PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro

6 perguntas e respostas para entender a polêmica do trigo transgênico

Não se surpreenda se daqui a pouco o pãozinho da padaria ou a macarronada do domingo forem produzidos com trigo geneticamente modificado. O governo está avaliando se libera ou não o consumo no Brasil

Governo brasileiro discute a liberação do cereal geneticamente modificado. Se aprovado, o país será o primeiro do mundo a inserir o trigo transgênico em sua dieta
28 de Setembro, 2021 | 04:55 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

São Paulo — A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) vai decidir em outubro se libera ou não a comercialização no Brasil de uma variedade de trigo geneticamente modificado produzida na Argentina. A decisão vem sendo adiada desde junho, com o pedido de novos documentos e mais informações. Entenda agora por que há tanta polêmica envolvendo o trigo transgênico - sendo que já existem muitos outros produtos geneticamente modificados sendo consumidos pelo mundo.

#1 - O trigo transgênico já é consumido em algum outro lugar do mundo?

Não. O trigo transgênico HB4, resistente à seca, ao defensivo glufosinato e que também confere maior produtividade às lavouras, é a única variedade de trigo geneticamente modificada do mundo liberada para o plantio comercial e foi autorizada pelo governo argentino em outubro do ano passado. Com exceção da Argentina, nenhum país do globo planta o cereal geneticamente modificado ou consome seus derivados.

PUBLICIDADE

#2 - O que o Brasil tem a ver com trigo transgênico?

Com uma produção doméstica de aproximadamente 6,8 milhões de toneladas, o Brasil está entre os cinco maiores importadores de trigo do mundo. A Argentina produz cerca de 20,5 milhões de toneladas por ano, das quais cerca de 63% são exportadas. Das 13 milhões de toneladas vendidas a outros países, quase metade tem o Brasil como destino. Na prática, os moinhos brasileiros são os maiores clientes dos produtores de trigo da Argentina.

#3 - A Argentina já está plantando trigo transgênico?

Sim. Estima-se que a Argentina tenha plantado entre 55 mil e 60 mil hectares com a variedade geneticamente modificada. Considerando a produtividade média do país, acredita-se que a produção do trigo transgênico chegue a 200 mil toneladas. Ocorre que os produtores argentinos descumpriram uma regulamentação do próprio governo. A autorização para a venda das sementes transgênicas na Argentina foi concedida à empresa Bioceres.

Contudo, a Subsecretaria de Mercados Agropecuários do país determinou que a liberação do plantio fosse condicionada à aprovação comercial por parte das autoridades competentes do Brasil, no caso, a CTNBio. Afinal, não faria sentido produzir um trigo que não tem autorização para consumo no maior mercado consumidor do cereal argentino.

PUBLICIDADE

#4 - Existe algum problema em consumir trigo transgênico?

A CTNBio tem a competência para analisar e dar esse parecer. Porém, produtos transgênicos são consumidos pelos brasileiros há muito tempo. A grande diferença do trigo para outros grãos é que, enquanto soja e milho transgênicos são usados na ração animal e consumidos indiretamente, o trigo é matéria-prima de produtos comprados diretamente pelas pessoas, como massas, pães e biscoitos. Com isso, existe a preocupação da indústria que haja uma rejeição dos produtos por parte dos consumidores, apesar de não haver nenhum estudo que aponte isso.

Em 2004, a Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos negou o pedido de liberação de uma variedade de trigo transgênica. Como não existe em nenhum lugar do mundo, os brasileiros seriam os primeiros a testar.

#5 - O que acontece se a CTNBio liberar o trigo transgênico?

A análise e aprovação da CTNBio têm caráter técnico e leva em conta aspectos de segurança alimentar. Porém, em casos controversos, com possíveis impactos socioeconômicos e do interesse nacional, o Conselho Nacional de Biossegurança (CNBS) pode ser convocado para dar a palavra final. Seu papel seria o de analisar, os aspectos da conveniência e oportunidade socioeconômicas e do interesse nacional e decidir, em última instância, sobre os processos relativos a atividades que envolvam o uso comercial de produtos geneticamente modificados e seus derivados.

6# - Desde quando existem produtos transgênicos?

Lavouras transgênicas existem no mundo desde 1996. Os primeiros países a cultivar safras transgênicas foram Estados Unidos, Argentina, China, Canadá e México. Atualmente, existem 14 produtos agrícolas geneticamente modificados em produção comercial no mundo, que ocupam cerca de 200 milhões de hectares. Soja, milho, algodão, canola e alfafa formam o top 5, mas estão na lista beterraba, mamão, batata, maçã, cana-de-açúcar, abacaxi, girassol, berinjela e abóbora. Mais de 30 países cultivam lavouras transgênicas, sendo 10 apenas na América Latina.

Leia também

Como a crise mundial de energia pode agravar o problema no Brasil

PUBLICIDADE

Soja convencional desaparece das lavouras do Brasil

Clima e logística levam algodão perto do maior preço em 10 anos

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.

PUBLICIDADE