promo

Bancos enfrentarão Basileia para atuar no mercado de carbono

Associação propõe medidas que reduziriam em mais da metade o nível de capital que os bancos são obrigados a reservar para evitar que perdas com certificados de carbono ameacem sua solvência

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O setor financeiro defende uma revisão das regras globais de capital para garantir que os bancos continuem negociando nos mercados de emissões de carbono.

A Associação Internacional de Swaps e Derivativos (ISDA, na sigla em inglês) propõe medidas que reduziriam em mais da metade o nível de capital que os bancos são obrigados a reservar para evitar que perdas com certificados de carbono ameacem sua solvência.

O grupo formado por mais de 200 bancos, seguradoras e corretoras de commodities afirma que a exigência estabelecida pelo Comitê de Supervisão Bancária de Basileia exagera os riscos e aumenta os custos a um ponto proibitivo.

As propostas chegam em um momento em que governos ao redor do mundo adotam novas regras de capital para o setor, definidas por Basileia. A Comissão Europeia deve publicar um rascunho da legislação este mês.

O plano de Basileia teria “grande impacto para os bancos atuantes no comércio de carbono”, disse Gregg Jones, diretor de risco e capital na ISDA. “É uma questão global e não confinada a uma jurisdição qualquer.”

O mercado europeu de carbono, o primeiro do mundo, passou por períodos de extrema volatilidade. Dois anos após sua criação, em 2005, os preços despencaram para perto de zero. Este ano, as cotações dispararam quase 80%, embaladas por especulação, regras climáticas mais rígidas e o custo recorde do gás natural.

Como parte de uma revisão nas exigências de capital após a crise financeira, o Comitê de Basileia definiu uma ponderação de risco de 60% para certificados de carbono, quase o dobro do nível aplicado a carvão, petróleo e urânio. As ponderações de risco refletem a probabilidade de um ativo perder valor. Quanto mais volátil, maior será o peso de risco e a exigência de capital.

“Essencialmente, isso tira capital de outras atividades e torna um negócio menos viável economicamente ou menos atraente”, disse Panayiotis Dionysopoulos, responsável pela área de capital da ISDA. “É assim que os bancos vão enxergar essas linhas de negócios.”

A Comissão Europeia tem conhecimento da proposta da ISDA, mas se recusou a comentar além disso, disse um porta-voz, citando o lançamento iminente da proposta de implementação das recomendações de Basileia.

De acordo com a Autoridade Bancária Europeia, os certificados constituem uma “porção muito pequena” do balanço patrimonial dos bancos e são caracterizados por “um grau significativo de sazonalidade” que afeta a liquidez. A entidade indicou que pode mudar sua postura à medida que o mercado amadurece.

“Parece um mercado que tende a crescer em importância no futuro e provavelmente se tornará mais robusto”, afirmou Lars Overby, responsável por métricas de risco na Autoridade Bancária Europeia.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Ex-BC: Guedes abandonou agenda liberal e embarcou na campanha

Dívida brasileira está ficando mais cara e isso pode afetar percepção de risco

Proposta que altera teto avança na Câmara após disparada do dólar e juros