PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Green

Maior exportadora de petróleo do mundo anuncia meta de zerar carbono

Arábia Saudita quer eliminar emissões até 2060, movimento visto como mudança sísmica em favor da descarbonização

An oil pump jack operates at the Inglewood Oil Field in Culver City, California, U.S., on Sunday, July 11, 2021. Oil dipped after a two-day gain as investors assessed the demand outlook amid a resurgence of Covid-19 in many regions. Photographer: Kyle Grillot/Bloomberg
Por Matthew Martin e Akshat Rathi
23 de Outubro, 2021 | 01:43 pm
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg — A Arábia Saudita se comprometeu a eliminar as emissões que causam o aquecimento do planeta dentro de suas fronteiras até 2060.

PUBLICIDADE

Isso marca uma mudança sísmica para o maior exportador de petróleo do mundo, embora as autoridades incluam muitas ressalvas e enfatizem que a Arábia Saudita e outros países precisarão bombear muito petróleo nas próximas décadas.

O príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, o governante de fato, fez o anúncio em Riad no sábado, na abertura de uma conferência climática. Seu governo tem argumentado consistentemente contra o corte de investimentos em combustíveis fósseis e culpou os ativistas do clima pela alta dos preços da energia neste ano.

PUBLICIDADE

Embora a nova meta da Arábia Saudita a alinhe com a China e a Rússia, seu cronograma está atrasado em relação a outras grandes economias, como os EUA, o Reino Unido e a União Europeia, que pretendem atingir a emissão zero em 2050.

Veja também: Líderes do G-20 reduzem as ambições de ‘relegar o carvão ao passado’

Os Estados Unidos e as nações europeias pressionaram a Arábia Saudita para acelerar os esforços para conter as emissões e investir mais em energia renovável. A decisão dará um impulso às discussões no Reino Unido no fórum climático COP26 que começa este mês em Glasgow.

“Espero que este anúncio histórico galvanize a ambição de outros antes da COP26″, disse o presidente do Reino Unido para as negociações, Alok Sharma, no Twitter. “Ansiosos pelos detalhes.”

Carbono

Carbon Impactdfd

O príncipe Mohammed destacou a dificuldade de reduzir as emissões em um país deserto tão dependente do petróleo e que queima enormes quantidades de combustíveis fósseis para fazer funcionar ar condicionado e para dessalinizar a água do mar.

PUBLICIDADE

A Arábia Saudita alcançará a meta de forma que “proteja o protagonismo do reino no fortalecimento da segurança e estabilidade dos mercados globais de energia, à luz da maturidade e disponibilidade das tecnologias necessárias para gerenciar e reduzir as emissões”, afirmou, em um discurso gravado no fórum Saudi Green Initiative.

O governo dependerá fortemente da captura de carbono, disse o ministro da Energia, Abdulaziz bin Salman. O objetivo é reduzir as emissões de carbono em 278 milhões de toneladas por ano até 2030, mais que o dobro de sua meta anterior, disse ele.

Ainda bombeando óleo

A meta de emissão zero não significa necessariamente que a Arábia Saudita tenha que reduzir a produção de petróleo, uma vez que se aplica apenas às emissões territoriais. As emissões geradas quando o petróleo do reino é queimado em carros, fábricas e usinas no exterior não contam, de acordo com as regras de contabilidade de carbono das Nações Unidas.

Em vez disso, a petrolífera estatal Aramco está no processo de aumentar sua capacidade de produção ainda mais - de 12 milhões para 13 milhões de barris por dia. O projeto deve levar seis anos e custar bilhões de dólares.

“Haverá muito ceticismo”, disse Ben Cahill, pesquisador sênior do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais. “O maior exportador de petróleo do mundo se tornando uma economia líquida zero é muito estranho.”

A Arábia Saudita é o décimo maior emissor global de dióxido de carbono e o mais alto emissor per capita entre os países do G-20. Alcançar o zero carbono significará reverter drasticamente a tendência de aumento das emissões nas últimas duas décadas.

