PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Tech

PayPal avalia compra do Pinterest

Segundo fontes, as empresas discutiram um preço potencial de cerca de US$ 70 por ação, o que avaliaria o Pinterest em cerca de US$ 39 bilhões

A rede social enfrenta uma série de acusações de ex-funcionários de que o Pinterest discrimina mulheres
Por Ed Hammond e Liana Baker
20 de Outubro, 2021 | 01:35 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O PayPal estuda a aquisição da empresa de rede social Pinterest, disseram pessoas com conhecimento do assunto.

O PayPal, com sede em San José, Califórnia, abordou recentemente o Pinterest sobre um possível acordo, disseram as pessoas sob anonimato. As empresas discutiram um preço potencial de cerca de US$ 70 por ação, o que avaliaria o Pinterest em cerca de US$ 39 bilhões, segundo uma das fontes.

PUBLICIDADE

Veja mais: Pinterest aposta na América Latina para expansão de via de e-commerce

Um acordo nesse nível representaria um prêmio de cerca de 26% em relação ao preço de fechamento do Pinterest na terça-feira (19), de US$ 55,58. As ações do Pinterest acumulam baixa de 16% este ano, o que confere um valor de mercado de cerca de US$ 36 bilhões.

A expansão das compras online ajudou a ação do PayPal a mais que dobrar de preço desde o início do ano passado, dando à empresa capitalização de mercado de quase US$ 320 bilhões. Esses ganhos fornecem uma moeda forte que pode ser usada para aquisições.

PUBLICIDADE

O interesse do PayPal chega em um momento complicado para o Pinterest. A empresa de rede social anunciou este mês que o cofundador Evan Sharp, que supervisionou as equipes de design e produto, vai deixar o cargo. Também enfrenta uma série de acusações de ex-funcionários de que o Pinterest discrimina mulheres.

O Pinterest abriu o capital em uma oferta pública inicial em abril de 2019, avaliando a empresa em pouco mais de US$ 10 bilhões.

Os termos de uma transação ainda podem mudar, e não há certeza de que as negociações levarão a um acordo, disseram as pessoas. Não foi possível contatar um representante do PayPal, enquanto um porta-voz do Pinterest também não pôde comentar de imediato.

Maratona de compras

O Pinterest oferece uma plataforma de busca visual e álbuns onde usuários podem salvar, coletar e agrupar imagens por temas. A rede se beneficiou nos estágios iniciais da pandemia, quando anunciantes migraram para sites de redes sociais para cortejar um público cativo que migrou para o comércio eletrônico.

A empresa tem apresentado novas ferramentas para facilitar a venda dos “pins” por seus criadores, com uma conexão mais direta entre o conteúdo do site do Pinterest e compras online. As ações do Pinterest atingiram uma máxima fevereiro, mas desde então caíram com o relaxamento das restrições da Covid-19.

O apetite do PayPal por aquisições tem aumentado nos últimos anos com a compra de concorrentes e entrada em novos mercados. A empresa comprou a plataforma europeia de comércio de pequenas empresas iZettle em 2018, como parte de uma aposta para aumentar a concorrência com a Square.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Fundação Gates quer acelerar acesso à pílula contra Covid da Merck

PUBLICIDADE

Na Colômbia, café tem gosto brasileiro

Regras da UE para internet devem ser adiadas mais uma vez, para 2022

PUBLICIDADE