promo
Negócios

Quão perto estão os carros voadores?

Empresas já estão alugando telhados para “estacionar” seus veículos e expectativa é que em três anos já existam algumas opções se deslocando pelo mundo

Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg — A Joby Aviation Inc. está fechando contratos de locação de telhados onde suas máquinas que parecem mosquitos pousarão já em 2024. A ideia de deslocar em veículos conforme previsto pelos Jetsons está finalmente próxima.

Capazes de decolar e pousar verticalmente, eles são muito parecidos com helicópteros - apenas mais seguros, baratos e muito mais silenciosos graças a um agrupamento de pequenos rotores elétricos em uma asa fixa, permitindo que a nave voe (e deslize) horizontalmente. Se um dos ventiladores apagar, o restante pode mitigar um desastre.

A indústria de táxis voadores está lotada, com várias empresas testando máquinas que se aproximam de drones gigantes que transportam pessoas, incluindo gigantes como Hyundai Motor Co. e startups como Lilium GmbH.

A Joby está nisso há 12 anos. Ao longo desse tempo, arrecadou cerca de US$ 100 milhões em financiamentos de risco. Em agosto, a empresa abriu o capital por meio de uma Empresa de Aquisição de Propósito Específico (SPAC, na sigla em inglês) apoiada pelo co-fundador do LinkedIn, Reid Hoffman.

Sentamos com o fundador e CEO de Joby, JoeBen Bevirt, para falar sobre seus planos de tornar os táxis aéreos tão baratos quanto os táxis terrestres e o maior golpe de sua empresa: uma aeronave de cinco passageiros que soa como o oceano. A entrevista foi editada em termos de duração e clareza.

Como você se sente sobre o termo “carro voador” - isso o incomoda?

Isso implica em algo que voa e dirige em minha mente. O desafio é que você acaba com algo que não é otimizado para nenhum dos dois. O que tentamos fazer aqui é construir uma aeronave, que é realmente boa como aeronave e com capacidades que nenhuma outra aeronave jamais teve.

Quando fundei a empresa em 2009, as pessoas pensavam que a ideia de construir um avião elétrico era um pouco extravagante, e a ideia de construir um avião elétrico que pudesse decolar e pousar verticalmente era ficção científica. Isso foi sonhado por tanto tempo que não acho que reconhecemos totalmente o quanto estamos vivendo em um momento divisor de águas.

Quão perto você está de um produto comercial?

Em 2020, basicamente concordamos com a Administração Federal de Aviação sobre um roteiro que devemos seguir para obter a certificação, e agora estamos marchando por esse caminho. Nossa prioridade número 1 é a certificação. Número 2, dar escala à fabricação. Temos nossa fábrica de pilotos entrando em operação e vamos lançar a primeira aeronave em conformidade dessa linha em 2022. E então a peça final que solicitamos é um certificado operacional que basicamente é o que nos permite voar com nossas aeronaves e transportar passageiros.

Qual foi a parte mais difícil?

Colocamos muito trabalho na acústica. Passamos mais de uma década nisso e estamos incrivelmente satisfeitos por estarmos tanto no nível de som absoluto, mas também na qualidade desse som; é um som que se mistura com o fundo dos ambientes em que estamos operando. Não é o ‘wop-wop’ que você obtém de um helicóptero, não é o gemido que você ouve de um drone. É muito mais parecido com o vento ou o oceano.

O estágio inicial de seu modelo operacional consiste em corredores ponto a ponto, e não em um sistema hub and spoke?

Sim, se pudermos conectar uma grande área residencial com uma grande área comercial, onde estamos economizando muitas horas para muitas pessoas todos os dias, isso é um incrível presente de tempo.

E você meio que dissemina a partir daí à medida que cresce com mais pontos de aterrissagem?

Esse é realmente um ponto-chave disso. O custo de capital para construir um novo porto aéreo é uma pequena fração do que custa para construir uma nova rodovia e, ainda assim, tem um valor exponencialmente maior, porque pode levar você a qualquer lugar. O futuro a médio prazo é que estaremos pousando em muitos e muitos telhados. No lançamento, é um número discreto de telhados que vão entregar o maior valor aos nossos clientes, esse é o foco da nossa equipe de infraestrutura.

Como você pensa sobre o preço do serviço?

Sempre acreditamos que isso deveria ser acessível a todos. E para nós isso é lançá-lo ao preço de um táxi e reduzir o mais agressivamente possível em relação ao custo de propriedade de um carro pessoal. Essa é a chave para desbloquear, para tornar isso algo onde todos estão voando em vez de dirigir.

O cenário competitivo parece dividido entre startups dedicadas, como você, e gigantes da aviação. Como você vê isso evoluindo?

Eu acredito que haverá o florescimento de uma aeronave diferente que fornecerá uma diversidade de capacidades, mas estamos muito entusiasmados com nossa aeronave e as escolhas que fizemos há uma década, em termos de sermos capazes de entregar um conjunto realmente diversificado de viagens para os clientes, seja do outro lado da cidade ou de cidades próximas.

Qual você acha que será uma viagem média nos primeiros dois anos?

Achamos que há uma espécie de distribuição bimodal, onde há muitas viagens cruzando a cidade - o que leva as pessoas a 45 minutos ou uma hora presas no trânsito. E também achamos que muitas viagens são para cidades próximas, o que economiza algumas horas para as pessoas.

Você pode trocar as baterias da sua nave?

Na verdade, temos pensado muito em não trocar as baterias. As baterias têm duas dimensões diferentes no custo operacional: uma é a depreciação da bateria, portanto, obter uma vida útil realmente longa é importante, e a outra é ser capaz de carregá-las rapidamente. Por ter uma bateria grande e de longo alcance na aeronave, significa que depois de um voo de 25 milhas (40,2 quilômetros), podemos recarregar em cinco ou seis minutos, que é o tempo que leva para embarcar, desembarcar e reembarcar.

Existe um obstáculo na narrativa para os passageiros - este não é um carro voador em si e não é algo que você provavelmente queira comprar e operar sozinho.

Acho que assim que as pessoas virem a aeronave e entrarem, ficarão imediatamente pensando: ‘Leve-me para um passeio’. E quando as pessoas perceberem a economia de tempo e o que isso significa para suas vidas, será um grande “Ah-ha”.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Por que ir ao mecânico virou um problema nos Estados Unidos?

Elon Musk aparece de surpresa em conferência da Volkswagen

Brasil simplifica gestão ESG das empresas com ajuda da tecnologia