PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Brasil

Como a crise mundial de energia pode agravar o problema no Brasil

Ameaça crescente de escassez energética pode impulsionar ainda mais a inflação e a desorganização das cadeias produtivas

China: La crisis energética es el próximo golpe económico después de Evergrande
28 de Setembro, 2021 | 04:15 pm
Tempo de leitura: 6 minutos

Bloomberg Línea — Racionamento de usinas térmicas na China, falta de gás no Reino Unido às portas do inverno no Hemisfério Norte, alta do petróleo e risco hídrico no Brasil - o que fenômenos tão distintos têm em comum em meio ao caos energético que assusta o mundo?

Depois da pandemia e do chamado “apagão de insumos”, a economia global se depara agora com uma ameaça crescente de escassez de energia que lembra a crise do petróleo dos anos 1970 e que pode impulsionar ainda mais a inflação e a desorganização das cadeias produtivas.

PUBLICIDADE
  • Investimentos decrescentes nas matrizes mais sujas de combustíveis fósseis, como carvão e petróleo encarecem os preços de energia da China ao Brasil
  • Também pesam problemas pontuais de suprimento derivados de mudanças climáticas, como o impacto do furacão Ida na produção de combustíveis no sul dos EUA e as enchentes na Alemanha e na Ásia
  • Na Europa, a crise de energia sem precedentes é com suprimento limitado de gás vindo da Rússia e da Noruega, que tende a se agravar com a chegada do inverno

Veja mais: Crise de energia é vingança da velha economia, diz Goldman Sachs

A explicação para o fenômeno é simples e já vinha sendo aventada há tempos por cientistas climáticos: a escassez de recursos naturais para sustentar uma demanda crescente e o foco em poucas matrizes energéticas pressionam a oferta de energia, em um momento em que o mundo se recupera do choque econômico da Covid-19.

No Brasil, que enfrentou racionamento energético no início da década de 2000, a crise é agravada pela seca, que reduziu a capacidade de geração das hidrelétricas, além de investimentos defasados também relacionados à reorganização do setor de óleo e gás após a operação Lava Jato.

PUBLICIDADE

Em maio, o governo emitiu um alerta de emergência hídrica para o período de junho a setembro em Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná. Segundo dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), os reservatórios brasileiros estavam, há um mês, em 44% da média histórica, na pior seca dos últimos 91 anos.

Confira abaixo os principais pontos para entender a crise energética no Brasil e no mundo:

Risco de racionamento no Brasil

Quem viveu o ano de 2001 lembra bem o que o racionamento de energia faz com o dia a dia. Shoppings e comércios funcionavam em horários restritos e até a indústria teve que se adaptar para evitar um apagão geral no país.

Agora, apesar de ter uma matriz mais diversa do que na época, a preponderância das usinas hidrelétricas no Brasil faz com que o risco de racionamento se torne mais real à medida que o ano avança sem uma melhora nos níveis de chuvas, principalmente da região Sudeste.

Para Victor Burkett, analista que cobre o setor de energia na XP Investimentos, a seca da região provavelmente causará apagões de energia nos próximos meses.

“Quando as hidrelétricas [do Sudeste] param de produzir, precisam trazer energia do Nordeste, o que coloca pressão sobre o sistema e causa potenciais apagões”, explica.

PUBLICIDADE

Veja mais: Petrobras anuncia reajuste de 8,9% no diesel a partir de amanhã

Ele alerta ainda que o risco de racionamento, segundo cálculos da XP, saltou de 5% em agosto para 17% em setembro, e que deve ter um pico em novembro, antes das estações de chuva.

Segundo a ONS, o Brasil tinha em setembro de 2021, 172.344 MW de capacidade de geração instalada no Sistema Interligado Nacional, sendo 63% provenientes de usinas hidroelétricas, 13% de usinas térmicas, 11% de plantas eólicas, 2,5% de painéis solares, 8% de usinas à biomassa e pouco mais 1% relativo às duas usinas nucleares.

PUBLICIDADE

Um estudo de julho do Instituto Escolhas, associação civil sem fins econômicos, o que resume a atual situação de escassez no sistema energético brasileiro é o que eles chamam de “síndrome do avestruz” - a insistência do país em se esconder em soluções “imediatistas e anacrônicas”.

O documento aponta que, apesar da maior diversidade da matriz energética, o Brasil seguiu apostando na expansão da geração termelétrica, assim como do gás natural e carvão mineral, fontes notadamente mais caras do que a hidrelétrica, por exemplo, e que não são renováveis. Agora, segundo eles, o país deve correr atrás da diversificação para evitar anos de racionamento.

