PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cripto

Wharton aceitará criptomoeda como pagamento de curso online de blockchain

Novo programa de educação executiva da instituição da Ivy League aceitará tokens digitais, como Bitcoin, como forma de pagamento

“É um programa sobre blockchain e ativos digitais, sentimos que deveríamos ser coerentes e praticar o que ensinamos”, disse um dos professores
Por Olga Kharif
28 de Outubro, 2021 | 11:19 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A Wharton School da Universidade da Pensilvânia, uma das principais escolas de administração dos Estados Unidos, planeja aceitar criptomoedas no pagamento das mensalidades de seu curso online de blockchain e ativos digitais.

O novo programa de educação executiva da instituição da Ivy League aceitará moedas como Bitcoin como forma de pagamento. Com início previsto para janeiro, o curso online oferecido pela escola com sede na Filadélfia custa US$ 3.800 e deve atrair vários milhares de alunos por ano.

PUBLICIDADE

“É um programa sobre blockchain e ativos digitais, sentimos que deveríamos ser coerentes e praticar o que ensinamos”, disse em entrevista Guido Molinari, sócio-gerente do Prysm Group, que está trabalhando com a Wharton na elaboração do currículo do curso. A Wharton usará a Coinbase Global, a maior exchange de criptomoedas dos Estados Unidos, para aceitar pagamentos de ativos digitais.

Ao longo dos anos, houve muitos experimentos universitários com criptomoedas: o Massachusetts Institute of Technology distribuiu o famoso Bitcoin a seus alunos, em 2014. Outras faculdades começaram a permitir que os alunos usassem criptomoeda para pagar as mensalidades.

Em maio, a Universidade da Pensilvânia recebeu o maior presente em forma de criptomoeda de sua história, US$ 5 milhões de um doador anônimo.

PUBLICIDADE

A Wharton também tem muitos ex-alunos notáveis ativamente envolvidos no ecossistema de criptomoedas. O CEO da Tesla, Elon Musk, que se formou em 1997, pressionou a empresa, assim como sua SpaceX, a comprar Bitcoin para o tesouro corporativo. Ele também foi um impulsionador de oscilações violentas de preços nas chamadas moedas meme, como a Dogecoin, e foi fundamental para impulsionar a conversa sobre a redução do impacto ambiental da mineração de Bitcoin.

Arthur Hayes, que iniciou a bolsa BitMex, pioneira em contratos futuros perpétuos de Bitcoin, também se formou na Wharton. Ele enfrenta acusações de que não conseguiu evitar que a bolsa fosse usada para lavagem de dinheiro por criminosos.

Kevin Werbach, que será o principal professor do curso de educação executiva, ensina os fundamentos de blockchain e criptomoeda na escola desde 2018. O novo curso vai além do básico, como valorizar ativos digitais, regulamentos e políticas, além de examinar vários estudos de caso.

“A Coinbase tem 68 milhões de usuários verificados, qualquer um desses usuários poderá se beneficiar deste programa”, disse Molinari.

PUBLICIDADE

A escola não tem outros planos para aceitar criptomoedas.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Shiba Inu bate recorde; petição da Robinhood ultrapassa 300 mil assinaturas