PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Brasil

URGENTE: Vendas no varejo recuam 1,3% em setembro

No ano, o varejo acumula crescimento de 3,8% e nos últimos 12 meses, alta de 3,9%

Vendas no varejo caem 1,3% em setembro
11 de Novembro, 2021 | 09:04 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Línea — As vendas no varejo brasileiro tiveram queda mensal de 1,3% em setembro, o segundo recuo consecutivo após quatro altas. No ano, o varejo acumula crescimento de 3,8% e nos últimos 12 meses, alta de 3,9%. As informações foram divulgadas nesta quinta-feira (11) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

  • Entre as oito atividades pesquisadas, seis tiveram taxas negativas em setembro, com destaque para equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-3,6%), móveis e eletrodomésticos (-3,5%) e combustíveis e lubrificantes (-2,6%).
  • A atividade de maior peso na formação da taxa de setembro foi hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-1,5%)
  • Na comparação com setembro de 2020, o varejo caiu 5,5%

Veja mais: Mercado avalia ativos mais expostos à inflação das commodities

PUBLICIDADE

Varejo ampliado

No comércio varejista ampliado, que inclui, além do varejo, veículos e materiais de construção, o volume de vendas caiu 1,1% em setembro, frente a agosto.

Os principais impactos foram de móveis e eletrodomésticos (-22,6%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-14,8%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (-6,9%), combustíveis e lubrificantes (-4,0%), hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-3,7%), livros, jornais, revistas e papelaria (-3,4%) e tecidos, vestuário e calçados (-0,1%)

Inflação

Ontem, o IBGE também divulgou o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de outubro, que teve alta mensal de 1,25%, puxado pelos preços dos combustíveis, com destaque para a gasolina.

PUBLICIDADE

É o maior avanço para o mês desde outubro de 2002.

Todos os nove grupos de produtos e serviços pesquisados subiram em outubro, com destaque para os transportes (2,62%), principalmente, por conta dos combustíveis (3,21%). A gasolina subiu 3,10% e teve o maior impacto individual no índice do mês (0,19 p.p.).

Leia também

Mercados dormem e acordam com dúvida sobre transitoriedade da inflação

Ana Siedschlag

Ana Carolina Siedschlag

Editora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero e especializada em finanças e investimentos. Passou pelas redações da Forbes Brasil, Bloomberg Brasil e Investing.com.

PUBLICIDADE