promo
Brasil

Kanczuk afirma que ritmo de aumento de juros pode mudar

“Nosso ritmo de 100 pontos base é uma dica, não um compromisso. Você vê os novos dados e os analisa novamente”, disse o diretor de política econômica do BC

Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O Banco Central pode alterar o ritmo dos aumentos da taxa básica de juros, Selic, à medida que busca puxar a inflação de volta para a meta, disse um membro do comitê de política monetária (Copom) nesta quarta-feira (13).

O BC tem sido o mais agressivo do mundo, elevando a Selic em 425 pontos base desde março, para 6,25%. Os legisladores estão combatendo a inflação acima da meta impulsionada por uma economia em reabertura e contas de eletricidade mais altas. A autoridade monetária deve entregar sua terceira alta consecutiva em 27 de outubro.

Veja mais: Guedes: Economia se recupera graças à vacinação, mas ruído político atrapalha

A inflação anual na maior economia da América Latina atingiu 10,25% em setembro. Os banqueiros centrais veem o atual ritmo de aperto como “mais do que suficiente” para trazer a inflação de volta à sua meta em 2022, disse Kanczuk.

Uma deterioração adicional na perspectiva de inflação no Brasil pode exigir um ritmo mais rápido de altas, disse Alberto Ramos, economista-chefe para a América Latina do Goldman Sachs. “Cem pontos-base por reunião é um bom ritmo, mas deterioração adicional por meio, por exemplo, do aumento da inércia de forças podem exigir uma resposta monetária de curto prazo mais rápida e profunda.”

O BC tem como meta a inflação anual de 3,75% este ano e 3,5% em 2022.

Veja mais em Bloomberg.com