor do dólar em relação às principais moedas do mundo, está em seu valor máximo desde julho de 2020 e parece estar prestes a subir ainda mais, alimentado por uma inflação extremamente alta nos Estados Unidos e uma economia em recuperação.

PUBLICIDADE

Ambos aumentam a pressão sobre o Federal Reserve (banco central dos EUA) para antecipar os aumentos das taxas de juros, aumentando, por sua vez, a atratividade relativa do dólar.

Veja mais: Biden espera anunciar nome para o Fed em ‘quatro dias’

PUBLICIDADE
Moeda norte-americana continua sendo referência e assim será por um bom tempodfd

A regra básica do mercado de câmbio com um dólar mais forte é que isso prejudica as economias – principalmente mercados emergentes frágeis – que dependem de importações de commodities precificadas em dólar.

O outro lado é que as economias exportadoras de commodities e hidrocarbonetos aproveitam um câmbio favorável. Mas grandes potências exportadoras, como a União Europeia e o Japão, também se beneficiam quando suas moedas são relativamente mais baratas que o dólar. O Banco Central Europeu certamente não está reclamando da fraqueza lenta e constante do euro enquanto tenta se recuperar da pandemia.

PUBLICIDADE

Para a economia dos EUA, a coisa é um pouco mais complexa: apesar de um enorme déficit comercial, o impacto econômico é de certa forma compensado pelo fato de o dólar ser a moeda de reserva mundial. O Fed evita emitir qualquer opinião sobre o valor do dólar ao definir a política de taxas de juros. No entanto, sua inabalável paciência em manter as taxas de juros perto de zero e ainda comprar dezenas de bilhões de títulos todos os meses parece ser cada vez mais difícil de justificar. Outros relatórios sólidos sobre o mercado de trabalho podem mudar o cenário.

Mercado monetário dos EUA se mexe rapidamente enquanto espera os aumentos do Fed em 2022dfd

Veja mais: Mercados sinalizam que pânico com inflação pode ser prematuro

PUBLICIDADE

Mas nada nesta vida é simples. Portanto, o Fed acaba ficando em cima do mudo entre não reverter as taxas baixas tarde demais e então ter de exagerar nos aumentos para reprimir a inflação – ou, de fato, retirar o estímulo de forma muito acentuada e causar uma repetição das crises de 2013 e 2018.

O ex-presidente do Fed, Bill Dudley, acredita que o Fed passou da hora de reverter as taxas e está entre a cruz e a espada, mas o rendimento de 1,6% dos títulos de 10 anos do Tesouro dos EUA mostra que o mercado de títulos ainda acredita nas habilidades do banco central.

O recente aumento do índice de preços ao consumidor de 6,2% é um perigo claro e presente: se essa inflação monstruosa persistir, isso apenas acelerará a conclusão da facilitação quantitativa do Comitê Federal de Mercado Aberto dos EUA.

O Payroll de outubro (exceto no setor de agropecuária) mais forte que o esperado favorece a premissa de que a economia está se recuperando mais rapidamente da pandemia, alimentada por ainda mais programas de estímulo fiscal de trilhões de dólares e um balanço do Fed que se aproxima rapidamente dos US$ 9 trilhões. Não é difícil concluir que isso poderá adiantar o primeiro aumento nas taxas.

Rendimentos mais altos tornarão o dólar mais atrativo. O aumento da incerteza global apenas acelera o processo. O crescimento dos EUA não precisa ser o melhor do mundo, apenas ficar entre os melhores. Seu tamanho por si só vai impulsionar muito o dólar.

Isso não significa que o dólar está barato. Pode ser frustrante ver as coisas ficando mais caras, mas a melhoria das condições econômicas e ainda mais estímulos fiscais significa que há outros motivos para evitar os rendimentos insignificantes da Europa e do Japão e priorizar o EUA.

Veja mais: Bullard, do Fed, defende aperto monetário para combater inflação

Nenhum exame do dólar está completo sem referências à China. O yuan se fortaleceu de forma constante em relação ao dólar nos últimos 18 meses. As exportações chinesas aumentaram de forma impressionante, mas o quadro econômico geral é de um crescimento enfraquecido. Portanto, não tenha a ilusão de que a força do yuan é mais que uma questão cuidadosamente controlada.

Pequim foca na tarefa árdua de impulsionar a demanda do consumidor doméstico e, ao mesmo tempo, limitar os danos de uma explosão de crédito em seu mercado imobiliário descontrolado. Um yuan forte também tem o benefício de diminuir o impacto dos preços mais altos das commodities sobre seus produtores, além de reduzir o custo de estocar recursos básicos.

Moeda chinesa foi a única que conseguiu acompanhar ritmo do dólardfd

Para mitigar parte do impacto de ultrapassar o dólar mais forte, a China tem reduzido constantemente a participação do dólar na cesta de moedas que usa para definir a taxa de referência diária do yuan. Além disso, tem permitido que muito mais capital estrangeiro seja investido em seus mercados domésticos de ações e títulos. Investidores estrangeiros detêm 2,3 trilhões de yuans (US$ 360 bilhões) em títulos do governo chinês, atraídos por rendimentos substancialmente mais elevados.

Veja mais: Política: Se o Brasil ruir, a América Latina vai junto

Para fundos do mercado de ações, é uma chance de obter uma exposição mais ampla à segunda maior economia do mundo. Mas, em algum momento, as autoridades chinesas decidirão que o sustento de sua moeda cumpriu seu papel e o yuan poderá se enfraquecer naturalmente – adicionando outro motivo de médio prazo para detenção de dólar. Uma moeda com controle de capital é para quem tem coragem.

Ainda é muito difícil superar o apelo atual do dólar, com o índice S&P 500 batendo cada vez mais recordes. Uma economia em expansão, o mercado de ações impulsionado pelo FOMO (fear of missing out, em inglês, ou o medo de perder uma boa oportunidade, em tradução livre) e a perspectiva de aumentos das taxas em breve tornam a moeda dos EUA uma boa saída para se livrar dos problemas ao redor do mundo. Também ajuda o fato de o Fed não estar mais apoiando a economia global inundando o mundo com dólares, como fez no auge da pandemia. Por enquanto, é uma aposta certeira, pelo menos até a próxima desaceleração liderada pelos EUA ou algum erro do Fed.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Marcus Ashworth é colunista da Bloomberg Opinion que cobre os mercados europeus. Passou três décadas no setor bancário, mais recentemente como diretor de estratégia de mercado na Haitong Securities em Londres.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Stone decepciona investidores e ações derretem 30% na Nasdaq

Black Friday pode quebrar recorde de cabotagem, diz empresa da Maersk

Biden pede investigação do mercado de gasolina após alta de 50%