PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Green

Greta Thunberg comanda manifestação de 100 mil pessoas contra ‘blah blah blah’ na COP26

Relatos de greves de funcionários públicos durante a COP26, latas de lixo transbordando e uma infestação de ratos lançaram uma nuvem sobre a cidade-sede

Ativistas marcham durante protesto no "Youth Day" na COP26
Por Rodney Jefferson
05 de Novembro, 2021 | 03:10 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Promessas foram feitas e outras foram esquecidas, mas os líderes mundiais saudaram o progresso na conferência climática das Nações Unidas em Glasgow esta semana. Inevitavelmente, o clima do lado de fora, nas ruas de Glasgow, era mais cético.

PUBLICIDADE

Depois que os grandes políticos partiram da maior cidade da Escócia, o foco da COP26 se voltou para os manifestantes exigindo o tipo de ação que provavelmente sabiam que nunca teriam. A polícia espera que até 100 mil pessoas se reunirão em Glasgow no sábado, após uma marcha e manifestação liderada por jovens ativistas na sexta-feira, que serviu como um prelúdio festivo.

Na George Square, no centro da cidade, palco de muitos protestos ao longo das décadas, crianças, jovens, pais e avós deixaram sua marca na conferência na sexta-feira. Os cartazes variavam de “Não há planeta B” e “Por que você não se importa?” para o mais humorístico “Procurando um amante quente, não um planeta quente.” Um slogan ressoou mais: a conclusão final do que a líder ativista Greta Thunberg chamou de “blah blah blah.”

PUBLICIDADE
Greta Thunberg, ativista sueca, fala durante o "Youth Day" em Glasgowdfd

Os organizadores da COP26 podem ter esperado que suas próprias mensagens tivessem mais apelo. De fato, houve algum progresso até agora na conferência, que vai até 12 de novembro. Isso inclui acordos sobre a eliminação do metano e do financiamento a combustíveis fósseis. Também houve uma promessa de 100 países de parar o desmatamento. Mas segue-se uma segunda semana difícil.

Para Ross Tatham, que participou da marcha na sexta-feira, o legado de Glasgow virá da “base”, e não das promessas dos líderes. “Uma coisa é certa e é que o evento principal faz pouca diferença”, disse Tatham, 24, um graduado em física de Bristol que veio como voluntário em um centro comunitário. “Não há responsabilidade para os estados acompanharem o que estão dizendo. A sociedade cívica foi excluída. "

Relatos de greves de funcionários públicos durante a COP26, latas de lixo transbordando e uma infestação de ratos lançaram uma nuvem sobre a cidade-sede. Ainda assim, para os manifestantes que acabaram de adicionar à imagem do antigo coração industrial da Escócia e seu histórico de desafiar a ordem estabelecida.

Um século atrás, um movimento apelidado de Clydeside Vermelho liderou um protesto político que levou o governo britânico a enviar tanques para reprimir o que pensava que poderia se transformar em uma revolução socialista. No rio Clyde, a uma curta caminhada da área comercial central, há uma estátua da líder comunista da Guerra Civil Espanhola, Dolores Ibarruri.

Manifestantes participam de protesto em Glasgowdfd

Mais recentemente, Glasgow votou pela independência da Escócia em um referendo em 2014, quando o país em geral optou por permanecer no Reino Unido por 55% a 45%. O governo liderado pelo Partido Nacional Escocês está pressionando por outra votação.

PUBLICIDADE

Ruth Ewan, 40, foi persuadida a comparecer ao evento por sua filha de 8 anos, que estava aprendendo na escola em Glasgow sobre as mudanças climáticas e a campanha de Thunberg. Ela disse que mais pessoas estão se engajando e sua cidade natal é o lugar para demonstrar isso.

“Glasgow é uma cidade de protesto”, disse Ewan, cujo cão wolfhound usava um cartaz feito por sua filha dizendo “patas mudam o clima para sempre”. “Tem uma história rica de crianças envolvidas na política também.”

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Debate sobre mercado de crédito de carbono tropeça na COP26

Al Gore vê ‘bolha de carbono subprime’ de US$ 22 trilhões

PUBLICIDADE