PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Tech

Da Colômbia para o mundo: a história da VP do Google para a América Latina

Adriana Noreña mora no Brasil desde 1996, onde construiu sua carreira impulsionada pelo ‘boom’ tecnológico. A colombiana compartilhou com a Bloomberg Línea sua visão sobre tecnologia, inclusão e seu país.

A executiva colombiana falou sobre a inserção das mulheres no mercado de trabalho que "falta ainda um sprint,  mais velocidade em direção à empregabilidade"
14 de Novembro, 2021 | 10:30 am
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg Línea — Embora a América Latina tenha conquistado uma posição no setor de tecnologia graças ao ‘boom’ de startups nos últimos anos, até muito recentemente a participação de lideranças da região era escassa, ainda mais no que diz respeito às mulheres, pois, apesar dos avanços, este continua a ser um setor com um forte componente masculino.

A história de Adriana Noreña se destaca na América Latina e hoje ela é considerada uma referência para muitas mulheres em um momento de mudança, no qual a tecnologia passou a fazer parte da vida de todos. A atual vice-presidente do Google para a América Latina, Adriana Noreña, natural de Cali, deixou a Colômbia por motivos acadêmicos, em 1994, para fazer um MBA, e desembarcou no Brasil, seu atual país de residência, de onde também sairia para fazer um mestrado no Massachusetts Institute of Technology. (MIT, na sigla em inglês) motivada por toda a revolução digital que estava ocorrendo naquela época.

PUBLICIDADE

“Voltei ao Brasil em 2000, e aquele ano foi o boom da internet. Começamos a perceber os grandes benefícios que a internet trazia para os negócios, para o dia a dia, foi isso que me levou a voltar e ter estudado no MIT naquela época, acho que foi fundamental “, lembrou-se do início de sua carreira.

Noreña ingressou na empresa de tecnologia em 2006, quando ela estava apenas começando as operações na América Latina, tendo São Paulo como ponto de partida. Naquela época, lembra-se, era uma empresa que não tinha mais que 5.000 funcionários.

Em 2005, quando aceitei a oferta, me dei conta de que estava grávida e a primeira coisa que disse pro meu chefe, um americano, foi: ‘Antes de falar da vaga, quero te dizer que estou grávida’. E ele me disse: ‘Parabéns, quando você começa?

Naquela época, a executiva passou a “planejar e montar” a estratégia do Google para as PMEs, ou seja, “operações de publicidade online para pequenas e médias empresas no Brasil. Isso logo se expandiu e fui crescendo com a empresa, em toda a América Latina, primeiro no Brasil, depois na Argentina, no México e lá estávamos implantando aquela unidade de negócios “.

PUBLICIDADE

“Aí surgiu a oportunidade de ser diretora geral da Argentina, vaga para a qual me candidatei e achei importante tomar essa iniciativa (...). Fui para a Argentina em 2009 e, ao final da minha passagem pelo país, quase em 2013, abriu a vaga para a América Latina de língua espanhola. Basicamente, levantei a mão de novo pois sabia que tinha uma bagagem importante e que poderia contribuir para a empresa, que foi ter estabelecido operações em vários países e, obviamente, ter administrado um em particular “.

Veja mais: Cofundador da Wikipédia critica obsessão por engajamento nas redes sociais

Uma tecnologia mais humana

A vice-presidente do Google para a América Latina disse à Bloomberg Linea que “a tecnologia não deve nos separar”, insistindo que deve ser usada para “o bem da humanidade” que “é fomentar as relações sociais”.

“Antes da pandemia, quando íamos a um restaurante, as crianças sempre tinham um tablet ou um telefone na mão, que acabavam sendo ferramentas para separá-los de seus pais. É aí que acho que estamos fazendo mau uso da tecnologia. Ela deve nos dar qualidade de vida e deve ser uma entidade que une “, disse Adriana Noreña em uma videochamada.

PUBLICIDADE

Na conversa, ela explicou que as soluções de tecnologia devem “aumentar as relações comerciais” e automatizar funções “para liberar a mente das pessoas para trabalhos muito mais criativos. Colocar as máquinas para fazer o que já sabem fazer bem“.

Um exemplo claro são as vacinas. Hoje, graças ao machine learning, à inteligência artificial, é possível realizar processos de exames e testagem, que no passado levariam anos e hoje a tecnologia nos ajuda, agora... a tecnologia não pode ser um divisor.

Veja mais: Alphabet, controladora do Google, chega a US$ 2 tri após a alta deste ano

PUBLICIDADE

Adriana Noreña comentou que um dos desafios a serem superados é a exclusão digital, por isso “muito apoio e iniciativas público-privadas ainda são necessárias para que esses mundos caminhem em direção a uma maior inclusão das classes menos favorecidas e a América Latina não fique para trás. “.

“Hoje sabemos que um grande componente do desenvolvimento econômico é a educação. E quando as pessoas não podem ir à escola e não têm acesso a aparelhos e dispositivos, a educação acaba ficando muito limitada “, disse Noreña.

PUBLICIDADE

Ela indicou que a pandemia nos levou a repensar profundamente o valor do tempo e a fazer um balanço de como investir, ao mesmo tempo focando na privacidade “porque mais e mais consumidores estão online e estão muito mais receosos em relação à exposição de suas informações”, o que é basicamente " o bem mais precioso “.

O desafio da inclusão

A executiva colombiana falou sobre a inserção das mulheres no mercado de trabalho que “falta ainda um sprint, mais velocidade em direção à empregabilidade”, visto que a pandemia expôs muitos dos desafios que hoje existem.

PUBLICIDADE

“Também nos leva a repensar várias coisas, como podemos elaborar políticas internas nas empresas que basicamente contribuam com a empregabilidade das mulheres e também dos homens, lembrando que a pandemia afetou a todos nós”, disse.

Nesse sentido, afirmou que o principal desafio em relação à inclusão continua sendo cultural, e deu o exemplo do período de isolamento na “pandemia (no qual) as pessoas ficaram confinadas e a atribuição de tarefas em casa ficou desequilibrada, porque automaticamente tudo o que se refere à família e à casa acaba recaindo sobre a mulher. "

PUBLICIDADE

Aliás, quanto à questão de se fechar a lacuna da inclusão por meio da tecnologia, ela citou a história de um homem com deficiência visual que sonhava em correr no Central Park, em Nova York. Por meio da inteligência artificial, e em conjunto com um grupo de especialistas do Google, ele criou um sistema que lhe dá essa liberdade e hoje ele realizou seu sonho.

“Eles desenvolveram uma tecnologia pioneira, que faz com que essas pessoas tenham guias por meio de sinais sonoros em seus fones de ouvido e, assim, possam transitar de forma independente. Acho que essa é a beleza da tecnologia. "

PUBLICIDADE

Leia também

Netflix supera capitalização da Disney na batalha do streaming

Vai viajar? Veja o melhor jeito de comprar dólar e evitar a volatilidade

Daniel Salazar Castellanos

Daniel Salazar Castellanos

Profesional en comunicaciones y periodista con énfasis en economía y finanzas. Becario de EFE en el programa de periodismo de economía de la Universidad Externado, Banco Santander y Universia. Exeditor de Negocios en Revista Dinero y en la Mesa América de la agencia española de noticias EFE.