Tech

US$ 190 mi em capital, novo produto e sede em Miami? A Jeeves tem tudo isso

Fintech que saiu da Y Combinator para uma valuation de US$ 500 milhões em um ano anuncia novo produto e vê Miami como possível sede

Hafemeister tem apenas pouco mais de 20 anos de idade
Por Marcella McCarthy (Brasil)
29 de Setembro, 2021 | 09:10 am
Tempo de leitura: 5 minutos

Miami — A Jeeves, fintech que vem levantando rodadas consecutivas de investidores notáveis durante os últimos meses e crescendo no que seria adequadamente descrito como um ritmo insano, faz história novamente. Hoje, a empresa “remote first” lançada no México e que está construindo uma “plataforma de gerenciamento de despesas tudo em um mesmo lugar” para startups globais anunciou o lançamento de um novo produto. Ela alavancará um modelo de financiamento baseado em receita e facilitará para que startups e outras empresas com receita recorrente levantem capital de dívida. A empresa também afirma estar “testando” ter Miami como uma possível sede.

“A dívida é mais barata do que o equity e muito mais flexível e com menor diluição para os fundadores”, disse Matt Hafemeister. Ele é o ex-sócio da a16z (também conhecida como Andreessen Horowitz) que recentemente deixou a prestigiosa empresa do Vale do Silício para trabalhar como chefe de growth da Jeeves. Foi ele quem que teve a ideia do novo produto, segundo a empresa. Hafemeister, que não tem mais de 20 poucos anos – formado na faculdade em 2017 e no ensino médio em 2013 (de acordo com seu LinkedIn) – passou sua carreira de quatro anos como sócio da a16z antes de ingressar na Jeeves.

Mas vamos recapitular. Hafemeister conheceu a empresa e seus fundadores quando a a16z liderou sua Série A de US$ 131 milhões, encerrada em maio de 2021 e anunciada em junho deste ano. Posteriormente, a empresa levantou US$ 57 milhões da Série B com um valuation de US$ 500 milhões, anunciada no início deste mês.

“Atualmente, operamos em 20 países. No ano passado, a esta altura, operávamos em, bem... nenhum”, disse Dileep Thazhmon, cofundador e CEO da Jeeves. Para ser claro, no ano passado, a empresa tinha acabado de encerrar sair do evento de verão da Y Combinator. Se essa história parece como algo em que aconteceu tudo ao mesmo tempo agora, é porque aconteceu isso.

PUBLICIDADE

Thazhmon, um fundador pela terceira vez de startups, disse à Bloomberg Línea que a empresa passou cerca de 12 meses construindo furtivamente sua tech stack antes de emergir com uma lista de investidores-anjo com nomes como o CEO da Nubank, David Velez, o CEO da Kavak Carlos Garcia, o cofundador do Rappi, Sebastian Mejia, o CEO da Bitso, Daniel Vogel, e o CEO da Loft, Florian Hagenbuch, só para citar alguns.

Os investidores de unicórnios da América Latina logo souberam da Jeeves porque a empresa foi lançada primeiro na região.

Por que tanto burburinho?

Poucas empresas lançam um produto global desde o primeiro dia, mas esse era exatamente o plano de Thazhmon. Como ex-fundador de uma empresa com operações em Israel e nos EUA, ele sabia muito bem como era difícil ter as finanças de sua startup em várias moedas. Ele também aprendeu que, na América Latina, pode ser difícil conseguir um cartão de crédito corporativo e, para startups, era um fracasso total. Ao entrarmos em uma década iniciada por uma pandemia e com grande parte da força de trabalho corporativa trabalhando de casa – ou de onde quiserem – as fronteiras praticamente desapareceram, e cada vez mais empresas têm operações globais. Embora a vida profissional tenha se tornado mais fácil em muitos aspectos, essa migração tornou o back office e a reconciliação financeira uma verdadeira dor de cabeça. Assim como Thazhmon, as startups estão passando pelos mesmos desafios que ele.

Com um cartão de crédito corporativo que oferece 30 dias de crédito que pode ser pago em várias moedas, a startup se tornou a favorita no segmento. “Ao fazer sua expansão do México para o Brasil, podemos simplesmente mudar tudo no back-end, mas você pode nos pagar em pesos ou reais”, disse Thazhmon. “Oferecemos capital na moeda de quaisquer dos países nos quais operamos”, acrescentou Hafemeister.

PUBLICIDADE

Lançar-se em novos mercados foi fácil para a Jeeves, pois, como a Uber, a empresa construiu uma tech stack que poderia simplesmente ser “ativada” em novos mercados. Atualmente, a empresa está na América Latina de língua espanhola, no Brasil (que a empresa considera separadamente por causa de seu idioma e proporções gigantescas), no Reino Unido/Europa e Canadá/Estados Unidos.

Crescimento crescente

O que começou como uma fintech que oferecia um cartão corporativo para startups rapidamente se transformou em uma empresa que oferece financiamento baseado em adiantamento de receita, que é o mesmo que obter um empréstimo com base em suas receitas futuras – esse é o primeiro produto que Hafemeister vai lançar. Ao contrário de outras startups em um espaço semelhante (como a Pipe, com sede em Miami), a Jeeves subscreve os empréstimos por conta própria, e é por isso que, quando levantou sua Série A, cerca de US$ 100 milhões estavam em capital de dívida.

A ideia é que os fundadores podem fechar até US$ 10 milhões em capital de dívida em 24 horas, diz a empresa.

Hafemeister proclamou: “Os mercados de capital de dívida estão finalmente abertos para a América Latina!”

Muitos fundadores de startups acabaram por administrar uma startup e, ao mesmo tempo, viajar buscando levantar capital. Além de ser totalmente exaustivo, isso tira o foco no crescimento e nos resultados financeiros de sua startup.

Quanto mais rápido conseguirem colocar o dinheiro no banco sem ter que se diluir até a extinção, mais rápido podem voltar ao trabalho que começaram a fazer em primeiro lugar: resolver um problema e ganhar dinheiro ao fazê-lo.

PUBLICIDADE

De olho em Miami

Quando entrevistei Thazhmon por telefone, ele estava em Austin, no Texas, mas me disse que na próxima semana chegaria a Miami para testar a cidade por três meses. Atualmente, a empresa não possui uma sede e tem cerca de 10 funcionários nos EUA – os outros 55 estão espalhados pelo mundo. Até o final do ano, ele espera ter “150-170 ″ funcionários e está buscando um lugar para a Jeeves chamar de lar. “Sou originalmente da Flórida, então não seria algo totalmente novo para mim”, disse.

Leia também

CEO do Rappi chama entregador de ‘herói’, mas diz que não pode subir preços

Genially levanta US$ 20 mi em rodada da Série B com educação interativa

Kavak capta US$ 700 mi e só perde para Nubank em valuation na AL

Marcella McCarthy

Marcella McCarthy (Brasil)

Jornalista americana/brasileira especializada em tech e startups com mestrado em jornalismo pela Medill School na Northwestern University. Cobriu America Latina, Healthtech e Miami para o TechCrunch e foi fundadora e CEO de um startup Americano na área de EdTech. Baseada em Miami.

PUBLICIDADE