PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Uber apresenta guidance fraco e ofusca resultados do terceiro trimestre

Ebitda da companhia no terceiro trimestre ficou em US$ 8 milhões, ante a expectativa de perdas de US$ 15,4 milhões

Aumento das taxas de vacinação e a reabertura da economia estão reacendendo a demanda dos passageiros
Por Jackie Davalos
04 de Novembro, 2021 | 06:39 pm
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — A Uber divulgou uma previsão de lucro ajustado para o quarto trimestre que ficou aquém das expectativas do mercado, ofuscando seu primeiro lucro trimestral como uma empresa de capital aberto.

A empresa espera que o lucro ajustado seja de US$ 25 milhões a US$ 75 milhões no trimestre terminado em dezembro, de acordo com um comunicado nesta quinta-feira (4). Os analistas esperavam US$ 98,1 milhões, de acordo com uma média compilada pela Bloomberg. As reservas brutas são esperadas entre US$ 25 bilhões a US$ 26 bilhões, quase em linha com as estimativas.

A projeção decepcionante ofuscou um marco para a empresa. A Uber divulgou seu primeiro Ebitda positivo no terceiro trimestre, impulsionado por uma recuperação no tráfego de veículos e demanda sustentada em seu negócio de entrega. As ações caíram até 6% no pós-mercado em Nova York.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) foi de US$ 8 milhões, em comparação com as perdas de US$ 15,4 milhões esperadas pelos analistas. Em setembro, a Uber havia dito que os ganhos ajustados variariam de um prejuízo de US$ 25 milhões a um lucro de US$ 25 milhões no terceiro trimestre.

PUBLICIDADE

“Embora reconheçamos que é apenas um passo, alcançar um Ebitda ajustado positivo da empresa como um todo é um marco importante para a Uber”, disse o diretor financeiro Nelson Chai em comunicado.

Veja mais: Rappi planeja IPO nos EUA no próximo ano

A receita cresceu 72%, para US$ 4,8 bilhões, disse a empresa com sede em San Francisco no balanço divulgado hoje (4). Isso superou os US$ 4,4 bilhões projetados por analistas, de acordo com dados compilados pela Bloomberg. A Uber teve prejuízo líquido de US$ 2,4 bilhões.

Os aplicativos de transporte foi um dos setores mais afetados durante a pandemia, pois as pessoas evitavam atividades que envolviam a proximidade de estranhos. Mas o aumento das taxas de vacinação e a reabertura da economia estão reacendendo a demanda dos passageiros. As reservas de mobilidade bruta aumentaram 67% em relação ao ano anterior, impulsionadas em parte por uma recuperação nas viagens em aeroportos, que aumentaram 203% em relação ao ano anterior.

PUBLICIDADE

Enquanto os passageiros estão voltando, é mais difícil para a Uber e a Lyft encontrar motoristas suficientes para atender a essa demanda renovada, resultando em tarifas mais altas e tempos de espera para os clientes. A Uber gastou centenas de milhões de dólares em incentivos para atrair motoristas de volta depois que muitos recorreram a programas de estímulo do governo para obter renda, procuraram trabalho em outro lugar ou relutam em voltar devido a problemas de saúde.

“Nossos investimentos recentes melhorias ainda estão rendendo frutos, com os motoristas constantemente retornando à plataforma, levando a uma melhoria adicional na experiência do consumidor”, disse o CEO Dara Khosrowshahi no comunicado.

A Uber disse que o número de motoristas ativos nos Estados Unidos cresceu quase 60% em comparação com o mesmo período do ano passado. A empresa também reduziu os gastos com incentivos aos motoristas no terceiro trimestre, o que contribuiu para que ela atingisse a lucratividade.

Veja mais: Motoristas abandonam Uber no Brasil por aumento do custo de combustível

A Lyft também viu sua perspectiva melhorar, relatando um aumento de 73% na receita no terceiro trimestre. O cofundador e presidente John Zimmer disse que as viagens de aeroporto, que triplicaram em relação ao ano anterior, juntamente com um aumento nas viagens de fim de semana e à noite, são um sinal positivo de que os clientes estão voltando aos hábitos pré-pandêmicos.

A Uber registrou US$ 23,1 bilhões em reservas brutas, que incluem carona, entrega de comida e frete, um aumento de 57% em relação ao mesmo período do ano passado, em linha com as estimativas.

PUBLICIDADE

Ao contrário de seu rival Lyft, a Uber pôde contar com seu negócio de entrega de comida Uber Eats, que cresceu durante a pandemia no momento em que a demanda por caronas caiu. O segmento de entrega, que inclui pedidos em restaurantes, mercearias e bebidas alcoólicas, continuou a crescer apesar da retomada das refeições em ambientes fechados, um aumento de 50% em relação ao ano anterior, para US$ 12,8 bilhões em reservas.

Embora o negócio de entrega do Uber como um todo ainda não seja lucrativo, reduziu significativamente suas perdas em US$ 149 milhões no segundo trimestre, liderado por sua unidade principal, Uber Eats. Seu concorrente neste setor, a DoorDash, rapidamente engoliu participação de mercado e refinou a economia de sua própria unidade para entrega de refeições desde que abriu o capital.

Veja mais: Hertz firma parceria com Uber e Carvana e foca em carros elétricos

“A Uber precisa mostrar que, além de trabalhar para ser lucrativa, também pode manter e aumentar a participação de mercado em relação à DoorDash”, disse o analista da RBC Capital Markets Brad Erickson.

PUBLICIDADE

O portfólio de investimentos do Uber agora vale US$ 13 bilhões. A baixa contábil com a Didi representou uma perda não realizada de US$ 3,2 bilhões, eliminando o US$ 1,4 bilhão que ganhou depois que a gigante chinesa foi a público em junho. Outras participações, incluindo Grab Holdings, Aurora e Joby Aviation, também tomaram medidas para abrir o capital.

Veja mais em Bloomberg.com