PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cripto

El Salvador: Bitcoin não será obstáculo em acordo com FMI

País negocia crédito de US$ 1,3 bilhão com o Fundo, que deve fazer revisão sobre economia e finanças do país em novembro

Bitcoin en El Salvador
Por Maria Elena Vizcaino e Michael McDonald
19 de Outubro, 2021 | 10:30 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A adoção do bitcoin em El Salvador não será um obstáculo para o governo chegar a um acordo de crédito de US$ 1,3 bilhão com o Fundo Monetário Internacional, segundo o presidente do banco central do país.

A criptomoeda vai perder sua reputação de ativo especulativo e se mostrar útil como um sistema de pagamento legítimo apoiado pelo aplicativo Chivo, a carteira de bitcoin do governo, disse o presidente do banco central, Douglas Rodríguez, em entrevista na segunda-feira. Ele até espera que a conhecida volatilidade dos preços do bitcoin ajude a economia a superar a previsão do banco central, que aponta crescimento de 9% este ano.

PUBLICIDADE

“Não vemos nenhum risco. Talvez, riscos de alta”, disse Rodríguez em entrevista virtual de San Salvador. O bitcoin “se tornará um sistema de pagamento, um sistema de inclusão financeira”.

Ele disse que o país enfatizou esse aspecto para o FMI em meio às negociações para uma possível extensão da linha de US$ 1,3 bilhão. O FMI deve divulgar sua última revisão sobre as finanças e a economia de El Salvador no mês que vem, o que pode dar início a novas discussões. Investidores observam de perto as negociações, especialmente à sombra de decisões políticas polêmicas sob o comando do presidente Nayib Bukele, como a substituir os principais juízes e oficializar o bitcoin.

Embora o país não tenha grandes pagamentos de títulos em dólar até 2023, está altamente endividado e precisa de um acordo com o credor multilateral para desbloquear o acesso aos mercados internacionais no próximo ano.

PUBLICIDADE

O bitcoin era negociado a US$ 64.164 às 21h20 em Nova York (22h20 em Brasília) após a estreia de um fundo de índice atrelado à criptomoeda.

“Explicamos abertamente ao FMI: para nós, Chivo e bitcoin são simplesmente um método de pagamento”, disse Rodríguez, que foi nomeado presidente do banco central em setembro de 2020. Rodríguez trabalhou em dois governos municipais enquanto Bukele era prefeito e entrou no Ministério da Fazenda em 2019, quando Bukele assumiu a presidência.

Gestores de fundos também estão atentos aos riscos enquanto o governo estuda uma possível reforma da previdência. Embora Rodríguez tenha dito que as mudanças não afetarão a idade de aposentadoria e garantirão uma “pensão digna”, não foi decido se o sistema será nacionalizado, nem totalmente ou apenas parte dele, afirmou.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

ETF de futuros de Bitcoin dispara em estreia nos EUA

PUBLICIDADE

Elon Musk se tornará o primeiro trilionário com SpaceX, diz Morgan Stanley

Vale amplia produção de minério de ferro, mas reduz volume vendido no 3º tri

Com sinal verde a brasileiros, American Airlines amplia voos para os EUA

PUBLICIDADE