PUBLICIDADE

Ainda assim, a nova meta surge em meio a uma mudança entre os principais petroestados. Os Emirados Árabes Unidos se tornaram este mês o primeiro país do Golfo Pérsico a se comprometer com zerar a emissão de carbono até 2050. A Rússia seguiu o anúncio menos de uma semana depois, embora o presidente Vladimir Putin tenha definido o prazo final para 2060.

Gesto para Biden

On the Updfd

A Arábia Saudita pode ser particularmente vulnerável ao aquecimento global. O reino sofreu várias ondas de calor severas nos últimos anos, com temperaturas chegando a 50 graus Celsius (122 Fahrenheit).

A decisão provavelmente cairá bem com o presidente dos EUA, Joe Biden, disse Karen Young, bolsista do Instituto do Oriente Médio em Washington D.C. Os laços entre Washington e Riad estão abalados desde que agentes sauditas mataram o jornalista Jamal Khashoggi em 2018.

“A meta de emissão zero estabelece com firmeza a Arábia Saudita entre as economias do G-20 que estão pressionando por essa agenda”, disse ela. “Também é provavelmente um gesto conciliatório em relação ao governo Biden.”

PUBLICIDADE

O país também se comprometeu a aderir ao Compromisso Global do Metano, que visa reduzir as emissões do gás altamente poluente em 30% até 2030. Cientistas consideram a redução dos vazamentos de metano uma das maneiras mais rápidas de desacelerar as mudanças climáticas.

Nossa própria maneira

O príncipe Abdulaziz disse que a abordagem de cada governo para reduzir as emissões é diferente e que a Arábia Saudita continuará a pressionar por investimentos na produção de petróleo e gás.

O mundo “não pode funcionar sem combustíveis fósseis, sem hidrocarbonetos”, disse ele. Nem eles nem as energias renováveis “serão o salvador. Tem que ser uma solução abrangente. "

Ele acrescentou que as negociações da COP26 devem ser “inclusivas”.

PUBLICIDADE

“A inclusão exige que você esteja aberto para aceitar o que todos farão, desde que contribuam para a redução das emissões”, disse ele. “As ferramentas do seu kit são completamente diferentes das minhas.”

Os negociadores sauditas do clima podem tentar amenizar as propostas de outros países para reduzir os investimentos em petróleo e gás, de acordo com Jim Krane, membro da Rice University em Houston e autor de ‘Reinos de Energia: Petróleo e Sobrevivência Política no Golfo Pérsico’.

“A meta de emissão zero de carbono para a humanidade, especialmente se ocorrer de forma rápida, será devastadora para o reino”, disse ele. “Portanto, eles podem permanecer um tanto obstrucionistas nos fóruns globais.”

Planos de Hidrogênio

A Arábia Saudita planeja aumentar a mistura de energia solar e eólica em sua matriz energética para 50% até 2030, disse o príncipe Abdulaziz, reiterando um anúncio anterior. O gás natural fará o resto.

PUBLICIDADE

Isso exigiria que o governo parasse de queimar centenas de milhares de barris de petróleo todos os dias em suas usinas de energia. Também precisaria melhorar os esforços anteriores para aumentar a produção de energia renovável, que tiveram pouco sucesso até agora.

O país está investindo pesadamente em hidrogênio, um combustível visto como crucial para a eventual mudança da matriz energética de petróleo e gás. A Aramco planeja produzir hidrogênio azul, o que é feito convertendo o gás e capturando as emissões de carbono. Outras empresas, incluindo a Air Products & Chemicals Inc., querem exportar hidrogênio verde, feito de energia renovável, da nova cidade de Neom.

A Arábia Saudita pretende produzir 29 milhões de toneladas de hidrogênio azul e verde anualmente até 2030, disse o ministro da Energia.

--Com a assistência de Salma El Wardany, Reema Alothman e Vivian Nereim.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Bancos enfrentarão Basileia para atuar no mercado de carbono

Boris Johnson espera cúpula climática ‘extremamente difícil’

PUBLICIDADE

Ferramenta Net-Zero apoiada pela BlackRock vai cobrir 10 mil ações