PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Green

Debate sobre mercado de crédito de carbono tropeça na COP26

Principal obstáculo é a definição sobre o percentual das receitas que serão canalizadas para os países que precisam de dinheiro para se adaptarem às mudanças climáticas

Manifestantes protestam em Glasgow
Por John Ainger, Ewa Krukowska e Jessica Shankleman
04 de Novembro, 2021 | 09:40 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os debates na COP26 sobre os mercados internacionais de carbono estão encontrando um obstáculo: uma discussão sobre qual parcela das receitas das negociações deve ser canalizada para os países que precisam de dinheiro para se adaptar às mudanças climáticas.

PUBLICIDADE

As negociações sobre o trading de carbono são uma das questões-chave em Glasgow e um acordo representaria um grande sucesso. A última rodada de negociações em Madrid fracassou por causa dessa questão complicada, que continua sendo uma das últimas partes do Acordo de Paris que ainda precisa ser resolvida.

Este é o debate: os países em desenvolvimento querem que uma porcentagem da receita dos negócios com todos os tipos de créditos de carbono seja canalizada para as nações pobres. Esse tipo de imposto sobre transações, já aplicado a um programa anterior de compensação das Nações Unidas, é amplamente esperado que continue em qualquer novo mercado.

PUBLICIDADE

Veja também: Greta Thunberg: COP26 é um ‘festival de greenwashing’ e blah blah blah

Mas os países em desenvolvimento dizem que isso também deve ser aplicado às negociações envolvendo créditos de carbono entre os países. E esse é um sinal de alerta para a União Europeia.

“Nós, com outros participantes do mercado, não estamos preparados para aceitar qualquer tipo de extensão obrigatória”, disse Jacob Werksman, negociador da UE nas negociações em Glasgow. “Portanto, o que estamos tentando fornecer, em vez do imposto internacional obrigatório, é mais garantias de que a UE está comprometida em aumentar o financiamento dessa transição”.

As chances de um acordo estavam aumentando. O Brasil - outro jogador importante - mostrou alguma flexibilidade. E a UE foi encorajada. Mas quando os negociadores começaram a conversar em Glasgow, rapidamente ficou evidente que chegar a um acordo não será uma tarefa fácil.

Acordo difícil

Ativistas da Brigada Vermelha fazem protesto na COP26 em Glasgowdfd

“Precisamos ter um fluxo financeiro claro e previsível para a transição e esta é a única maneira de o termos”, disse Tanguy Gahouma-Bekale, presidente do Grupo Africano de Negociadores sobre Mudanças Climáticas, em uma entrevista.

PUBLICIDADE

Se um acordo for alançado, ele poderá liberar até US$ 1 trilhão em novos investimentos para os países em desenvolvimento, ajudando a reduzir as emissões e incentivando a inovação tecnológica, de acordo com um relatório da International Emissions Trading Association e da Universidade de Maryland publicado na semana passada.

“Um acordo sobre o Artigo 6 deve permitir a operação imediata dos mercados internacionais de emissões e fornecer orientação contábil robusta para evitar a contagem dupla de redução de emissões”, disse Andrea Bonzanni, diretora de política internacional da IETA.

O desafio é garantir que o comércio internacional de carbono esteja sujeito a regras contábeis robustas - e supervisão - e traga cortes nas emissões em vez de greenwash.

O uso de créditos de carbono do programa de compensação da era do Protocolo de Kyoto, o agora extinto Mecanismo de Desenvolvimento Limpo, é outro grande obstáculo. Embora o Acordo de Paris de 2015 tenha permitido o uso de mecanismos de mercado, as diferenças sobre como projetá-lo têm sido intransponíveis.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Resultados do Airbnb superam estimativas mesmo com restrições de viagens

Uber apresenta guidance fraco e ofusca resultados do terceiro trimestre