promo
Green

10 municípios que mais desmataram ganham quase meio milhão de bois em um ano

Maiores desmatadores da floresta amazônica no ano passado viram seu rebanho bovino aumentar 8%. Desmatamento cresce em ritmo mais acelerado que a pecuária na região

Tempo de leitura: 3 minutos

São Paulo — Os 10 municípios da Amazônia Legal que mais desmataram em 2020 tiveram um incremento de 480,4 mil cabeças em seus rebanhos no ano passado. Juntas, as cidades tiveram o corte raso de 3.830 quilômetros quadrados (383 mil hectares) de floresta, incluindo desmatamento legal e ilegal, registrado pelo Projeto de Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite (Prodes).

Na prática, para cada hectare desmatado nestes municípios, é como se 1,25 cabeça tivesse sido adicionada ao rebanho.

A área desmatada nessas cidades equivale a mais de duas vezes o tamanho do município de São Paulo. As mesmas, viram a somatória de seu rebanho bovino passar de 6,31 milhões em 2019 para 6,80 milhões de cabeças em 2020, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).

Veja mais: Desmatamento na Amazônia em agosto atinge maior índice em 10 anos

Sob uma perspectiva mais ampla, a situação é semelhante. Os cinco Estados que mais desmataram o bioma amazônico no ano passado cortaram 9,9 mil quilômetros quadrados de floresta, área equivalente a uma vez e meia a cidade de Xangai. Pará, Mato Grosso, Amazonas, Rondônia e Acre adicionaram a seus rebanhos 2,77 milhões de cabeças no ano passado, desempenho que representa um crescimento de 4% em comparação a 2019.

Evolução na última década

Nos últimos 10 anos, o ritmo do desmatamento na Amazônia Legal, região formada pelos Estados da região norte mais Mato Grosso e Maranhão, cresce de forma mais acelerada do que o próprio rebanho. Os dados do Prodes mostram que entre 2010 e 2020 o corte raso de árvores na região aumentou 62%, enquanto a evolução do rebanho bovino nos mesmos Estados avançou 25%, segundo o IBGE.

Apesar do contexto menos favorável à pecuária na última década, é importante ressaltar que essa realidade se intensificou nos últimos dois anos. Entre 2010 e 2018, a pecuária crescia na Amazônia Legal de forma mais intensa do que o desmatamento, demonstrando que a atividade não dependia da abertura de novas áreas para evoluir e que era possível crescer com ganhando eficiência e produtividade.

Veja mais: Ex-ministro da Agricultura diz que desmatamento ilegal cresceu e muito na atual gestão

Em 2019, no entanto, o desmatamento se intensifica no Brasil e passa a crescer mais rapidamente do a capacidade da pecuária evoluir. Mesmo tendo diminuído em 2020, o crescimento do corte raso de árvores na Amazônia Legal foi, novamente, superior ao aumento do rebanho na região.

Para a pecuária, a Amazônia Legal vem ganho cada vez mais relevância. Pode-se dizer quer as terras tradicionalmente mais baratas do que regiões mais consolidadas do centro-sul acabou por atrair a produção pecuária. Há dez anos, pouco mais de 35% do rebanho nacional encontrava-se dentro da Amazônia Legal. Segundo os dados do IBGE, no ano passado, 43% de todos os bovinos do país estavam inseridos na região.

Visão nacional

Em 2020, a pecuária brasileira foi influenciada pela pandemia e suas consequências no contexto internacional. O desdobrar da Covid-19 e suas medidas restritivas levaram à elevação do dólar, o que acabou por pressionar o preço dos insumos pecuários refletindo no preço da proteína animal. Outro fator que colaborou para o acréscimo de preço das carnes foi a alta demanda internacional por esses produtos, especialmente pelo mercado chinês. Diante desse quadro, os dados do IBGE mostram que o rebanho bovino do Brasil cresceu 1,5% no ano passado e atingiu a marca de 218,2 milhões de cabeças de gado.

Veja mais: Abag reconhece que imagem negativa do país no exterior tem se consolidado

Mato Grosso e Goiás mantiveram os postos de maiores rebanhos do país e, juntos, foram responsáveis por 25,8% do plantel nacional. Minas Gerais perdeu o posto de terceiro maior rebanho para o Pará, após obter alta de 6,3% em seu rebanho, totalizando 22,3 milhões de cabeças. Mato Grosso elevou seu efetivo em 2,3%, totalizando 32,7 milhões de animais. Já Goiás teve um crescimento de 3,5% em seu rebanho, que atingiu 23,6 milhões de cabeças de gado.

São Félix do Xingu (PA) continuou líder no ranking de municípios com maior rebanho e atingiu o recorde histórico com 2,4 milhões de cabeças de gado, 5,4% a mais que no ano anterior. Corumbá (MS), que fica no Pantanal, seguiu em segundo lugar, com 1,8 milhão desses animais. Marabá (PA) subiu da quinta posição no ranking para a terceira colocação, após alta de 11,8% de seu rebanho, chegando a 1,3 milhão de bovinos.

Leia também

Banco do Sergipe deixa vazar dados de chaves do Pix, diz BC

Países buscam superar obstáculos para imposto corporativo global sobre big techs

Popularidade da Robinhood diminui com fim da moda das ‘meme stocks’

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.