Descarbonização na China

Diferentemente do que muitos imaginam, a China vem apertando o cerco à poluição e reduzindo os investimentos na geração de energia a partir do carvão e da queima de combustíveis fósseis - e isso ocorre enquanto cresce o consumo das cidades e da indústria para atender à demanda crescente do mundo no pós-pandemia.

O presidente Xi Jinping quer mostrar nas Olimpíadas de Inverno em Pequim em fevereiro próximo que leva a sério a descarbonização da economia e, assim, autoridades chinesas buscam cumprir metas para reduzir as emissões e reagem à escalada dos preços do carvão e do gás.

PUBLICIDADE

Só que, para evitar uma crise energética ainda maior, o país tem limitado a operação da indústria intensiva em energia, como a de alumínio, entre outros segmentos.

Veja mais: Crise de energia na China volta a pressionar minério de ferro

Uma série de empresas menores também estão começando a informar a bolsa de valores que receberam ordens para conter ou interromper as atividades. O resultado final pode ser uma escassez de tudo, desde têxteis a componentes eletrônicos, que podem complicar as cadeias de abastecimento e consumir os lucros de uma série de empresas multinacionais.

A Pegatron, importante fornecedora da Apple e uma das principais fabricantes do iPhone, por exemplo, está tomando medidas para diminuir o uso de energia para cumprir ordens do governo local.

PUBLICIDADE

Escassez de gás e falta de ventos na Europa

Já a Europa enfrenta uma crise de energia sem precedentes, com suprimento limitado de gás vindo da Rússia e da Noruega, que tende a se agravar com a chegada do inverno.

Os ventos fracos neste ano dificultaram a geração eólica, levando as distribuidoras de eletricidade a recorrerem a combustíveis fósseis mais sujos para contornar o déficit de abastecimento.

Os preços da energia estão disparando no momento em que o continente tenta pressionar por um acordo climático mais ambicioso quando os líderes mundiais se reunirem na Escócia para a COPE-26.

O uso de carvão provavelmente tornará essas negociações difíceis para os políticos do Reino Unido à Espanha e Itália, que já estão lidando com o medo de uma reação eleitoral negativa devido ao aumento das contas de energia.

PUBLICIDADE

Veja mais: Petróleo Brent supera US$ 80 em meio à crise global de energia

Milhões de consumidores do Reino Unido devem ter contas de energia mais caras em até 10% em outubro e o governo está sendo pressionado a resgatar fornecedores em dificuldades. Na Espanha, onde os preços da energia estão em território desconhecido, o governo cortou os impostos sobre a energia e propôs limitar os lucros das concessionárias. E na Itália, o primeiro-ministro Mario Draghi - que já foi o principal nome do Banco Central Europeu - está pronto para gastar 3,5 bilhões de euros (US$ 4,1 bilhões) em recursos públicos para reduzir o impacto nas famílias.

A crise energética da Europa está se espalhando para a indústria de fertilizantes e ameaçando o setor de carnes, arriscando o abastecimento de alimentos mais apertado e preços ainda mais altos. A fabricante de fertilizantes norueguesa Yara International informou que os preços recordes do gás estão prejudicando sua produção e que terá de reduzir cerca de 40% sua capacidade de produção de amônia na Europa. Isso aconteceu depois que a CF Industries Holdings Inc. disse que está fechando duas fábricas no Reino Unido devido aos altos custos de energia.

As paralisações também correm o risco de atingir outras partes da cadeia de suprimento de alimentos ao restringir os suprimentos de dióxido de carbono, que tem uma ampla gama de utilizações, desde o abate de animais até embalagens que aumentam a vida útil de alimentos.

PUBLICIDADE

--Com informações da Bloomberg News

Leia também

Safras arruinadas no Brasil alimentam inflação global

Toni Sciarretta

Toni Sciarretta

News director da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista com mais de 20 anos de experiência na cobertura diária de finanças, mercados e empresas abertas. Trabalhou no Valor Econômico e na Folha de S.Paulo. Foi bolsista do programa de jornalismo da Universidade de Michigan.

Ana Siedschlag

Ana Carolina Siedschlag

Editora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero e especializada em finanças e investimentos. Passou pelas redações da Forbes Brasil, Bloomberg Brasil e Investing.com.

PUBLICIDADE