promo
Viagens

7 motivos para novembro ser o melhor mês desde início da pandemia

Fim das restrições no varejo, retomada de voos internacionais e volta dos restaurantes e bares em São Paulo podem aliviar cenário do fim de ano

Tempo de leitura: 4 minutos

São Paulo — Novembro chega com a promessa de ser o melhor mês desde o início da pandemia da Covid-19, decretada em março do ano passado. Após a segunda onda de casos da doença no primeiro semestre, o processo gradual de reabertura das economias atinge o ápice neste mês, na busca de uma normalidade das rotinas dos principais centros urbanos.

Em São Paulo, a partir desta segunda-feira (1º), todos os estabelecimentos podem funcionar com capacidade máxima e sem limite de horário, permitindo o retorno do setor de entretenimento, incluindo festas, shows e baladas.

Confira 7 motivos para apostar que o penúltimo mês de 2021 pode ser um divisor de águas no calendário.

1- Fronteiras reabertas

A partir do próximo dia 8, brasileiros com vacinação completa contra a Covid-19, em dia com o visto, serão autorizados a desembarcar no território norte-americano. A retomada dos voos diretos entre os dois países é vista como uma esperança para a recuperação do setor turístico, com a venda de pacotes, de passagens, o que pode ajudar as companhias aéreas e as operadoras de turismo a reduzirem suas perdas acumuladas desde o ano passado com o fechamento das fronteiras. Cidades americanas como Miami, Orlando e Nova York estão entre os principais destinos procurados pelos viajantes brasileiros

2- Retorno da boemia

Na maior cidade do Brasil, o feriado do Dia dos Finados (2) vai ser histórico. A partir de hoje, São Paulo retoma sua fama de uma das capitais mais boêmias da América Latina. Com o fim das restrições de capacidade máxima e limite de horário, diversos clubes vão reabrir com festas que prometem entrar a madrugada. Programações de baladas ao longo da semana já foram anunciadas, reanimando a reabertura de vagas do segmento. O uso de máscara ainda é obrigatório na capital paulista, diferente do Rio de Janeiro, onde desde quinta-feira (28) está liberado andar na rua sem o acessório

3- Volta dos cruzeiros

Na próxima sexta-feira, começa a temporada nacional de cruzeiros 2021-2022. Os navios voltam à costa brasileira, após meses de negociações entre armadoras e o governo federal. A Anvisa publicou as regras para o retorno das embarcações. Com levas de turistas desembarcando nos terminais portuários, a expectativa é que todos os empreendedores ligados à essa indústria de lazer, dos segmentos de alimentação, passeios, transfer e hospedagem, consigam melhorar seus caixas, abrir novas vagas e planejar o verão 2022. A temporada de cruzeiros vai até março do ano que vem

4- Redução de mortes

As estatísticas da Covid-19 apontam uma melhora gradual com o avanço da vacinação. Ontem (31), o Brasil registrou 96 mortes por Covid e 6.853 casos. As médias móveis nos últimos sete dias são de 311 óbitos por dia e de 11.605 infecções por dia. Em abril, o país chegou a contabilizar mais de 4.000 mil óbitos por dia e mais de 80 mil infecções diárias. O Brasil começa a ter estados que não registram mortes pela Covid durante 24 horas. O total de mortes em outubro de 2021 foi 11.060, menor número desde abril de 2020. O país já tem 72,53% da população com a 1ª dose e 54,88% com a vacinação completa

5- Vendas de fim de ano

O fim das restrições ao funcionamento do comércio, bares, restaurantes, clubes e estádios pode contribuir com a reabertura de vagas para dar um impulso ao mercado de trabalho. A abertura de vagas temporárias para as vendas de fim de ano pode ser um sintoma saudável de recuperação do nível de emprego. O comércio nas capitais antecipou a decoração natalina em lojas e shopping centers. No começo de outubro, o vermelho de Papai Noel já era visto em algumas lojas de São Paulo. A maior mobilidade urbana, após a superação da segunda onda da Covid, estimula apostas em alta das vendas

6- Fim do home office

O retorno da normalidade nos horários permitiu reestabelecer o calendário de folgas e férias de muitas companhias, cujo pessoal retorna gradualmente ao trabalho presencial nos escritórios. Resultado: agências de turismo já percebem que os consumidores voltaram a planejar viagens em vésperas de feriados e fins de semana. As consultas sobre diárias de hotéis, preços de passagens e reservas para atrações turísticas aumentaram, indicativo de que os brasileiros se preparam para o retorno aos aeroportos no fim do ano, seja para visitar parentes em outros estados e países, seja para retomar as rotinas de lazer

7- Definições eleitorais

As últimas sondagens sobre a eleição de outubro de 2022 apontam o ex-presidente Lula (PT) à frente de Bolsonaro (sem partido). A terceira via tenta definir seu candidato, o que deixaria o cenário eleitoral menos turvo. Neste mês, o PSDB realiza no dia 21 prévias com o embate entre os governadores João Doria (SP) e Eduardo Leite (RS). O ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro apareceu em 3º lugar, superando Ciro Gomes (PDT), em pesquisa recém-divulgada pelo PoderData. Moro deve oficializar sua filiação ao Podemos neste mês. Bolsonaro está sem partido desde novembro de 2019. O PP o aguarda.

Leia também

Hopi Hari anuncia acordo de R$ 2,8 bi com banco para reestruturação

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.